quinta-feira, 23 de março de 2017

Votação da capa de Blogueiras.com


Vocês se lembram que há uns dias eu falei aqui sobre o projeto Blogueiras.com?

É uma antologia de contos organizada pela Thati Machado, do blog Nem Te Conto, que tem como tema o universo dos blogs. 

As autoras/blogueiras do livro, além de mim, são só divas maravilhosas que conheci durante o processo: Thati Machado, Lari Azevedo, Raffa Fustagno, Mari Mortani, Mari Scotti, Adrielli Almeida e Thays M. de Lima.


E hoje venho pedir a opinião de vocês. Os leitores é que irão escolher a capa do livro!

Siiiiiiim, amiguinhos, não é todo dia que vocês podem escolher a capa do livro que vão ler.


Essas são as duas opções e a votação acontece aqui, na página do blog Nem Te Conto.

Se sua preferida foi a número 1, é só curtir. Se foi a número 2, é só dar coraçãozinho. Facílimo!

A votação começou ontem, dia 22, e vai até domingo, dia 26.

Eu ainda não consegui decidi a minha preferida, já que amei as duas. O link para votação é esse aqui.

E vocês, de qual gostaram mais?

Em breve o livro Blogueiras.com vai estar disponível para vocês! Fiquem de olho que vou sempre trazer novidades.

Teca Machado


quarta-feira, 22 de março de 2017

O que teve no Literatura Por Mulheres


Há alguns dias falei sobre o evento Literatura Por Mulheres, que aconteceu em Brasília no dia 11 de março e eu fui uma das autoras convidadas a conversar com o público.


Não pôde ir? Não tem problema! Agora tem um vídeo com os melhores momentos do debate!

A edição e a filmagem são do pessoal do Animars e ficou muito bacana:


Obrigada aos blogs Ponto Para Ler, Academia Literária DF e Leitora Sempre que organizaram esse evento tão legal, que nos trataram com muito carinho e com quem fiz amizade e agora vão ter que me aguentar, hahaha. Obrigada a Cinthia Kriemler, que foi uma moderadora maravilhosa e sem papas na língua. Obrigada a Animars, pelo vídeo tão lindo. Obrigada ao público que foi e participou ativamente. Obrigada aos amigos e desconhecidos que votaram na enquete para que eu pudesse participar. E obrigada a Verônica Saiki e a Wall Oliveira, as duas outras autoras que estiveram comigo e me ensinaram muito, cada uma a sua maneira.

Teca Machado


terça-feira, 21 de março de 2017

A Bela e a Fera – Lindo em 1991, lindo em 2017


Quando eu era bem pequena, em 1991, minha mãe me levou ao cinema para assistir A Bela e a Fera. Dessa experiência específica eu não me lembro, mas o filme me acompanhou nos anos seguintes em casa – e aí sim eu me lembro – e se tornou um dos meus contos de fadas preferidos. E isso não aconteceu só comigo, por isso agora toda menina da minha geração em diante, que cresceu com a Bela, estava quicando de ansiedade para ver a versão live-action de 2017 de um dos maiores clássicos da Disney, a primeira animação a ser indicada na categoria Melhor Filme, do Oscar.


A Bela e a Fera de 2017, do diretor Bill Condon, é simplesmente lindo. É, eu sei, estou sendo bem parcial aqui, mas a história é ótima, o elenco incrível, o visual muito bonito e as músicas maravilhosas. O que tem para não gostar? Saí do cinema com as pupilas dos olhos em formato de coração.

A história da garota que se sente deslocada na pequena vila em que mora e se apaixona por uma fera ganhou novos contornos na pele de Emma Watson. O que tem sido bem interessante nos remakes feitos pela Disney dos seus contos de fadas é que até o momento todas as princesas foram “reais”. Nenhuma delas – Aurora, em Malévola, e Cinderela – eram extremamente lindas, de belezas inalcançáveis, frágeis e bobas. Eram bonitas, mas não a ponto de garotas ao redor do mundo não conseguirem se enxergar ali. E Emma Watson fez isso com maestria (como não se identificar com o fato de ela amar ler?). Sua Bela é bonita, ousada, destemida e luta pelo que quer, ainda mais do que a do desenho, porque a história é um pouco mais aprofundada do que a de 1991.



Ainda que com cenas e músicas a mais e algumas alterações (no live-action Bela é a inventora da família, não o pai, enquanto ele faz caixas de música), A Bela e a Fera de 2017 é muitíssimo fiel ao seu original, graças a Deus! É possível ver em carne e osso tudo aquilo que a gente via no desenho, em alguns momentos eu até mesmo sabia as falas de cor. As partes “a mais” são fatos que explicam alguns furos de roteiro que antes haviam, como ninguém nas vilas perceber o desaparecimento dos habitantes do castelo e o porquê de Bela e o pai morarem naquela pequena vila onde nenhum dos dois se encaixa.

Mesmo com todos os pontos positivos, o que é mais incrível no filme é o elenco. Muitíssimo bem escolhido, não só a Bela, com Emma Watson, ou a Fera, com Dan Stevens (por falar nisso, é impossível reconhecer o ator. A produção optou por deixar todos os seus traços humanos, inclusive a voz, irreconhecíveis). Watson deu o tom certo que a personagem precisava e ainda canta bem. Não é a melhor cantora do universo, mas faz um ótimo trabalho.



Luke Evans, na pele do macho alfa Gaston, foi sensacional. Deu o tom quase caricato que o personagem tem, que passou de apenas babaca a vilão. Essa transformação gradual foi muito bem feita. E ao seu lado brilha Josh Gad, como seu amigo LeFou, aquele da polêmica gay. Na verdade, como o filme é mais aprofundado do que o desenho, acredito que só ficou mais evidente o que era discreto no original. Josh Gad é o alívio cômico e a voz da razão, excelente.

Há ainda Ewan McGregor, na voz de Lumière, e Ian McKellen, como Cogsworth – mais conhecido em português como Horloge. Os dois são os xodós do filme, sempre foram. Carismáticos e com uma relação de amizade verdadeira. Ambos deram a voz e a alma pelos personagens. E há ainda Emma Thompson interpretando Mrs. Potts (no português Madame Samovar), e Kevin Kline como Maurice, pai de Bela.




A trilha sonora é de uma lindeza sem fim. Ela até tomou o lugar de La La Land no meu Spotify, que só tocava isso havia um mês. As cenas musicais são lindas e bem orquestradas. A gente até arrepia no momento do baile do vestido amarelo e se diverte muito na sequência sobre Gaston na taverna. Além das canções originais, muito bem interpretadas pelos atores atuais, há ainda novas músicas, como How Does a Moment Last Forever, interpretada por Celine Dion, que cantou a versão original de Tale as Old as Time, que levou o Oscar em 1991 e hoje foi gravada por Ariana Grande e John Legend.

Enfim, A Bela e a Fera é um lindíssimo musical repleto da magia Disney, que sempre soube contar muito bem uma história. Mas, apesar de ter amado muito, ainda gostei mais da versão live-action de Cinderela, acho que pela doçura da história.


Recomendo demais.

Teca Machado

segunda-feira, 20 de março de 2017

Mapa mundial da literatura


Há algumas semanas encontrei no instagram um perfil muito bacana chamado Far Away Places in Books (@farawayplacesbooks) onde o projeto da menina é ler um livro de cada país do mundo. Achei a iniciativa super interessante e até perguntei quais ela tinha lido e quais tinha mais gostado até o momento: Já leu livros da Alemanha, Polônia, Estônia, Itália e muitos outros, sendo que o seu preferido foi um da Finlândia, chamado The Summer Book.

E foi exatamente desse perfil que eu lembrei ao ver o Mapa da Literatura, postado no Reddit por Backforward24.

Tendo em mente que os livros podem te levar para os locais mais distantes, Backforward24 fez um mapa onde colocou dentro das fronteiras do país o livro considerado mais famoso ou importante entre os autores locais. 

Clique na imagem para ampliar

Claro que essa é uma visão pessoal do autor do mapa, não necessariamente sendo o livro mais importante do país (por exemplo, tem muita gente reclamando que Orgulho e Preconceito, na Inglaterra, deveria dar lugar para alguma obra de Shakespeare), mas deixemos isso de lado e veremos quantos livros interessantes temos por aí fora da rota literária principal de Estados Unidos e Inglaterra. E viram quem está no Brasil? Dom Casmurro!

Vou pesquisar alguns dos livros mostrados no mapa e no Far Away Places in Books.

Vamos dar uma volta ao mundo literária?

Fonte: Indy100

Teca Machado

sexta-feira, 17 de março de 2017

Simplesmente o Paraíso – O adorável início de o Quarteto Smythe-Smith


Todo mundo que se aventurou pelos livros da série Os Bridgertons, de Julia Quinn, conheceu as adoráveis, mas terríveis em música, garotas da família Smythe-Smith. Todos os anos o clã Bridgerton e toda a sociedade londrina são convidados para os concertos do quarteto formado por primas. O problema é que elas são horríveis. Muito horríveis. Assassinam qualquer sinfonia que toquem, principalmente de Mozart. Elas não sabem disso? São surdas? Agora poderemos conhecer as musicistas, já a autora nos presenteou com uma série focada nessas meninas: Quarteto Smythe-Smith.

O primeiro livro, que recebi em parceria com a Editora Arqueiro, é o Simplesmente o Paraíso. Nesse doce romance de época, temos como protagonistas Honoria e Marcus. 

Livro recebido em parceria com a Editora Arqueiro

Honoria é a violinista atual do quarteto. E, sim, ela sabe que toca mal. Ela sabe que todas as primas tocam mal. Mas ela não se importa (pelo menos não tanto quanto as outras integrantes do concerto, que preferem morrer a participar mais um ano). Só que ano após ano ela enfrenta o público, pois sabe que isso é importante para a sua família, é uma tradição. E para ela não há nada mais importante nessa vida do que a família.

Marcus não se importa tanto assim. Muito se dá ao fato de que cresceu numa família em que era apenas ele e o pai, que pouco interagia com filho. Ainda novo, Marcus encontrou em Daniel, irmão de Honoria, a família que não teve. Os Smythe-Smiths eram numerosos, barulhentos e divertidos, mesmo a irmã mais nova de Daniel, a teimosa Honoria, que grudava nos garotos igual um carrapato, de onde surgiu seu apelido “carinhoso”.

Julia Quinn
Quando Daniel é exilado fora do país, pede que Marcus tome conta de Honoria, para que ela não case com nenhum babaca ou caça-fortunas. Marcus odeia os eventos sociais de Londres, principalmente a temporada de festas em que jovens damas, inclusive Honoria, buscam maridos. Mas ele precisa estar lá, mesmo que discretamente, devido a promessa que fez ao amigo. Até que um infeliz acidente faz com que Marcus e Honoria, que já eram amigos, se aproximem ainda mais e enxerguem o que sempre esteve ali, mas não viam realmente.

Fofura. É assim que eu descrevo Simplesmente o Paraíso. A história, e a forma como Julia Quinn a conduz, é de delicadeza e sensibilidade enormes. Esse é, sim, um romance, mas com um amor que surgiu aos poucos. Aliás, surgiu não: foi descoberto aos poucos. Não foi uma paixão fulminante e repentina, foi um sentimento construído ao longo dos anos e das atitudes e tem a amizade como base sólida. Por isso é tão doce!

Simplesmente o Paraíso é uma lição sobre laços afetivos, sobre a importância da família e da amizade. Ali vemos como por aqueles a quem amamos podemos passar por provações terríveis (seja tocando no quarteto, seja escutando o quarteto) e ainda assim colocar um sorriso no rosto.

Honoria é uma excelente protagonista feminina. Apesar da época, não é frágil, mas ainda assim sonha com um casamento cheio de amor, filhos e uma família para chamar de sua. Divertida, otimista e inteligente, Honoria nos conquista logo no começo do livro, quando a conhecemos criança infernizando o irmão e Marcus. E por falar no Marcus, que homem! Um típico mocinho de romance de época, mesmo que mais taciturno e quieto. Ele é um homem fechado, mas que se abre para aqueles de quem gosta, e então mostra o seu ótimo senso de humor e bondade. Como não se apaixonar, me diz? Minha lista de periguete literária só aumenta!

O meu tem autógrafo :D

A escrita da autora é leve, fluida, muito divertida e ainda nos dá de presente a presença de alguns Bridgertons. Gregory é citado e Colin aparece num trecho. Mesmo nos momentos mais sombrios, quando Marcus cai doente e tem alucinações, é possível rir e se divertir. A graça dos romances de época é essa: saber que é uma história leve, que aquece o nosso coração e que nos faz sorrir várias vezes durante a leitura. E ainda tem uma promessa de finais felizes – ou pelo menos otimistas.

Simplesmente o Paraíso foi um ótimo começo para a série Quarteto Smythe-Smith e espero em breve ler os próximos volumes!

O mais legal do lançamento do Quarteto Smythe-Smith é que a Editora Arqueiro deu para os leitores duas opções de compra: Os quatro livros de uma vez em um box lindão ou em livros avulsos. Então quem gosta de maratonar séries literárias, não vai ter que esperar anos para a publicação de todos.



Recomendo muito.

Teca Machado


quinta-feira, 16 de março de 2017

Sorteio de Simplesmente o Paraíso autografado - Resultado


Na última semana tudo o que eu falei aqui foi sorteio, sorteio, sorteio!

Quando conheci a Julia Quinn na terça-feira passada, levei um exemplar de Simplesmente o Paraíso para que ela autografasse para vocês.


E hoje saiu o resultado!

Quem fooooooi?


Foi a Leonora Oliveira!

(Se você quiser ver como foi feito o sorteio, filmei tudo no instastories do blog @casosacasoselivros)

Hoje mesmo entro em contato para pegar os seus dados para envio do livro. Já posso dizer que Simplesmente o Paraíso é de uma fofurice sem fim! Eu amei a leitura (e amanhã tem resenha, fiquem de olho).

Parabéns a vencedora e obrigada a todos que participaram!

E querem mais sorteio?

A Carol Daixum, do blog Pequena Jornalista, está sorteando um livro meu, o Je T’aime, Paris. Clique aqui e participe também!

Teca Machado


quarta-feira, 15 de março de 2017

Mãe, conheci a Julia Quinn!


Tem tiete por aqui?

Tem sim, senhor!

Na semana passada, a Editora Arqueiro trouxe para o Brasil a Julia Quinn, uma das minhas escritoras preferidas da vida. Ela fez um tour por várias cidades, inclusive, veio para Brasília, onde moro. Claro que eu fui presença garantida na noite de autógrafos.

Eu que já era fã da autora das séries de romance de época Os Bridgetons e Quarteto Smythe-Smith, fiquei mais ainda!

Fui de manhã cedinho pegar a senha e voltei à noite. Evento super organizado, pessoal não furou fila e foi muito tranquilo. Fiquei cerca de duas horas esperando e ainda fiz amizade com umas meninas super bacanas, inclusive a Denise do blog Seja Cult.

Quando chegou a minha vez, bateu AQUELA emoção de ver uma das minhas divas supremas. Tanto que sai com cara de louca nas fotos, hahaha. 

Foto: Roberto Filho

Foto: Roberto Filho

A Julia Quinn foi super simpática com todo mundo, conversou, beijou, abraçou, deu autógrafos e distribuiu sorrisos.

Uma das melhores sensações é descobrir que aquela pessoa de quem você é é, além de tudo, super bacana ao vivo.

Livro recebido em parceria com a Editora Arqueiro

Saí do evento organizado pela Editora Arqueiro super feliz e realizada. Obrigada por terem trazido a Julia Quinn para o Brasil e para Brasília!

E ainda dá tempo de você participar do sorteio de um exemplar de Simplesmente o Paraíso, o primeiro livro do Quarteto Smythe-Smith, autografado pela Julia Quinn. Mas corre que são as últimas horas!



Teca Machado

terça-feira, 14 de março de 2017

O Oráculo Oculto: Apolo e sua autoestima no Olimpo


Corre que está acabando o tempo! Está tendo sorteio de um exemplar autografado pela Julia Quinn de Simplesmente o Paraíso, primeiro livro da série Quarteto Smythe-Smith. É um romance de época todo lindão. Participe aqui!

Rick Riordan e seus livros de mitologia têm um grandessíssimo espaço no meu coração. As duas séries envolvendo o Percy Jackson – Percy Jackson e os Olimpianos e Os Heróis do Olimpo – são duas das minhas preferidas da vida, a de Magnus Chase – Magnus Chase e os Deuses de Asgard -, que ainda só li um livro, também, e agora posso acrescentar nesse bolo mitológico As Provações de Apolo, cujo primeiro livro é O Oráculo Oculto.


Se nas sagas do Percy Jackson já era maravilhoso encontrar, mesmo que brevemente, o deus Apolo, agora vamos nos deliciar com um livro todo dele, narrado em primeira pessoa pelo deus da música, da arquearia, conhecido pela sua beleza, egocentrismo e haicais.

Nesse primeiro livro de As Provações de Apolo, o nosso protagonista cai na Terra. Literalmente. Zeus, por algum motivo que Apolo não consegue se lembrar, está muito bravo e joga o filho no nosso mundo como um mortal adolescente de 16 anos, sem poderes, com um nome ridículo, ligeiramente gordinho e com acne. Acne! O deus da beleza quase tem um troço ao descobrir sua nova aparência e realidade. E tudo piora porque ele acorda num beco cheio de lixo, com valentões puxando briga e tem como nova mestre Meg, uma garota esquisitíssima de 12 anos que tem poderes sobre as frutas, provavelmente uma semideusa perdida pelas ruas de Nova York.

Rick Riordan
Para poder cair nas boas graças de Zeus de novo, Apolo precisa passar por provações terríveis na Terra (ele sabe disso porque não é a primeira vez que seu pai fica zangado assim...). Mas dessa vez parece que tudo está mais complicado do que em séculos anteriores. No Acampamento Meio Sangue as coisas estão esquisitas. Campistas estão desaparecendo, o bosque está fantasmagórico e o oráculo, responsabilidade de Apolo, está com defeito. Ou seja, sem oráculo, sem missões. Sem missões, sem semideuses para salvarem o mundo. Cabe, então, a Apolo e Meg tentarem descobrir como reverter a situação.

Se os livros anteriores de Rick Riordan são cheios de humor, O Oráculo Oculto é o mais engraçado de todos. Apolo é um personagem ótimo. Metido, arrogante, tão cheio de si que é impossível não rir das suas tiradas (por exemplo, ele tem como frase motivacional “você é lindo e as pessoas te amam”). Sua autoestima e sarcasmo vão lá no Olimpo. Constantemente ele ofende as pessoas, principalmente os seres humanos (“Nunca vou entender como vocês, mortais, toleram isso. Vocês passam a vida toda presos em um saco de carne, incapazes de apreciar os prazeres mais simples, como se transformar em um beija-flor ou se dissolver em pura luz”), e vai contando casos dos seus quatro mil anos de vida que te fazem rir. Mas a medida que o livro vai passando, e Apolo amadurecendo, enxergamos outra faceta do olimpiano, uma mais grave e sombria, cheia de erros do passado e tristezas, além de arrependimentos.


E se tem algo que sabemos que o escritor faz bem é falar de amizades. Apesar de uma relação estranha e um tanto tortuosa, a amizade de Apolo e Meg é um dos ponto-chaves da história do livro e é uma gracinha de se ver crescer e aflorar.

O autor, que é adepto de “a zueira never end”, coloca em O Oráculo Oculto o melhor de si. Temos até um semideus brasileiro que só fala português e tem uma bandeira mágica do país, que teoricamente salva Apolo em uma situação. As referências são maravilhosas, já que ele cita Groot, dos Guardiões da Galáxia, as Kardashians, o Spotify e muito mais. Fora que Riordan dá lição em homofóbicos ao apresentar personagens gays (Will, filho de Apolo, e seu namorado Nico), além de deixar muito claro que o protagonista é pansexual.


Revemos muitos dos amigos antigos, como Percy Jackson, Nico e Quiron. Annabeth é citada várias vezes e temos uma participação especial de Leo Valdez. A maneira como Rick Riordan entrelaçou todas as séries gregas para culminar nessa é genial. Vemos que tudo o que aconteceu nas duas anteriores são “culpa” dos vilões dessa. E, devo falar para vocês, o vilão-mor é incrível, talvez o mais interessante até o momento.

Espero ansiosamente pelos próximos volumes de As Provações de Apolo, principalmente depois do final um tanto quanto aberto de O Oráculo Oculto.

Recomendo muito.

Teca Machado


segunda-feira, 13 de março de 2017

Recebidos – Editora Arqueiro


É sempre motivo de felicidade quando o carteiro chega com um pacote para mim. E se esse pacote tem livros das parceiras Editora Arqueiro e Editora Sextante, melhor ainda!

Na última vez que isso aconteceu, recebi dois lançamentos de fevereiro da Arqueiro de dois dos meus autores preferidos:

Recebidos em parceria com a Editora Arqueiro

1- Simplesmente o Paraíso, livro 1 da série Quarteto Smythe-Smith, de Julia Quinn.
2- A Promessa, da série de Myron Bolitar, de Harlan Coben.

Os livros são tão bons que já terminei Simplesmente o Paraíso e estou na metade de A Promessa. Então fiquem de olho que muitíssimo em breve teremos as resenhas por aqui.

Enquanto isso não acontece, deixa eu lembrar vocês que aqui está rolando um sorteio de Simplesmente o Paraíso autografado pela Julia Quinn! Quando ela veio em Brasília na semana passada levei o meu exemplar e mais um para presentear vocês. Vem que ainda dá tempo! Clique aqui e participe.


Teca Machado

sábado, 11 de março de 2017

Logan, um adeus a Wolverine


Hey, você sabia que o blog está sorteando um exemplar de Simplesmente o Paraíso, de Julia Quinn, autografado pela autora? Não? Então clique aqui e saiba como participar. Mas já dou um spoiler: é facinho!

Essa é uma postagem da Liga da Justiça dos Blogs, um conjunto de blogs que fala sobre filmes e histórias de super-heróis. E quem vos fala é a Teca Mac... Ops! Quase revelei minha identidade secreta! Aqui é a Mística, toda azul, traiçoeira e tals.

É sempre difícil dar adeus a uma série, uma saga, um personagem que está com você há tantos anos. E foi difícil me despedir de Logan, mais conhecido com Wolverine.  A ida ao cinema para assistir Hugh Jackman interpretando pela última vez seu personagem mais icônico teve um gosto agridoce. Mais “agri” do que doce, na verdade. 


E pode ler a resenha tranquilo, coleguinha. Aqui é sempre sem spoilers. :D

O filme do diretor James Magold foi a segunda incursão da Marvel em uma produção com classificação para maiores de 18 anos (a primeira foi Deadpool – Comentei aqui). E tinha que ser. O personagem título sempre foi retratado em suas nove aparições – entre elas protagonista, coadjuvante e apenas participação especial de segundos – como instável, violento e traumatizado, mas a violência nunca foi tão clara, o sangue nunca foi tão vermelho e tão espirrado, as cabeças nunca rolaram. O público subentendia isso, mas não via. Dessa vez não. E a primeira cena do longa já é bem explícita.



Então pode se preparar: Logan é o filme mais pesado da Marvel até o momento. Uma aposta arriscada para um estúdio que sempre teve filmes mais leves, mas que valeu muitíssimo a pena. O tom sombrio da história pedia. E acho que pela primeira vez as legendas em português realmente traduziram todos os palavrões. Nem mesmo em O Lobo de Wall Street, tido como o filme com o maior número de palavrões da história do cinema, teve tanta legenda literal.

Em Logan estamos em 2029. Os mutantes praticamente desapareceram da Terra. Há mais de 20 anos não nasce um e eles foram transformados em quadrinhos, em quase lendas. Os X-Men não existem mais. Entre os poucos que sobreviveram estão Logan (Hugh Jackman), que vive disfarçado como motorista de limusine, e Charles Xavier (Patrick Stewart), que é mantido escondido por Logan no México porque seus poderes psíquicos estão fora do controle. Quando uma enfermeira aparece atrás de Logan pedindo socorro, a garotinha Laura (Dafne Keen) cruza o caminho dos dois mutantes, assim como uma organização de mercenários que a persegue. Cabe então a Logan proteger a menina e a levar para um local aparentemente seguro.




Esqueça o Wolverine quase animalesco que estamos acostumados a ver em outros filmes. Agora ele é Logan. Um mutante doente, traumatizado, “quebrado”, que sofre com seus poderes, envelhecido, que bebe o tempo todo. Está mais ácido e sarcástico do que nunca. Nem mesmo seu poder de recuperação de machucados funciona bem. Dá vontade de chorar pelo personagem a todo tempo. E Hugh Jackman faz o seu melhor – e mais triste – trabalho.

A relação de Logan e Xavier está ótima. Apesar dos pesares que ambos os personagens vivem, são finalmente como uma família, como pai e filho. A dinâmica e química entre os dois atores é incrível. Assim como a estreante Dafne Keen. Ela passa 70% do filme muda, só nos passando o que sente pelos olhos e pelas lutas de ação que são de tirar o fôlego (quem diria que uma menininha seria tão letal). Já há uma onda de pedidos para que a personagem Laura apareça em outros filmes da franquia.




Logan é quase um western, um filme de faroeste, com suas cores tristes, duelos e muita poeira. Há cenas doces e melancólicas – como quando Xavier afirma que aquele havia sido um dos melhores dias da vida dele – e sequências tão tristes que vão te dar um nó na garganta.

Logan é um adeus a um personagem que está no nosso imaginário há 17 anos, é quase uma homenagem a Wolverine e a Hugh Jackman. 


Sentiremos saudades. Muitas.

Recomendo demais.

Teca Machado

Esse post faz parte da Liga da Justiça dos Blogs

sexta-feira, 10 de março de 2017

Literatura Por Mulheres – Evento em Brasília


Já estão sabendo do sorteio do livro Simplesmente o Paraíso, de Julia Quinn, autografado? Ainda não? Então cliquem aqui.

O Dia das Mulheres já acabou? 

Já, há dois dias. Maaas as comemorações ainda não.

Por isso hoje venho convidar vocês para um evento muito bacana que vai acontecer em Brasília amanhã, sábado, dia 11:


O Literatura Por Mulheres, organizado pelos blogs Academia Literária, Ponto Para Ler e Leitora Sempre, conta comigo, Teca MachadoVerônica Saiki e Wall Oliveira, três autoras escolhidas por votação popular no Facebook (Eu já conheci as meninas e posso falar uma coisa para vocês: são maravilhosas!). A mediação do bate-papo vai ser de Cinthia Kriemler.

Vamos falar sobre como é ser mulher nesse setor predominantemente masculino. E conversar também sobre nossas obras, nosso dia a dia e nossa percepção do assunto.

E, ainda por cima, vai ter sorteio de vários brindes e venda dos livros das três autoras, com direito a muitos autógrafos e fotos (E se você não vai poder ir, mas quer muito ler meus livros Je T’aime, Paris e I Love New York, tem para comprar em e-book aqui na Amazon e em livro físico aqui no livrosdateca.com).

Eu, se fosse vocês, não perdia o evento!

Não se esqueçam:
Sábado, dia 11, às 15h, no Sesc Estação 504 Sul, em Brasília

Até amanhã, hein?

Teca Machado

quinta-feira, 9 de março de 2017

Sorteio! – Simplesmente o Paraíso, de Julia Quinn, autografado


Se você segue as redes sociais do blog, deve saber que na terça-feira à noite eu conheci a escritora Julia Quinn!

Imagina a minha felicidade por conhecer uma das minhas autoras preferidas e ainda por cima ganhar beijo, abraço e descobrir que ela é a simpatia em pessoa.

A Julia Quinn, para quem não conhece, é autora de romances de época, todos lançados pela Editora Arqueiro aqui no país. Sua série Os Bridgertons foi finalizada com 9 livros e agora ela lançou outra com mais 4, O Quarteto Smythe-Smith.  A escritora americana está fazendo um tour pelo Brasil nessa semana (Veja a agenda dela aqui).

Levei dois livros da minha coleção, um dos Bridgertons e um do Quarteto Smythe-Smith, para ela autografar e mais um para sortear para vocês. O escolhido foi Simplesmente o Paraíso, o primeiro volume da nova série.

Sim, amiguinhos, vai ter sorteio de livro autografado pela Julia Quinn aqui no blog!

Como participar? Facinho! É só preencher as regras abaixo:



• O período do sorteio será de hoje, 09/03, a 16/03. O resultado será divulgado no dia seguinte.
• Para participar é preciso preencher as entradas obrigatórias do Rafflecopter.
• Para ter mais chances de ganhar, você pode preencher as outras entradas.
• É preciso morar em território nacional.
• O livro será enviado pelo Casos, Acasos e Livros num prazo de 15 dias após o resultado do sorteio.

Boa sorte!

Teca Machado

quarta-feira, 8 de março de 2017

Blogueiras.com – Antologia de contos


Alô, alô! Hoje temos novidades literárias e bloguísticas!

É isso mesmo, senhoras e senhores, vamos juntar as duas coisas que mais gostamos na vida: blogs e literatura!

O blog Nem Te Conto, da Thati Machado, está organizando uma antologia de contos chamada Blogueiras.com

Entre as autoras participantes estou eu e mais sete garotas muito maravilhosas que vivem nesse universo on line: Thati Machado, Lari Azevedo, Raffa Fustagno, Mari Mortani, Mari Scotti, Adrielli Almeida e Thays M. de Lima.


Serão oito contos com a temática “blog” e posso adiantar uma coisa para vocês: Tem histórias de vários gêneros e com pegadas completamente diferentes uma das outras.

Primeiramente Blogueiras.com vai ser lançado em e-book e depois em impresso.

Então fiquem de olho para saber das novidades! Em breve divulgamos capa, lançamento e outros detalhes.

Querem conhecer um pouco mais das autoras?

Thati Machado (Nem Te Conto)
Lari Azevedo (Burn Book e Lari Azevedo)
Mari Mortani (Magia Literária)
Adrielli Almeida (O Que Tem Na Nossa Estante)
Thays M. de Lima (Thays M. de Lima)

E se você quer participar de uma rifa digital com um monte de prêmios bacanas que será revertida no lançamento de Blogueiras.com, é só entrar aqui e comprar o seu número. Ele é baratinho, apenas R$ 5! Mas corre que está acabando!

Em breve Blogueiras.com para vocês!

Teca Machado

terça-feira, 7 de março de 2017

Tale as Old as Time em 2017


Todo mundo aí QUICANDO DE ANSIEDADE na espera do lançamento de A Bela e A Fera no final de semana que vem?

Sei que eu estou!

Não conheço nenhuma menina da minha idade (menina? Já tenho 29!) ou pouco mais ou pouco menos que não queira assistir.

Só sei que foi aquele frenesi quando finalmente lançaram domingo o clipe da nova versão da música Tale os Old as Time, que respeitou muito a original de Celine Dion de 1991.

Temos agora Ariana Grande e o homem do momento John Legend.

Ficou mega maravilhoso!


Quero assistir, quero assistir, quero assistir, quero assistiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiir!

Teca Machado

segunda-feira, 6 de março de 2017

Lançamentos Editoras Arqueiro e Sextante + Julia Quinn no Brasil


O mês de março começou e chegou a hora de trazer para vocês os lançamentos das Editoras Arqueiro e Sextante.

Vem comigo que tem livros bem lindões:


O Sol Também é Uma Estrela – Nicola Yoon


Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

*** 

A Chave de Rebecca – Ken Follett

Norte da África, Segunda Guerra Mundial. As tropas britânicas na região estão sofrendo perdas significativas. Não há dúvidas de que alguém está informando o inimigo sobre os movimentos e planos estratégicos do exército britânico.

O espião é conhecido por seus compatriotas alemães como Esfinge, mas para todos os outros é o empresário europeu Alex Wolff. Após cruzar o deserto, ele chega ao Cairo, no Egito, munido de um rádio, uma lâmina letal e um exemplar do livro Rebecca, de Daphne du Maurier. Violento e implacável, ele está disposto a tudo para cumprir a missão que recebeu.

Para isso, conta com a ajuda de uma dançarina do ventre tão inescrupulosa quanto ele.

O único homem capaz de detê-lo é William Vandam, oficial da inteligência britânica que precisa desvendar o enigma do Esfinge para interromper o avanço dos nazistas.

Ao mesmo tempo que os alemães chegam cada vez mais perto da vitória final, Vandam também se aproxima de seu adversário, da chave que revela o código escondido no livro – e do combate mortal do qual apenas um deles sairá vencedor.

*** 

Irmãos de Sangue – Nora Roberts
Trilogia A Sina do Sete

A misteriosa Pedra Pagã sempre foi um local proibido na floresta Hawkins. Por isso mesmo, é o lugar ideal para três garotos de 10 anos acamparem escondidos e firmarem um pacto de irmandade. O que Caleb, Fox e Gage não imaginavam é que ganhariam poderes sobrenaturais e libertariam uma força demoníaca.

Desde então, a cada sete anos, a partir do sétimo dia do sétimo mês, acontecimentos estranhos ocorrem em Hawkins Hollow. No período de uma semana, famílias são destruídas e amigos se voltam uns contra os outros em meio a um inferno na Terra.

Vinte e um anos depois do pacto, a repórter Quinn Black chega à cidade para pesquisar sobre o estranho fenômeno e, com sua aguçada sensibilidade, logo sente o mal que vive ali. À medida que o tempo passa,

Caleb e ela veem seus destinos se unirem por um desejo incontrolável enquanto percebem a agitação das trevas crescer com o potencial de destruir a cidade.

Em Irmãos de sangue, Nora Roberts mostra uma nova faceta como escritora, dando início a uma trilogia arrebatadora em que o amor é a força necessária para vencer os sombrios obstáculos de um lugar dominado pelo mal.

*** 

Quando a Bela Domou a Fera – Eloisa James

Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, Quando a Bela domou a Fera é uma deliciosa releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos. Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.

Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.

No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

***

Jardins da Lua – Steven Erikson
O Livro Malazano dos Caídos – I

Desde pequeno, Ganoes Paran decidiu trocar os privilégios da nobreza malazana por uma vida a serviço do exército imperial. O que o jovem capitão não sabia, porém, era que seu destino acabaria entrelaçado aos desígnios dos deuses, e que ele seria praticamente arremessado ao centro de um dos maiores conflitos que o Império Malazano já tinha visto.

Paran é enviado a Darujhistan, a última entre as Cidades Livres de Genabackis, onde deve assumir o comando dos Queimadores de Pontes, um lendário esquadrão de elite. O local ainda resiste à ocupação malazana e é a joia cobiçada pela imperatriz Laseen, que não está disposta a estancar o derramamento de sangue enquanto não conquistá-lo.

Porém, em pouco tempo fica claro que essa não será uma campanha militar comum: na Cidade do Fogo Azul não está em jogo apenas o futuro do Império Malazano, mas estão envolvidos também deuses ancestrais, criaturas das sombras e uma magia de poder inimaginável.

Em Jardins da lua, Steven Erikson nos apresenta um universo complexo de cenários estonteantes e ações vertiginosas que mostram por que esta é considerada uma das maiores sagas épicas.

*** 


A Vida Secreta das Árvores – Peter Wohlleben

E se tudo o que você sempre pensou saber a respeito das árvores estivesse errado? E se, apesar de tão diferentes de nós, descobríssemos que elas compartilham diversas características dos humanos?

Nos últimos anos a ciência tem comprovado que as árvores e o homem têm muito mais em comum do que poderíamos imaginar. Assim como nós, elas se comunicam, mantêm relacionamentos, formam famílias, cuidam dos doentes e dos filhos, têm memória, defendem-se de agressores e competem ferozmente com outras espécies – às vezes, até com outras árvores da mesma espécie. Algumas são naturalmente solitárias, enquanto outras só conseguem viver plenamente se fizerem parte de uma comunidade. E, assim como nós, cada uma se adapta melhor a determinado ambiente.

Em A vida secreta das árvores, o engenheiro florestal alemão Peter Wohlleben alia seus 20 anos de experiência às últimas descobertas científicas para examinar o dia a dia desses seres fantásticos. Com um ponto de vista surpreendente e inovador, o livro se tornou um fenômeno na Alemanha, entrou para a lista de mais vendidos do The New York Times e teve seus direitos negociados para 18 países. Essa viagem fascinante pela vida das árvores e florestas é um convite a repensarmos nossa relação com a natureza.

***

O Que o Câncer Me Ensinou – Sophie Sabbage

Em outubro de 2014, aos 48 anos, Sophie Sabbage foi diagnosticada com câncer de pulmão e ouviu do médico um conselho: “Não se torne uma paciente. Viva a sua vida.” Após um primeiro momento de pânico, aquelas palavras defi niram a forma como viveria a partir de então.

Determinada a entender sua doença e a agir de acordo com o que se passava em seu corpo, Sophie leu, pesquisou, ouviu especialistas e decidiu aliar a medicina convencional a terapias complementares. Tomou as rédeas de seu tratamento e recusou-se a olhar para si mesma como vítima.

Nesse processo, descobriu que é possível conviver com o medo, a raiva e a tristeza de maneira saudável, sem se desesperar ou se voltar para o falso pensamento positivo. Aprendeu a preservar sua autonomia e a viver com intensidade, um dia de cada vez.

Em O que o câncer me ensinou, Sophie compartilha o resultado das pesquisas que fez, os tratamentos que testou, as lições que aprendeu, as mudanças que implementou e a maneira extraordinária como vem enfrentan- do a doença.

Com um olhar profundo e sensível, este livro leva a uma maior compreensão sobre o câncer, sobre como viver com ele e fortalecer sua capacidade de encará-lo com coragem, criatividade e gratidão.

*** 

Senhora das Águas – Pedro Siqueira

Psicóloga experiente, Gabriela sempre tratou a religião como crendice ou truque da mente. Quando sua mãe fica doente, ela acaba se aproximando do capelão do hospital, padre José, mais em busca de apoio do que por uma questão de fé. Após o falecimento da mãe, Gabriela mantém contato com o sacerdote, confortável pelo fato de ele não procurar convertê-la.

Porém, depois de pouco mais de um mês, a psicóloga tem uma notícia devastadora: uma grave doença se alastra por seu corpo. Como lidar com a mente dos pacientes se a sua própria já não parece funcionar mais?

Ao revelar o caso a padre José, Gabriela recebe um conselho: viajar para Lourdes, uma cidade famosa pelos milagres de cura. Mesmo sem a mínima confiança e determinação, ela decide partir em peregrinação para lá.

É nessa jornada que Gabriela começa a relembrar toda a sua vida desde a infância, e assim emergem muitas questões filosóficas e existenciais. Sem saber o que a aguarda na Europa, ela sente que uma presença poderosa a acompanha e que, talvez, lá possa encontrar as respostas para as dúvidas que lhe afligem a alma.

No primeiro livro de sua trilogia de ficção dedicada a Nossa Senhora, Pedro Siqueira mantém a escrita próxima do leitor sem deixar de lado assuntos profundos da espiritualidade, mas sempre mostrando que o melhor caminho está no nosso interior.

*** 

Senhora dos Ares – Pedro Siqueira

Durante a Segunda Guerra Mundial, uma esquadrilha da Força Aérea dos Estados Unidos não consegue completar uma missão na Itália devido a um fenômeno inexplicável. Quando sobrevoam o monte Gargano, os militares têm uma visão sobrenatural que os aterroriza e os faz voltar para a base.

O que poderia ser apenas um ataque militar frustrado acaba se tornando o ponto de partida para a conversão de dois oficiais. Curiosos para desvendar o misterioso evento, Connors e Bloom vão até um convento na cidade de San Giovanni Rotondo, onde pode estar a resposta para suas dúvidas.

Muitos anos depois, no leito do hospital, Connors sente que ainda precisa completar a missão de dar um rumo à vida do filho, Rafael, e lhe entrega um envelope, pedindo que o abra após sua morte. Quando é chegada a hora, o rapaz se depara com um bilhete contendo o último pedido de Connors: ele deve partir para uma cidade desconhecida à procura do que o pai chama de “verdadeiro caminho”.

Essa viagem permitirá que o jovem relembre todas as fabulosas histórias do pai e inicie uma jornada de autoconhecimento, abalando seus conceitos sobre a vida, a fé e o amor.

No segundo livro da trilogia iniciada com Senhora das águas, Pedro Siqueira constrói mais uma história tocante sobre a busca pela espiritualidade, retomando sua forte conexão com Nossa Senhora.

*** 

Nate é Um Estouro – Lincoln Peirce

Nate está arrasando!

Nate está apaixonado pela aluna nova. Mas depois que a briga dele com Andy ganhou as páginas do Clarim Semanal, ele arrumou um problema BEM maior do que o castigo depois da aula! Será que Nate vai dar a volta por cima? E será que a Taça de Lama anual vai ser um estouro... ou uma bomba?

Conheça a nova história do Nate, o desenhista MAIS legal da Escola 38 e o aluno MENOS querido pelos professores.






*** 

O Livro Ilustrado dos Maus Argumentos - Ali Almossawi

Diante das discussões cada vez mais absurdas nas redes sociais, Ali Almossawi resolveu resgatar uma dose – necessária e urgente – de lógica para a era da internet. O resultado é este livro acessível, que explica, com divertidas ilustrações, as 19 principais falácias que tornam insustentáveis tantos argumentos e debates.

Você aprenderá a reconhecer frequentes abusos da razão, como a falácia do espantalho (em que se deturpa o argumento do outro para poder atacá-lo com mais facilidade), o apelo a uma autoridade irrelevante e a bola de neve (em que uma proposição é desacreditada sob a alegação de que levará inevitavelmente a uma sequência de eventos indesejáveis).

Os desenhos mostram animais cometendo erros de argumentação. O coelho acha que uma estranha luz no céu só pode ser um disco voador porque ninguém consegue provar o contrário (apelo à ignorância). O leão não acredita que a emissão de gases do gado prejudica o planeta porque, se isso fosse mesmo verdade e tivéssemos que eliminar as vacas, ele teria que comer grama, um resultado altamente indesejável (argumento a partir das consequências).

Assim, ficará mais fácil escapar das armadilhas da lógica que se espalham por todos os lugares, dos debates no Congresso aos comentários no Facebook. Indispensável para qualquer pessoa que cultive o hábito de ter uma opinião, este livro é um antídoto contra raciocínios fracos.

*** 

E outra novidade da Editora Arqueiro!

Essa semana a escritora Julia Quinn, autora dos livros da série Os Bridgertons e O Quarteto Smythe-Smith, está no Brasil e vai fazer noites de autógrafos em várias cidades.

Confira a agenda:


Amanhã, terça, vou no evento de Brasília.

AI, MEU DEUS, EU VOU CONHECER A JULIA – MARAVILHOSA – QUINN!

Teca Machado