quarta-feira, 24 de julho de 2019

The Last Czars - Crítica


A História russa, principalmente pré-revolução, sempre foi uma das que mais me envolveram (até porque o desenho Anastasia é um dos meus preferidos) e me deixaram curiosa. Toda a opulência, riqueza e orgulho dos czares transformaram os Romanovs numa das famílias reais mais influentes da Europa nos 300 anos em que a dinastia ficou no poder. Então eu obviamente me apaixonei à primeira vista quando vi na Netflix o trailer de The Last Czars, que entrou no catálogo esse mês.


Em seis episódios, a série mostra o reinado do último czar da Rússia, Nicolau II (Robert Jack), que assumiu o trono do império em 1984 e ficou até 1918, quando eclodiu a Revolução Russa. Acompanhamos a sua trajetória familiar – o casamento com Alexandra (Susanna Herbert), as filhas, a dificuldade de ter um herdeiro do sexo masculino e a sua enfermidade, o relacionamento com o monge Rasputin (Ben Cartwright) – e o seu caminho desastroso como o líder máximo de um império poderoso, como era a Rússia na virada do século. E também há o arco de Pierre (Oliver Dimsdale), que trabalhou anos com os Romanovs e anos depois procura a princesa Anastasia.

Um dos pontos mais bacanas de The Las Czars é a mistura de interpretação de atores – excelentes, diga-se de passagem - com depoimentos de historiadores. Temos nomes como Douglas Smith, que escreveu recentemente uma biografia sobre Rasputin, e Simon Sebag Montefiore, pesquisador e autor do livro Os Romanovs. Assim, a produção ganha mais corpo em sua narrativa e fica com ar documental. A série é bem precisa historicamente – na medida que uma produção pode ser -, apesar de que os russos reclamaram de alguns fatos, como o casamento de Nicolau e Alexandra ser afetuoso, sendo que russos são um tanto mais frios uns com os outros.



É triste ver Nicolau. Ele era um homem suscetível à opinião e aos conselhos de outras pessoas. Apesar das boas intenções e de se esforçar, a falta de carisma e de pulso firme, aliados com a influência da esposa e de Rasputin, o levaram à queda da família Romanov. E mesmo com todos os seus defeitos, é inevitável sentir compaixão. Ele foi o líder errado, num momento histórico errado, rodeado pelas pessoas erradas. E como sabemos como terminou a sua vida, fica ainda mais angustiante ver como suas decisões são péssimas.

E por falar em Rasputin, Douglas Smith o descreve da seguinte maneira no primeiro episódio: “Rasputin é, provavelmente, uma das figuras mais emblemáticas do século 20. Seu passado é nebuloso e repleto de lendas”. É um personagem para admirar pela sua complexidade. A maneira como manipula Alexandra, como governa o país enquanto Nicolau está longe, como convence as pessoas de que era um enviado por Deus mostra como suas camadas são inúmeras. E Ben Cartwright faz um trabalho excepcional na pele do monge louco.


Romanovs na vida real

Encontramos ali um design de produção impecável. Não podíamos esperar menos de uma série que fala sobre os Romanovs. As caracterizações são impecáveis, assim como figurinos, montagem e cenários. É possível perceber a preocupação em contextualizar o período. Ainda assim, é inegável a "americanização" do produto final – até porque é falada em inglês e não há nenhum ator russo.

The Last Czars é uma excelente abordagem sobre uma Rússia tardiamente moderna, seus erros irreparáveis e como um governante fraco pode levar milhões à morte. Ainda que saibamos o desfecho dos Romanovs, é difícil não se lamentar.

Recomendo muito.

Teca Machado

4 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Não é o tipo de série que costumo assistir. Mas aparentemente é uma série bem produzida.

    Seguindo o blog
    Beijos
    https://construindoestante.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Teca tudo bem? Essa série está sendo falada ultimamente, uns gostam, outros nem tanto. Eu particularmente não gosto desse tipo de série, entretanto a produção e o figurino é digna de elogios. Abraços!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca
    Nunca me interessei por histórias de reis, dinastias e essas coisas todas, mas eu gostei de saber mais do personagem Rampustin, principalmente porque ele surgiu do nada da história e eu queria entender melhor da onde ele veio. Vale a dica!
    Beijo

    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  4. to DOIDA pra ver essa serie, provavelmente vou maratonar agora no final de semana, tenho mt curiosidade em saber mais da familia Romanov e a produção de época parece mesmo incrível

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir