quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Dicas de Paris com o filme Meia-Noite em Paris



Na semana passada começamos no blog uma série de posts sobre cidades e países que são cenários de filmes, livros e séries. Não podemos viajar para alguns reinos maravilhosos, como Nárnia, Terra Média, Hogwarts e outros, mas têm muitos lugares incríveis que podemos explorar por aqui. O primeiro texto foi sobre Gossip Girl e vários cenários que o programa usou em uma das cidades mais usadas por Hollywood: Nova York. Veja o post aqui.

Agora vamos dar uma volta pela Cidade Luz com o filme Meia-Noite em Paris.


Meia-Noite em Paris, de 2011, é um dos meus filmes preferidos de Woody Allen e é quase um poema de amor para a cidade. Você pode ver a crítica da produção aqui. Mas para quem ainda não conhece, resumidamente, todos os dias, Gil (Owen Wilson), um homem moderno, magicamente se transporta para a Paris de 1920, e assim encontra grandes nomes da literatura e das artes mundial que viveram na cidade nesse período.

Venha conhecer alguns dos cenários mais lindos do filme:

Giverny



Não estamos falando propriamente de Paris aqui, mas de Giverny, a cerca de 70 quilômetros, que é visita obrigatória para quem está na cidade. O local ficou famoso por ser cenário das icônicas ninfeias de Claude Monet. Os jardins onde ele pintou algumas das suas telas mais famosas aparece logo no começo do filme, com Gil dizendo para a noiva Inez, interpretada por Rachel McAdams, que é apaixonado pela imagem romântica da velha Paris.

Como é uma viagem super rápida de Paris, a maioria das pessoas prefere só passar o dia em Giverny, mas a cidade tem hotéis lindos, campestres e que vão te ajudar a se sentir ainda mais dentro de uma tela de Monet. Um dos mais famosos é Le Jardin des Plumes. Conheça aqui outras opções de hospedagem.


Palácio de Versailles





Mais um destino que não fica dentro de Paris, mas que é tão pertinho que é quase como se fosse, cerca de trinta minutos de trem. O Palácio de Versailles é um dos mais luxuosos e conhecidos do mundo e foi centro da corte até a Revolução Francesa. São mais de 800 hectares no complexo, que conta com o palácio propriamente dito, que é lindo, extremante bem conservados e com dezenas de salas de visitação (Meu Deus, a Galeria dos Espelhos!), jardins a perder de vista, lagos, fontes, o Trianon e a propriedade de Maria Antonieta.

Em Meia-Noite em Paris, Gil, a noiva e um casal de amigos do EUA passam um dia em Versailles e passeiam pelos jardins.


Hotel Le Bristol



O hotel que Gil e Inez se hospedam, Le Bristol, é um 5 estrelas queridinho principalmente por celebridades. Os banheiros são considerados os maiores de Paris (acredite, numa cidade tão antiga e lotada, ter banheiros grandes é um grande luxo). A diárias começam em € 800 (Ai!), mas mesmo sem se hospedar lá você pode comer na brasserie das instalações. E se você ainda não chegou no patamar de pagar tudo isso numa hospedagem, há inúmeras opções de hotéis em Paris, que você pode ver aqui.


Museu Rodin



O museu abriga a maior coleção de esculturas e desenhos de Auguste Rodin. Sua obra mais famosa, O Pensador, está exposta lá, e assim como quase tudo na França, o local tem um jardim maravilhoso. Em Meia-Noite em Paris, Inez e os amigos visitam o museu com uma guia interpretada por Carla Bruni, primeira-dama francesa da época do filme.


Igreja Saint-Étienne du Mont



Saint-Étienne du Mont é o ponto de partida da jornada de Gil. Certa noite ele se perde nas ruas do Quartier Latin e se senta nos degraus da igreja. Quando o relógio marca meia-noite, um carro antigo o aborda, ele entra e é transportado para os anos 1920. E então todas as noites vai até a igreja esperar para voltar no tempo. Localizada no centro de Paris, ela é o santuário de Saint Geneviève, padroeira da cidade. No filme não conhecemos o interior de Saint-Étienne du Mont, mas vale muito a pena e é do lado do Pantheon, então é possível fazer um passeio duplo.

O Quartier Latin é um bairro ótimo para se hospedar em Paris. Dá pra fazer quase tudo a pé e a região é excelente, com metrô perto e vários pontos turísticos próximos, com Jardim de Luxemburgo, Sorbonne, Pantheon e Ilês de la Cité. Veja aqui opções de hotéis no Quartier Latin.


Mercado de antiguidades de Saint-Ouen



São 7 hectares de mercado, sendo considerado o maior por o mundo, com mais de 120 mil visitantes por fim de semana. É o que muitos chamam de “mercado de pulgas”. Em Meia-Noite em Paris, Gil e Inez vão ao local a procura de peças para a sua futura casa e lá ele conhece Gabrielle (Léa Seydoux) que desperta ainda mais a paixão dele pela Paris de 1920.


Museu de l’Orangerie 



Localizado no Jardin des Tuileries, um grande ponto turístico Paris, esse museu abriga vários dos nenúfares (as ninfeias) de Monet, além de várias obras de outros pintores famosos, como Cézanne, Matisse, Degas e outros. No filme, Gil e Inez estão com os amigos americanos e enquanto um deles se faz de entendido de arte, quem realmente conhece o assunto é Gil, que está convivendo com os artistas todas as noites.


Rio Sena




Caminhar ao longo do rio Sena é um dos passeios imperdíveis em Paris, em qualquer hora do dia. Há muito o que ver e conhecer nas margens de uma das águas mais famosas do mundo, inclusive as “bouquinistes”, bancas de livros onde se acha raridades literárias. O personagem Gil passa várias vezes pelo rio – é inclusive o pôster do filme – e depois de uma festa que contou com Hemingway, Scott F. Fitzgeral e outros, ele passeia com Adriana (Marion Cotillard) pela Quai de la Tournelle, uma das pontes.

Jardins da Catedral de Notre Dame



Ficamos tão focados na beleza e imponência de Notre Dame que esquecemos que atrás dela fica um parque  que faz parte do complexo da igreja. Apesar de ser uma cena rápida, Gil pede que a guia do Museu Rodin ajude na tradução de um diário de 1920.


Shakespeare and Company



Quase todo leitor já ouvi falar da dessa livraria. Famosa por ter aparecido em inúmeros filmes e livros, ela é um reduto para apaixonados por livros do mundo todo. E é nela que Gil entra, enquanto reflete sobre a vida, se deixando levar pelos grandes autores do século XX que conheceu na Paris de 1920. 


Ponte Alexandre III




A luxuosa ponte que liga a Champs-Elysée à torre Eiffel é uma das bonitas e famosas de Paris. Toda adornada e com esculturas, ela é o ponto final de Meia-Noite em Paris. Em meio água caindo, ouvimos que “Paris é mais bonita sob a chuva”

--- 

Nas cenas iniciais e entre sequências, muito mais dos que esses pontos são mostrados, como a Torre Eiffel, a Brasílica de Sacre Coeur e outros. Paris é muito mais do que apenas esse filme e com certeza ela vai aparecer por aqui em outros posts dessa série.

Como disse Hemingway, Paris é uma festa (e você pode ler a resenha desse livro aqui) e Meia-Noite em Paris com certeza vai te fazer se apaixonar ainda mais pela Cidade Luz. 


Não perca o post dessa série na próxima semana, que vai falar sobre dicas de passeios em Florença, baseado no livro Inferno, do Dan Brown.

Teca Machado

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Projeto Um Ano Sem Comprar Livros – Mês 8


O mês está quase acabando, mas não podia deixar de fazer o acompanhamento mensal do Projeto Um Ano Sem Comprar Livros.


Completamos o mês 8 e podemos dizer que estamos caminhando para a reta final.

E o que estava suave e tranquilo até agora dessa vez deu uma balançada. Até que demorou.

Passei esse tempo todo sem entrar numa livraria. Estou tendo como lema “o que os olhos não veem o coração não sente”. Então para não sofrer abdiquei de entrar nesses santuários dos leitores e me proibi de acessar sites de venda de livros, principalmente em épocas de promoções. A Amazon até deve estar com saudades de mim. Daqui a pouco devo receber um e-mail deles perguntando se estou viva.

Mas em dezembro entrei em uma livraria e senti o baque. Nem na Black Friday me senti assim.

Estava na cidade dos meus pais para o fim do ano e parte da minha família ama livros, assim como eu (talvez não tanto, porque aqui passa o limite do saudável), então meu pai disse “vamos ali na livraria rapidinho”. Me sentindo forte, quase uma muralha, afinal, eu estou há oito meses sem fraquejar, fui com ele. Meu marido ainda falou para o meu pai “Nada de comprar livro e dar para ela”, o que eu achei uma maldade, porque ganhar não está proibido pelo desafio.

Entrei naquele reino maravilhoso que eu não visitava há tanto tempo. E meu coração doeu. Ô, se doeu. 

Vi tantos livros que eu queria, tantos lançamentos que ficariam lindos na minha estante, tantas continuações de séries que eu preciso completar, tantos títulos que eu nem sabia que existiam, mas fiquei com vontade de ler.

Por fora continuei toda plena. Por dentro estava assim:



Me resignei ao meu desafio autoimposto, suspirei alto e saí da livraria sem cair em tentação e com meu projeto intacto (mas com a wishlist com alguns títulos a mais).

Ainda bem que minha sobrinha de sete anos me deu de Natal um livro que eu queria. Fiquei tão feliz e comovida com a atitude dela, de querer comprar um presente para mim com o dinheiro dela, que tudo isso ficou esquecido. Mais ainda quando ganhei uma dedicatória.

Eu estou super de parabéns! Haha

Foram 8 meses. Só faltam 4.

Teca Machado

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

A Nuvem (Série Scythe – O Ceifador) - Resenha


Ano passado li vários livros excelentes (Alô, série Corte de Espinhos e Rosas, sua maravilhosa), mas um dos melhores sem dúvida foi O Ceifador, de Neal Shusterman, o início da série Scythe, publicado no Brasil pela Editora Seguinte (Companhia das Letras). Assim que foi lançado o segundo volume da saga, chamado A Nuvem, recebi da editora. E como já estava curiosa há um tempo para ler O Ceifador, que muita gente dizia ser UM HINO, me aventurei nesse universo e não me arrependi nem por um segundo. Realmente, é um hino e você pode ler a resenha aqui. Então as expectativas para A Nuvem estavam altas. E fico feliz de afirmar com todas as letras que a continuação é tão boa quanto o livro anterior – ou talvez melhor.

Foto @casosacasoselivros

Como o próprio título já diz, agora temos mais destaque para a nuvem de dados que ganhou consciência e governa o mundo, chamada de Nimbo Cúmulo. Ela faz a gestão de todo o planeta, inclusive deu imortalidade para o seu humano, mas não tem jurisdição sobre morte. O fim da vida fica a cargo da Ceifa, um grupo de pessoas honoráveis que mantém o equilíbrio da população. Mas em O Ceifador vimos como a instituição estava corrompida e agora temos uma visão ainda mais profunda da extensão desses problemas.

A Nuvem se passa um ano após o fim alucinante do primeiro livro. Citra, agora chamada de Ceifadora Anastásia, acredita que apesar de coletar pessoas, deve fazê-lo com a maior piedade e misericórdia possível. E quando entende que seu dever é influenciar jovens ceifadores a fazer o mesmo, sabe que irá ajudar a livrar a Ceifa da corrupção. Rowan, por outro lado, vive como foragido, mas interpreta um personagem, o Ceifador Lúcifer, que é uma espécie de caçador de ceifadores corrompidos pelo gosto de matar e por tudo o que a Nova Ordem prega. 

O Ceifador é ótimo, mas como o leitor está sendo inserido num novo universo, em alguns momentos a leitura perde a ação, porque precisamos entender o cenário. Mas em A Nuvem tudo já está exposto, então Neal Shusterman tem a liberdade de tocar o terror e encher o enredo de plot twists de te deixar com essa cara:



São reviravoltas, acontecimentos surpreendentes e ação, principalmente no terço final do livro. O ritmo da leitura é alucinante e tudo o que você quer é saber como tudo termina (e, olha, posso dizer que foi outro plot twist absurdo com um gancho louco para o próximo volume). São quase 500 páginas, mas nem se percebe, tão boa a leitura é.

A Nuvem é  dividida em cinco núcleos de personagens: Citra, que vive a Ceifa e todas as suas burocracias e luta para que a Nova Ordem não tenha poder; Rowan, em sua caçada pelos ceifadores corruptos, o Ceifador Faraday, que busca informações sigilosas há muito perdidas que podem resgatar a Ceifa; Greyson, um rapaz comum que foi chamado pela Nimbo Cúmulo para interferir, já que ela mesma não pode; e a própria Nimbo Cúmulo, que abre todos os capítulos com suas reflexões e nos dá informações preciosas para as próximas páginas, moldando a nossa percepção da história. Todos passam por crescimento e amadurecimento, que molda quem serão no futuro, assim como o destino da humanidade.


Num mundo aparentemente perfeito como o que vivem nesses livros, as pessoas não enxergam que a perfeição em que acreditam está se desfazendo aos poucos, levando a uma queda que terá consequências catastróficas. A Nuvem, mais do que contar uma história de ficção brilhante, inovadora e que prende a atenção, tem várias críticas e reflete muito sobre a natureza do ser humano.

Neal Shusterman definitivamente não caiu na maldição do segundo livro com A Nuvem, muito pelo contrário. Entregou uma continuação até mesmo melhor, que nos prendeu na história. Se você ainda não leu O Ceifador, corra para mergulhar nesse livro incrível e aproveite para ler A Nuvem em seguida. Enquanto isso nós ficamos aqui aguardando ansiosamente o livro 3, sobre o qual ainda não temos nenhuma informação.

Recomendo muito muito.

Teca Machado

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Dicas de Nova York com Gossip Girl


Nova York é definitivamente uma das cidades que mais aparecem em filmes, livros, séries e músicas. Mas, convenhamos, há muitos motivos para isso. Também conhecida como a Cidade Que Nunca Dorme e Grande Maçã, Nova York é uma personagem de Gossip Girl tanto quando Serena, Blair, Chuck e todos os outros Upper East Siders da série que ficou no ar de 2007 a 2012.

E como NY é parte importantíssima do show, se tinha algo que eles faziam muito bem era escolher cenários bacanas pra filmar. Pessoas que moram na cidade dizem que era super normal ter que desviar o caminho porque a rua por onde gostariam de passar estava sendo usada para gravar cenas da série. Há até mesmo empresas que fazem tour pelos locais onde os personagens passaram. 

Vamos conhecer alguns?

Grand Central Terminal - 89 East 42nd Street



Quem assistia Gossip Girl sabe que a estação é icônica, afinal foi ali que tudo começou, com Serena Van Der Woodsen (uma Blake Lively ainda desconhecida, mas já estonteantemente linda), chegando em NY depois de uma temporada num internato.


Metropolitan Museum of Art –1000 Fifth Avenue at 82nd Street



As escadarias do Met, como o museu é carinhosamente chamado, apareceram inúmeras vezes, afinal era ali que Blair (Leighton Meester) almoçava e fazia planos com as amigas.






O hotel foi casa do Chuck Bass (Ed Westick), o cafajeste que todo mundo amou odiar e depois apenas amou, inclusive a própria Blair. Há muitas e muitas cenas de Gossip Girl dentro do hotel, que é muito bacana e tem baladas legais e uma vista linda. E se você deseja se hospedar no The Empire e sentir como é ser um Bass, é só vir aqui nesse link


Lincoln Center - Entre a West 62nd e a West 66th Street



O complexo de edifícios funciona como sede de companhias artísticas e foi parte de Gossip Girl, tendo alguns dos bailes da série filmados lá. E ele fica ao lado do The Empire Hotel, então é possível visitar os dois de uma vez.


Bethesda Terrace e Bethesda Fountain – Central Park




Esse cenário é famoso e aparece em inúmeros filmes e séries. Quem não se lembra do número musical de Encantada que Amy Adams e Patrick Dempsey fazem na fonte? Mas para Gossip Girl Bethesda é imprescindível, porque ali dois momentos muito importantes da série aconteceram: Quando Blair e Serena fazem as pazes e quando Blair e Chuck se casam.


The Gapstow Bridge – 59th Street/5th Avenue, entrada sudeste do Central Park



A ponte lembra muito o casal Nate (Chace Crawford) e Blair, ainda mais num cenário de inverno. E se você está achando o cenário familiar, é porque Esqueceram de Mim 2 também usa o local, que fica em frente ao Plaza Hotel.





Do lado de fora do icônico hotel Chuck declarou seu amor por Blair. E o local também é famoso por causa de outros filmes, como Esqueceram de Mim 2, que é onde Kevin (Macaulay Culkin) se hospeda, e Noivas em Guerra, cenário do casamento de Liv (Kate Hudson) e de Emma (Anne Hathaway). Elas falam várias vezes sobre fazerem seus casamentos no Plaza em junho. Saiba mais sobre ele aqui.





O hotel também é importante para o clã Bass. Nele ficava o escritório de Bart (Robert John Burke), assim como o apartamento dos infames Van Der Woodsen. Para conhecer mais do hotel e se hospedar nele é só vir aqui.

Pulitzer Fountain – Central Park



Na fonte Serena e Blair fazem um ensaio fotográfico logo na primeira temporada.

E até mesmo as casas dos personagens são locais reais em Nova York:

Van der Woodsen penthouse - 300 East 55th Street



Loft dos Humphrey – 455 Water Street, Apartment #6, DUMBO, Brooklyn.



Apartamento da Blair- 1136 5th Avenue



Casa do Nate- 4 East 74th Street


Esses são apenas alguns dos cenários de Gossip Girl ao redor de Nova York. Quando for visitar a cidade, que tal fazer os passos dos personagens e se sentir um Upper East Sider?

Nova York é lotada de hotéis, além dos apresentados no post. Você pode ver várias opções de hospedagem em Manhattan e mesmo no Brooklyn aqui, nos mais variados preços e localidades. 


*** 

Esse post é o primeiro de uma série semanal onde vamos explorar os locais reais usados em filmes, livros e séries. Infelizmente ainda não podemos ir para Hogwarts, Nárnia, Westeros, País das Maravilhas e outras terras lindas, mas o mundo tem lugares maravilhosos que podemos conhecer por aqui.

Não percam o próximo post na semana que vem que terá como tema as locações de Meia-Noite em Paris.

Teca Machado