quarta-feira, 18 de março de 2020

Hunters - Crítica


Não sei na cidade de vocês, mas aqui em Brasília a Amazon Prime investiu pesado em divulgação da série Hunters, com Al Pacino, que entrou no canal de streaming no final de fevereiro. Já fazia uns dias que estava assistindo a primeira temporada, que conta com 10 episódios com cerca de uma hora cada, e ontem terminei. Mais alguém aí assistiu?


Hunters é produção executiva de Jordan Peele, escritor e diretor de filmes como Corra! e Nós e dá para sentir o dedo nele na série, com aquele toque do suspense, do quase bizarro e das reviravoltas. No enredo que se passa nos anos 1970, acompanhamos Jonah (Logan Lerman, o Percy Jackson), um rapaz de descendência judia que após investigar a morte da sua avó (Jeannie Berlin) se vê envolvido com os Caçadores, um grupo de judeus que descobriu nazistas infiltrados nos Estados Unidos e os caça impiedosamente.

Gostei muito de Hunters, principalmente da premissa. Afinal, quem não quer ver um bando de nazistas se dando mal, sentindo na pele – literalmente – a vingança daqueles que foram perseguidos por eles tão violenta e cruelmente? E é nesses momentos que a série brilha, quando mostra a caçada em si, o encontro dos oprimidos, dessa vez com o poder, com os opressores.



A produção tem um quê de realidade. Além de falar sobre acontecimentos históricos da II Guerra Mundial, como os campos de concentração, a Noite dos Cristais e até mesmo a Operação Paperclip (quando o governo americano trouxe engenheiros e cientistas da Alemanha nazista no período pós-guerra para trabalhar para eles – e um deles inclusive foi um dos responsáveis a leva o homem à Lua), os caçadores de nazistas realmente existem. Não da maneira retratada lá – até onde a gente saiba -, mas eles são reais.

Mas o que tem levado um pouco de polêmica para Hunters são as atrocidades dos campos de concentrações. Sim, elas aconteceram e foram malignas de uma maneira que a gente nem consegue imaginar, mas o roteiro de Hunters criou fatos, como o xadrez com prisioneiros e o concurso de canto.  O Memorial de Auschwitz soltou uma nota dizendo que fatos como esse podem fazer com que no futuro as pessoas neguem o Holocausto e os horrores feitos nos campos, assim como é perigoso e caricaturado.



Além do núcleo principal, com Jonah, Meyer (Al Pacino) e toda equipe de caçadores, há duas tramas separadas, que são tão interessantes quanto. De um lado temos Millie (Jerrika Hinton), agente do FBI que descobre a conspiração nazista nos EUA e luta tanto para desmascarar o governo quanto para pegar os caçadores, e do outro lado está o americano Travis (Greg Austin), que deseja entrar no grupo nazista extremamente bem organizado no país, liderado pela Coronel (Lena Olin), que tem como objetivo começar o Quarto Reich.

A atuações são boas – ainda que em vários momentos eu tive a sensação de que o Al Pacino estava sendo canastrão, talvez de propósito, talvez por ser a pegada de Hunters. Não é nada espetacular, mas está bom. A equipe de Caçadores é coesa, com boa química e trabalha bem mesmo quando o seu personagem não é dos mais desenvolvidos. O mesmo pode ser dito de Jerrika Hinton. Mas quem rouba o show com atuação é Greg Austin. Seu neonazista é sádico, com um carisma extremamente sombrio e um olhar gélido que chega a dar medo.



A série tem uma fotografia bonita. Uma vibe totalmente anos 1970. O design de produção acertou em cheio em toda a ambientação, das roupas até em mostrar imagens de NY com aquele ar de filmagem de décadas atrás.

O maior problema de Hunters foi o fato de muitas vezes ficar confuso para o espectador que tipo de série estamos vendo. Vi uma crítica no Omelete que disse: “Uma cena dos caçadores torturando um nazista pode ser seguida por um flashback emotivo do Holocausto. É como tentar juntar Bastardos Inglórios e A Lista de Schindler em uma obra só”. E essa é realmente a sensação que fica. Ao mesmo tempo que explora graficamente a tortura, o sangue, a violência, de repente temos um momento de reflexão, introspecção e altamente emocional. Isso dá uma quebra de ritmo absurdo, além de fazer um mix de temas que às vezes não funciona.


Apesar disso, Hunters é uma série muito boa. Começa extremamente interessante, dá uma caída pelo meio, mas nos dois últimos episódios volta a brilhar, principalmente nos minutos finais. Não há ainda confirmação da segunda temporada, mas ficamos no aguardo, principalmente depois das pontas soltas que ficam e do último minuto, que dá uma sensação de cena pós-crédito da Marvel.

E se você ainda não assinou a Amazon Prime, pode testar grátis aqui por 30 dias


Recomendo.

Teca Machado

10 comentários:

  1. Parece ótima essa série, eu ainda não vi
    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  2. Oi Teca, tudo bom? Nossa, não estava sabendo dessa série ainda... Gostei da dica, ainda mais agora, em tempos de quarentena. É sempre bom ficar a par das novidades de filmes e séries, né? Cogitando assistir por aqui. :)

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca, tudo bem? A premissa é muito boa e o elenco me chama bastante atenção. Apesar da polêmica e da ressalva, acho que vou conferir durante a quarentena.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      É uma ressalva beeeem ressalvinha, nada de mais.
      Vale a pena mesmo assim.

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi Teca,
    Confesso que eu vi as propagandas e as ignorei por conta do Al Pacino, kkkkkkkkkkkk.
    Porém, se tem essa pegada de 2ªGuerra Mundial, certeza que minha mãe vai querer ver. Vou até contar para ela!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Teca como vai? A premissa é interessante, e depois de ler sua análise com os elogios que fez ao seriado, despertou meu interesse por assistí-la. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciano!
      Vale super a pena.
      Eu recomendo bastante.

      Beijooos

      Excluir