sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Dumplin’ – Resenha do livro


Sabe aquele livro que quando você termina fica abraçado nele, pensando em como queria colocar a história num potinho e guardar? Foi assim que me senti ao fim de Dumplin’, de Julie Murphy, publicado no Brasil pela Editora Valentina. Quando eu vi que a Netflix comprou os direitos e ia lançar o filme no final de 2018, corri para ler a obra. Devorei e amei. E então fiquei esperando a dona Netflix colocar no catálogo brasileiro – porque no estrangeiro foi no começo de dezembro – e até agora nada. Pelo menos semana passada ela anunciou que no começo de fevereiro a história de Will vai estar disponível.

Foto @casosacasoselivros

Dumplin’ é um bolinho. E é o apelido que a mãe de Willowdean – Will – usa para a filha. Will é gorda. Sem frescuras, sem drama. Como ela diz “Mas essa sou eu. Gorda. Não é nenhum palavrão. Não é nenhum insulto. Pelo menos, não quando eu digo. Por isso, sempre me pergunto: por que não chutar logo de uma vez para longe essa pedra do caminho?”. E na maior parte do tempo ela aceita o corpo que tem e tudo o que vem com ele (até mesmo as coxas que detesta). E mesmo fora dos padrões da sociedade, é de certa forma bem resolvida, apesar de ser filha da ex-miss Flor do Texas, concurso que mexe anualmente com a pequena Clover City.

Will vive seus dias sem grandes pretensões, com a melhor amiga Ellen, com quem compartilha uma louca paixão pela cantora Dolly Parton, na escola e no trabalho suspirando por Bo, seu colega que é misterioso e quieto. Até que num impulso de quão querer perder o que a vida tem a oferecer, decide participar do concurso de Miss Flor do Texas. Ela abala as estruturas da cidade e mesmo sem querer inspira outras garotas fora do padrão a participarem.

Julie Murphy
Dumplin’ é um hino.

Will tem amor-próprio, autoestima e não tenta mudar quem é com dietas doidas. Mas as coisas ficam abaladas quando começa um relacionamento com Bo. Will não consegue acreditar que ele a quer ou mesmo parar de pensar no que as pessoas dirão ao descobrirem o romance do garoto bonito com a garota gorda. E assim Will começa uma jornada própria em busca de si dentro do concurso. E nesse caminho vão também Millie, ainda mais gorda do que ela, Amanda, que tem um problema nas pernas e Hannah, furiosa e com dentes fora do padrão.

A interação e o caminho dessas garotas é uma das melhores partes do livro. Tenho paixão por essas garotas doces (até mesmo Hannah!). E a amizade com Ellen me cansou. Mesmo sendo melhor amiga, ela não entende aquilo pelo que Will passa, até porque ela é magra e alta. Várias vezes quis sacudi-a e dizer umas verdades (e o mesmo totalmente vale para a Will).

A relação entre Will e sua mãe é problemática. A menina sabe que a mãe se ressente de ter uma filha tão pouco parecida com ela e fora dos padrões. Prova disso é chamar Will de Dumplin’. Há vazios de comunicação entre elas e brigas sem fim, mas com o passar do livro elas amadurecem e passam a entender o lado uma da outra.

“Tem algo sobre biquíni que faz você pensar que precisa ganhar o direito de usá-lo. Sério, o critério é simples. Você tem um corpo? Coloque um biquíni.”

E o arco com Bo é um carrossel de emoções. Will passava por todos os sentimentos num segundo, de alegria, euforia e paixão a repulsa e vergonha. Foi interessante a autora falar sobre isso, porque apesar de se aceitar, Will não sabia com as outras pessoas a aceitavam, criando toda uma ansiedade em relação a isso que mina seu relacionamento. Ela chega até mesmo a acreditar que precisa sair com o cara grande e gordo porque é isso que merece, sendo ela mesma assim.

O livro tem problemas de fluidez no meio, quando a história se arrasta e Will não parece sair do lugar em relação aos seus problemas. Mas então chega o concurso e o enredo ganha um brilho novo, sendo a melhor parte do meio para o fim. Como o foco do livro é o fato de Will se inscrever no Miss Flor do Texas, e esperava mais disso, não apenas poucos capítulos e um final de certa forma aberto (mas que eu gostei, apesar de muitas pessoas criticarem.

"Descubra quem você e e seja assim de propósito"

Críticas aos padrões estão presentes do início ao fim de Dumplin’ e muito se fala sobre aceitação, por mais que às vezes Will fraqueje, mas quem de nós nunca teve problemas com autoestima, pelo menos em alguns momentos?

Dumplin’ é aquela leitura para deixar o coração quentinho, cheio de frases marcantes que você vai querer grifar e para te fazer refletir sobre amor-próprio e não deixar o medo impedir que faça o que quiser. E olha que legal: Julie Murphy lançou Puddin’, sequência de Dumplin’ que tem Milllie, nossa querida e efervescente gorda que é 150% ela mesma o tempo todo. Oba!


E não se esqueça: Go big or go home.


Recomendo muito.

Teca Machado


9 comentários:

  1. Oi Teca,
    Minha mãe queria ler esse livro, mas acabou que adiamos a compra pelo valor, só que agora com o lançamento do filme na Netflix, acho que vamos ter que passar na frente.
    Muito bom saber que vale a pena a leitura!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oiii Teca

    Este livro está na minha meta de leitura e foi bom saber que ele tem seus probleminha de fluidez até certa parte, assim ja vou preparada. Acho a história super fofinha, e uma mensagem linda. Sou mega curiosa em conferir a adaptação da Netflix também, ficamos enquanto isso na torcida pra chegar logo por aqui.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ivy!
      Tem probleminhas, mas a história é bem fofa!
      Acho que você vai gostar.

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi, Teca!

    Eu já tinha visto a editora divulgando a obra, mas acho que essa é a primeira resenha que leio da obra e fiquei bem interessada! Gostei de como a protagonista se aceita do jeito que é, e as críticas quanto aos padrões deve ser algo que provoca muita reflexão no leitor. Uma pena o filme ainda não ter chegado na Netflix do Brasil, fiquei curiosa pra assistir!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol!
      É um livro muito bacana de autoaceitação.
      :D

      Beijooos

      Excluir
  5. Oie!
    Eu amo livros com essa tematica. Vi esse livro por ai, mas nunca tive a coragem de pegar para lê-lo e não sei o motivo hehe Uma pena ter problemas na fluidez, acho que isso pode desanimar as psssoas. Ademais, creio que é um livro que todos devem ler!
    Beijos
    http://our-constellations.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Talvez você não tenha interessado tanto porque ele é bem grandinho, hehe.
      Mas ele é bem bacana.
      Vale a pena!

      Beijooos

      Excluir