The One – Netflix – Crítica


Deu match!


Se você pudesse saber quem é a sua alma gêmea, aquela pessoa por quem é garantido geneticamente que vai se apaixonar, você faria o teste?


Essa é a premissa de The One, série da Netflix, cuja primeira temporada entrou no catálogo dia 18 desse mês. Assisti por acaso, porque apareceu nos meus destaques e o trailer me chamou a atenção. Resultado: fiquei viciada. O que eu me pergunto agora é: Por que não tem mais gente falando sobre essa série que é tão boa?



The One é baseada no livro de mesmo nome de John Mars, publicado no Brasil pela Globo Livros. O lançamento, coincidentemente, é hoje, 31 de março.


The One


A geneticista Rebecca Webb (Hanna Ware) e seu amigo James Whiting (Dimitri Leonidas) descobriram como achar a combinação perfeita entre os casais por meio do DNA. Tudo o que a pessoa precisa fazer é enviar uma amostra genética para a empresa The One, como um fio de cabelo por exemplo. Lá, em seu banco de dados com milhões de amostras, procura quem tem a genética pela qual é comprovado que irá se apaixonar. Mas achar a pessoa perfeita é simples, o difícil é saber que ela tem defeitos, problemas e que mesmo os pares que mais combinam podem não dar certo.




Apesar de uma sinopse que pende para um romance – afinal, fala sobre achar o par feito, relacionamentos e etc – The One não é uma série romântica, longe disso. É ficção científica, investigação criminal, mistério, jogos de ego, poder e manipulação. Muita gente tem descrito até como um derivado de Black Mirror.


Arcos dramáticos


Um dos maiores acertos da série é focar em mais de um arco dramático. Todos são interligados e extremamente interessantes, com mais revelações e mais camadas sendo expostas a cada episódio. Rebecca mesmo vive mais de um arco: o que envolve Matheus (Albano Jerónimo), sua combinação, os problemas que teve com Ben (Amir El-Masry) e tudo o que envolve seu desaparecimento e as questões empresariais por ser CEO de The One.




Também temos o de Kate (Zoe Tapper), policial que investiga o aparecimento de um corpo no rio Tâmisa e que descobriu recentemente que sua combinação é uma mulher e que sofreu um acidente. Há ainda o caso de Hannah (Lois Chimimba), que faz o teste para o seu marido, sem ele saber, porque louca de ciúmes deseja saber quem é o seu par perfeito. Assim, fica amiga da mulher (Pallavi Sharda) e faz de tudo para que o marido e ela nunca se vejam.


E o bacana é que a trama não gira só em torno dos personagens e seus conflitos, mas mostra os problemas que uma empresa como The One cria no mundo: aumento absurdo das taxas de divórcio – afinal, as pessoas casadas descobrem que sua combinação não é o cônjuge -, a dor que fica ao saber que sua combinação morreu, o acesso irrestrito a banco de dados de DNA e mais.


Personagens


Os personagens foram bem construídos, principalmente Rebecca, que foi muito bem interpretada por Hannah Ware. O roteiro não esconde nenhum lado seu, nem o pior, nem o melhor. E ela é como uma cebola, com camadas sendo descobertas. Vemos de como passou de uma geneticista que queria mudar o mundo, deixar as pessoas felizes a alguém capaz de tudo. Na verdade, ela sempre foi assim, mas com o poder que conseguiu por meio de The One essa sua faceta só ficou mais escancarada. 




É ótimo acompanhar não só a protagonista, mas também Kate, James, Hannah, Mark, Matheus e todos os outros. O elenco é afiado, com química e soube contar essa história de forma muito interessante.


A série, que é inglesa, conta nessa primeira temporada com 8 episódios com cerca de 45 minutos cada. O ritmo é ótimo – não corre demais, não é lento, e vai desvendando os mistérios na medida certa – e eu só não digo que maratonei porque é quase impossível maratonar alguma coisa tendo gêmeos de 6 meses. Mas assisti bem rápido, já que é bem difícil parar de ver.


A Netflix ainda não anunciou uma segunda temporada, até porque estreou só há 15 dias, mas especulações dizem que terá. O último episódio fecha muitos arcos, mas abre novos.


Quando você compra um livro ou produto da Amazon por meio do link aqui do blog ajuda a manter a página no ar. <3


E aí fica a minha pergunta: Você faria o teste para descobrir quem é a sua combinação?


Recomendo muito.


Teca Machado


6 comentários:

  1. Suas postagens são ótimas, estou seguindo seu blog e curtindo bastante!! Parabéns!

    Meu Blog: Lotomania

    ResponderExcluir
  2. Oi, Teca. Como vai? Interessante o seriado. Que bom que gostou e recomenda-o. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá...
    Eu acho que faria o teste hahaha...
    Achei a premissa da série bem interessante e fiquei com vontade de assistir... Dica anotada!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diane!
      Eu só não faria porque sou casada. Se fosse solteira faria, hahaha.
      A série é boa, vale a pena!

      Beijooos

      Excluir

Tecnologia do Blogger.