sexta-feira, 28 de abril de 2017

Modern Family – Uma das melhores comédias


Há alguns meses, por indicação de uma amiga, passei a assistir Modern Family. Eu sei, a série já está na oitava temporada e eu comecei só agora. E como eu me arrependo de não conhecer há mais tempo (só não me arrependo mais porque isso significa que tenho muito o que assistir ainda)! É de uma maravilhosidade sem fim. Um dos programas que mais me fazem rir atualmente.



Em Modern Family seguimos uma família com uma composição um tanto diferente. Jay (Ed O’Neill) é o patriarca. Apesar de sessentão, é casado com a bela e jovem Gloria (Sofía DEUSA Vergara), uma colombiana que tem um filho de outro relacionamento, Manny (Rico Rodriguez). Apesar de Jay ser machão, Manny é todo sensível, e Gloria cheia de fogo que só as latinas têm.

A filha de Jay é Claire (Julie Bowen), casada com Phil (Ty Burrell), um dos homens menos espertos do mundo. O que dá para perceber quando olhamos os filhos do casal: Haley (Sarah Hyland), a típica adolescente bonita meio burrinha, Alex (Ariel Winter), a única inteligente da casa, e Luke (Nolan Gould), uma porta de tão burro.

E enfim temos Mitchell (Jesse Tyler Ferguson), o outro filho de Jay, que é gay, mas tenta a todo custo se controlar para não magoar o pai, enquanto seu marido Cam (Eric Stonestreet), é uma borboleta de tão divo. Juntos eles adotaram Lily (Aubrey Anderson-Emmons), uma garotinha asiática.





Ou seja: a família é uma mistura completa e seus embates, alegrias, discussões e brigas são excelentes. Ela é gravada estilo em documentário, com os personagens sentados na sala dando depoimentos e alguns dos melhores momentos são nessas horas.

Impossível não rir com Modern Family, principalmente com Cam (já no primeiro episódio quando ele recria uma cena de O Rei Leão eu tive uma crise de riso), Gloria e Phil. Os três atores são incríveis, principalmente Sofía Vergara. Ela nasceu para interpretar Gloria.





Com episódios facílimos de assistir – eles não chegam nem a meia hora -, Modern Family é uma sitcom divertidíssima, cheia de mensagens sobre família, sobre aceitar o diferente e sobre amor, além de diálogos inteligentes, rápidos e cheios de sarcasmo. 

Não é a toa que Modern Family já foi indicada a 330 prêmios e ganhou 114 deles, inclusive o Globo de Ouro por Melhor Série de Comédia ou Musical.


Recomendo muito.

Teca Machado


quinta-feira, 27 de abril de 2017

Je T’aime, Paris de graça na Amazon


Hoje tenho uma novidade para vocês. Mas é só hoje!

Sabe o meu livro, o Je T’aime, Paris?

Pois éééééé, ele está de graça na Amazon.

Você não leu errado: D-E G-R-A-Ç-A!


Hoje você pode baixar o e-book sem nenhum custo e se divertir muito com as correrias de Ana Helena pelas maravilhosas ruas de Paris e de Arles.


Tudo que peço é que você curta a página Teca Machado Escritora e me deixe o seu e-mail, para que possa sempre saber as novidades!

Vem ver a sinopse:

Je T’aime, Paris

Com um pai milionário encrencado com a Justiça e seus bens bloqueados, Ana Helena precisa aprender a viver com poucos recursos e decide se refugiar em Paris. Peraí! Como viver com pouco dinheiro em Paris? Não tem jeito! Arles acaba sendo a alternativa mais modesta. Mas a tranquilidade dessa pacata, porém charmosa, cidade do interior da França logo dá lugar a um turbilhão de acontecimentos envolvendo um novo amor, obras de arte importantes e homens tão ambiciosos que farão de tudo para colocar as mãos no que desejam. 

A grande aventura leva Ana Helena de volta a Paris, com perseguições alucinadas, romance, estratégia, muita ação, drama e reviravoltas. 

O que você faria para salvar um grande amor e alguns milhões de euros?

*** 

Para baixar vocês precisam ter o Kindle ou o aplicativo do Kindle no tablet ou celular e entrar nesse link (Ou entrar no site da Amazon e buscar por Teca Machado ou Je T'aime, Paris). Aí é só alegria!

Corram lá que é só hoje, quinta-feira.

Só peço que vocês deem nota para o livro e deixem uma classificação no site da Amazon. Isso é muito importante para ajudar Je T’aime, Paris a crescer e alcançar mais leitores!


E se você quiser tanto Je T’aime, Paris quanto I Love New York, meu livro anterior, em versão física – além de uns brindes bem lindos, tem aqui no livrosdateca.com.

Boa leitura! Façam uma ótima viagem literária por Paris!

Teca Machado

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Quando a Bela Domou a Fera – Um dos melhores de 2017


Eu sei, a gente ainda está só em abril, mas já posso garantir para vocês que Quando a Bela Domou a Fera, de Eloisa James, é um dos melhores livros que li e vou ler em 2017! QUE COISA MAIS MARAVILHOSA, GENTE! Está explicado porque a Julia Quinn disse que é apaixonada pelos livros da autora.

Livro recebido em parceria com a Editora Arqueiro

A obra, que recebi em parceria com a Editora Arqueiro, é uma releitura divertidíssima de A Bela e a Fera, com uma mistura de Dr. House e romance de época. Esse é o segundo livro da série Contos de Fadas, mas como são volumes independentes, a Arqueiro decidiu publicar esse primeiro devido a todo o frisson causado com o live action de A Bela e a Fera, da Disney.

A história original está o tempo todo permeando Quando a Bela Domou a Fera, mas o livro é tão mais do que isso! Ele é fictício, mas poderia muito bem ter sido real. O romance de época de Eloisa James foge das convenções do gênero, já que os personagens não se importam muito com as regras sociais da época e estão num local afastado da tradicional Londres.

No livro conhecemos Linnet. Talvez uma das mais belas jovens que já passaram pela Inglaterra. Linda, angelical, inteligente, cobiçada pelos homens e odiada pelas mulheres, ela sabe usar o seu charme para conseguir o que quer. Inclusive um príncipe! Mas o tiro saiu pela culatra, porque ela é pega aos beijos com o príncipe, é rejeitada publicamente por ele e agora a sua reputação está arruinada. 

Eloisa James
A única solução encontrada por sua família é a de oferecer Linnet em casamento a Piers Yelverton, conde de Marchant, filho de um duque. O problema é que Piers não tem desejo algum de se casar, é um médico com um temperamento terrível – tanto que é chamado de Fera - , sofreu um acidente quando criança que dizem ter o deixado imune aos encantos femininos, vive no País de Gales e nem ao menos sabia que tinha uma noiva a caminho.

O estranhamento de Linnet e Piers é instantâneo, mas a garota tem certeza que ele vai se apaixonar por ela em apenas duas semanas e o médico tem certeza que não. A convivência irá mostrar que talvez os dois estejam errados.

O enredo de Quando a Bela Domou a Fera é construído de forma muito fluida e divertida. Os personagens são irônicos e sarcásticos e quem gosta de romance de época sabe que geralmente os mocinhos não são assim, mas esse é um dos maiores acertos do livro. Os diálogos entre eles são deliciosos de acompanhar.

As personalidades teimosas nos fazem amar loucamente Linnet e Piers e a torcer pelo casal cabeça dura. Linnet tinha tudo para ser a garota fútil que usa a sua beleza como ferramenta para arrogância, mas a garota é muito mais profunda e nos surpreende com suas escolhas e motivações. Piers é considerado mau, mas seu coração é mole no fim das contas. Ele tem um hospital dentro do seu castelo para ajudar as pessoas da região! É só a casca que é dura, porque por dentro há amor. E os personagens secundários são ótimos também, como o mordomo de Piers, sua mãe, seu pai e seu primo, o garoto Gavan e outros.

O romance acontece como deve acontecer, nem tão rápido e nem tão devagar e tudo o que os leitores conseguem ao longo da leitura é ficar com os olhos em formato de coração! Linnet e Piers conseguiram um enorme pedaço do meu amor, mesmo com todo mau humor e burradas que fizeram ao longo do caminho.


Eloisa James escreve divinamente bem. Tenho quase certeza que o livro grudou nas minhas mãos, porque eu não conseguia largar! A história é interessante, diferente, romântica na medida certa, faz rir e faz quase chorar. 

Agora dá para entender porque Quando a Bela Domou a Fera foi considerado um dos 10 melhores romances de 2011 pelo Library Journal. Favoritei. Eloisa James, já te amo!

Já desejo loucamente os próximos volumes da série Contos de Fadas!

Recomendo um montão!

Teca Machado


terça-feira, 25 de abril de 2017

Os melhores (e o pior) de 2017 até o momento


Ainda estamos em abril, mas 2017 tem se mostrado um excelente ano quando falamos sobre leituras. Por isso resolvi já trazer o meu TOP 5 de livros lidos até o momento e, como bônus um que eu detestei.

Saibam que tenho tido leituras tão boas que foi difícil escolher só 5, mas vamos lá!

Top 5 leituras de 2017 – Até abril

Para ler as resenhas é só clicar no nome do livro



Pensem num livro divertido e bem louco! Uma mistura de steampunk, vampiros, lobisomens, romance de época e uma protagonista sem alma, sem nenhum freio quando o assunto é discutir e muita curiosidade e talento para se colocar nas maiores furadas.




Esse livro tem tudo o que eu gosto: fantasia, romance, reviravoltas, magia, ação e tudo isso muitíssimo bem escrito, num enredo que te envolve e te joga naquele universo criado pela autora. Fora que a edição física está de babar de TÃO linda!




Sabe aquele livro que quando você termina você abraça e diz: É por causa de obras assim que eu amo literatura? Assim foi Ninfeias Negras. O meio desse thriller policial que fala muito sobre arte pode até ser enrolado, mas o final é um tiro genial. Simplesmente genial.




Que eu sou mega fã do Rick Riordan e seus livros de mitologia não é nenhuma novidade. Tenho uma paixão louca pelo Percy Jackson e agora por Apolo! Esse livro me fez rir como nenhum outro da série e tem um enredo super inteligente, que nos faz pensar nos próximos volumes.


Quando a Bela Domou a Fera – Série Contos de Fadas – Eloisa James (Editora Arqueiro)



Ok, eu sei que disse que era só Top 5, mas não consegui escolher um sem o outro! Essas duas leituras eu amei por motivos diferentes, mas foram favoritadas no meu coração. As Cordas Mágicas é uma das leituras mais lindas, doces e incríveis que já fiz na vida. A vida, ascensão, auge e queda de um cantor narrada pela Música e com depoimentos de artistas reais. E Quando a Bela Domou a Fera foi o melhor romance de época que já li. Extremamente divertido e uma mistura de A Bela e a Fera com Dr. House. A resenha sobre ele sai amanhã.


Agora a pior leitura de 2017:



A série toda não é lá grandes coisas – e eu estou lendo os 12 volumes, porque eu comecei e não sou de parar na metade -, mas o livro de Maio eu peguei um ódio tão grande que vocês nem imaginam. Primeiro a protagonista deu #ALOKA porque a irmã ficou noiva. Depois o resto do livro foi sexo, sexo, sexo, sexo e mais um pouquinho de sexo, tudo sem muito nexo (opa, rimou!).

*** 

E vocês, o que já leram de bom (e ruim) em 2017? Algum dessa lista?

Teca Machado

segunda-feira, 24 de abril de 2017

A Garota do Calendário - Junho


A série A Garota do Calendário, de Audrey Carlan, tem sido o meu desafio anual. Com 12 livros, eu me propus a ler um por mês e terminar a saga em um ano, assim como a protagonista Mia. Só que começou legalzinho, foi decaindo e o volume referente a Maio (comentei aqui) foi um suplício. Estava lá toda desanimada para ler os próximos e pensando “por que eu estou fazendo isso mesmo?” e peguei o de Junho. Realmente, como disse a Carol Garcia, do blog Livros Ontem, Hoje e Sempre, deu uma melhorada. Mas ainda assim está longe de ser super legal. Só que como eu nunca desisto, aqui estou eu e vou até o fim (porque além de não desistir, eu sou bem curiosa também). Hoje vou falar sobre Junho.


Quer ler a resenha dos outros volumes? Clique no mês: Janeiro, Fevereiro, Março, Abril e Maio.

Em A Garota do Calendário, Mia Saunders é uma mulher de Las Vegas, aspirante a atriz, que após o pai ser espancado por causa de dívidas de jogo, se vê com um débito de U$ 1 milhão. O pai entrou em coma e cabe a Mia saldar a quantia para salvar sua família. A única solução que encontra é a de trabalhar como acompanhante de luxo durante um ano. Ela não é prostituta, mas se desejar dormir com o cliente, pode e ganha um bônus por isso. 

Cada volume é referente a um mês de trabalho. E em junho ela vai trabalhar em Washington para Warren Shipley, um senhor riquíssimo que precisa de Mia para que a garota seja sua namorada troféu em festas para se aproximar de outros homens que têm mulheres com um terço da sua idade a tiracolo. Ele quer colocar em prática um projeto filantropo, mas os seus colegas só irão o respeitar quando ele tiver uma mulher do lado. Então esse papel é de Mia.

Warren é um fofo. A relação dele com Mia não tem absolutamente nada de sexual (ainda mais porque ele tem um caso com a sua governanta, que tem a mesma idade). Mas não podemos dizer o mesmo de Aaron, o filho dele. Um dos senadores mais jovens e bonitos dos EUA irá conviver de perto com Mia esse mês.

Junho é o volume mais diferente de A Garota do Calendário até o momento. É o menos sexual de todos (até que enfim, né?) e tem um final surpreendente (apesar de que eu imaginei na metade do enredo o que poderia acontecer). Mia vai levar uns baques da vida e algumas lições serão aprendidas.

A leitura de Junho foi muito mais agradável do que de Maio, que me cansou terrivelmente. A história finalmente começou a andar em outra direção que não fosse: Cliente gostoso e gente boa – Mia ficando com o desejo nas alturas – Mia pegando o cliente gostoso – Mia pegando o cliente gostoso, mas ainda pensando em Wes, o seu amor. Se fossem os doze volumes nesse mesmo ritmo eu ia surtar.

Mais uma vez li A Garota do Calendário de um dia para o outro. Poucas páginas, letra grande, uma história que você não precisa pensar muito e uma linguagem simples. 

Recomendo.

Teca Machado


quinta-feira, 20 de abril de 2017

O mais lindo casamento com tema Harry Potter que você já viu


Casamentos por si só já são uma coisa mágica, mas quando eles têm o tema de Harry Potter ficam ainda mais fantásticos!

O BuzzFeed postou um dos casamentos temáticos do universo de J. K. Rowling mais lindos que eu já vi (provavelmente foi o mais lindo do mundo, sério). O casal é Cindy e Matt, dois americanos aficionados pela série.

Vem ver que coisa mais maravilhosa:


O convite foi o Mapa do Maroto, que a própria noiva desenhou, produziu e imprimiu.


Até o cenário foi um castelo estilo Hogwarts, o Hollywood Castle, em Los Angeles.


Cada assento tinha uma varinha para os convidados e os noivos escreveram seus votos em papeis estilo escrita a pena.



E mesmo os convidados entraram no clima.




A festa foi ainda mais linda do que a cerimônia.





Crédito das fotos: Nirav Patel Photography

Fonte: BuzzFeed

Acho que vou casar de novo só para ter uma renovação de votos com tema Harry Potter.

<3

Teca Machado

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Boa Noite, Maria – Literatura infantil



No meio do caminho de ser escritora a gente acaba conhecendo outras pessoas do ramo e descobre muitos autores lindos e com obras maravilhosas. Esse foi o caso da Verônica Saiki, com quem fiz amizade ao participarmos juntas do evento Literatura Por Mulheres, que aconteceu em Brasília no mês passado.

Além de ser escritora, ela é artista plástica e tem produções muito bacanas! A sua série Verdugo – O Inacreditável com várias HQs é muito divertida e em breve vai ter post sobre ela aqui, mas hoje quero falar de outra obra sua, o livro infantil Boa Noite, Maria.


O mais legal sobre Boa Noite, Maria é que se trata de um livro sem palavras. Ou seja, crianças antes da alfabetização já podem “ler”. Ele fala sobre a hora de dormir para Maria. O quarto escuro pode dar medo ou pode ser uma diversão. Como Maria vai se sair nessa?


A garotinha deixa seus sonhos interagirem com seu universo e é uma graça! A criança que ler o livro pode imaginar as falas, nomear os personagens, fazer vozes e criar enquanto acompanha Maria. E mesmo os adultos que contarem a história podem acrescentar o seu toque.


O pequeno livro – são menos de 30 páginas – vai arrebatar as crianças com suas cores noturnas, ainda assim vivas, e desenhos com traços simples, mas acolhedores. E vai encantar adultos!

Boa Noite, Maria já foi até mesmo elogiado por Sidney Gusman, editor da Maurício de Souza Produções, então você pode imaginar a qualidade do trabalho.




A Maria em questão é baseada na sobrinha de Verônica Saiki, uma garotinha que já gosta de fazer seus próprios livros artesanais. Fofura, né?

Conheça mais sobre o trabalho da Verônica Saiki aqui e se divirta com o Verdugo e suas outras produções!

Teca Machado