quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

iZombie – Zumbis, videntes e comédia dramática


Essa onda de zumbis literários e cinematográficos não me pegou. Dá uma agoniazinha ver aqueles bichos todos arrebentados, com olhos esbugalhados e movimentos tortuosos. The Walking Dead? Sei que deve ser maravilhosa, mas não, obrigada. Só que tem uma série sobre o tema que me conquistou: iZombie.


Muito se tem falado das adaptações da DC Comics nos últimos anos. Além dos filmes, as séries estão fazendo sucesso, como Flash, Arrow, Gotham, Legends of Tomorrow e até mesmo Supergirl. Pouca gente sabe, mas iZombie também é da DC, de um “selo” menos conhecido chamado Vertigo, responsável por publicações como V de Vingança e Watchmen, por isso tem uma pegada diferente, não super-herói propriamente dito. Fiz uma pesquisa sobre a HQ e a série e parece que há pouca fidelidade entre elas, apenas nome dos personagens, precisar comer cérebros e características físicas.

iZombie tem como protagonista Liv Moore (sacaram? Trocadilho com “live more” – viver mais, interpretada por Rose McIver), uma médica certinha, inteligente, noiva de um bonitão e que já tem sua vida toda planejada pela frente. Até que vai a uma festa num barco, onde acontece um ataque zumbi e ela é arranhada, o que a transforma num zumbi. Sou vida tão organizada entra em colapso. Termina com o noivo - afinal, o que ele vai fazer se descobrir que ela é uma morta-vida? -, fica soturna, sua aparência muda para extremamente pálida e passa a trabalhar no necrotério de Seattle, onde consegue alguns cérebros para se manter alimentada.



O enredo começa a andar logo após essa introdução à personagem, quando seu chefe Ravi (Rahul Kohli) descobre sua condição. Ao invés de ficar assustado, acha fascinante e passa a ajudar Liv a encontrar a cura. Enquanto isso, todas as vezes que come um cérebro, ela pega lembranças e parte da personalidade do falecido. Desse modo ajuda o detetive Clive (Malcolm Goodwin) a resolver crimes, dizendo ser uma vidente.

iZombie começa parecendo ser do tipo que a cada episódio vai mostrar um caso e é isso, no melhor estilo CSI. Mas vai se aprofundando com o passar da temporada, assim como os personagens vão ganhando mais contornos e importância – o melhor exemplo disso é o ex-noivo Major (Robert Buckley), que começa a série como o protótipo de homem perfeito e vai se tornando um personagem bem menos raso. Os casos, de certo modo, vão se interligando num arco de enredo maior, que leva a um desfecho não imaginado.



O grande destaque de iZombie é, sem dúvida, Rose McIver. Ela não é simplesmente Liv em todo o tempo. Como a cada comida de cérebro ela adquire traços da personalidade de quem comeu, ela se torna uma pessoa diferente por episódio. É líder de torcida adolescente, é um artista plástico, é um psicopata, é um hacker com fobia de sair em público e assim por diante... Deve ser difícil se transformar em tantas pessoas diferentes dentro de uma só personagem. 

Rahul Kohli é ótimo, o alívio cômico, sempre com as melhores tiradas e falas. Robert Buckley, como disse acima, vai se transformando ao longo dos episódios em alguém muito mais profundo. E David Anders, o vilão Blaine, faz um excelente trabalho. Aquele tipo que nos faz odiar amá-lo/amar odiá-lo.


Algo interessante de iZombie foi a concepção diferenciada do zumbi. Eles viram sim aquele tipo que vemos em outras produções, mas apenas quando não se alimentam. Enquanto têm cérebro no estômago são altamente funcionais, como a Liv. E também a maneira como eles surgiram no mundo é interessante e vai sendo explicada aos poucos.

Confesso, a série tem um pezinho lá no trash, mas em momento algum se leva realmente a sério. Tem comédia, tem drama, tem dramalhão, tem ação, tem romance e tem fantasia. É aquele tipo de programa que dá gosto assistir porque entretém, é bem feito, é bacana, com diálogos ágeis e inteligentes, além de ser cheio de referências.



iZombie tem já duas temporadas e a terceira vai ser lançada esse ano, ainda sem data de estreia.

Recomendo.

Teca Machado


14 comentários :

  1. Oi, Teca!
    Eu acompanhava iZombie, mas abandonei porque comecei a perder a vontade de assistir...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena!
      Eu adorei a primeira temporada.
      Já quero a segunda.

      Beijooos

      Excluir
  2. Oie!

    Já li algumas sinopses e opiniões sobre a série, mas não me chama atenção. Não sei, acho meio viajem. Mas respeito rsrs Bjs,

    www.estranhoscomoeu.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, é viagem total!
      Hahahahaha
      Mas é bacana.

      Beijooos

      Excluir
  3. Olá, Teca.
    Eu gosto de zumbis, mas estou um pouco enjoado já. Porém, essa premissa parece ser bem diferenciada. Curti bastante.
    Vou conferir.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores, dividindo 4 livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem diferente.
      Como fizeram com os vampiros, zumbis estão tendo uma overdose, hahaha.

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi Teca!
    Eu nunca olhei duas vezes para iZombie, mas já vi muita gente dizer que a série é mais do que parece à primeira vista. Foi só quando parei para ler a sua resenha e analisei o pôster que descobri que ela é do mesmo criador de Veronica Mars (que eu adoro!). Agora fiquei com vontade de conferir e pelos seus comentários parece ser divertida mesmo. Às vezes tudo que a gente quer para relaxar é uma série que não se leva a sério, né?
    Vou baixar o piloto e dar uma chance.
    PS: Como não amar citações de Friends? <3
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente.
      De vez em quando uma série mais leve é tudo o que a gente quer.
      <3
      Eu nunca vi Veronica Mars, acredita?
      Quero muito assistir!

      Beijooos

      Excluir
  5. OI BISTEQUINHAAAAAA

    essa é uma das minhas séries preferidas EVER, sério HAHAHAHAHA
    eu morro de rir com a Liv e toda a troca de personalidades de acordo com os cérebros que ela vai comendo (um dos meus preferidos foi o artista francês todo galanteador, que faz ela brigar pra sempre com o cara que faz retrato falado HAHAHAHAHAH).
    já tô em abstinência porque devorei as duas temporadas e quero PRA ONTEM a terceira u.u

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amoooooooo!
      Adoro ver ela trocando de personalidade, hahaha.
      Ela é muito doida!
      A do francês foi sensacional!!!!

      Beijooos

      Excluir
  6. Oi, Teca!!!

    Não fazia ideia que existia essa série. Olha o mundo que vivo ultimamente! Hahahahaha

    Mas gostei muito do que mostrou aí. Espero que tenha no Netflix. Vou dar uma olhada depois!! :)

    Bjs!!!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, a primeira temporada tem lá.
      Assiste, você vai adorar, hahaha.

      Beijooos

      Excluir
  7. Hey hey Teca
    A Vertigo, segundo dizem algumas lendas, foi comprada pela DC pra que o Alan Moore pudesse criar uma historia sem prejudicar os principais personagens da editora. Essa historia é Watchman.
    A proposta da série me parece ser mais cortoonesca, enqaunto as produçoes da Vertigo tal qual Sandman, Preacher, tendem a ser mais pesadas e mais "obscuras"
    Não vou assistir por causa do meu problema com séries, mas não me parece ruim de fato.
    bjos LP
    quatroselos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia disso, LP!
      Essa é total mais leve e engraçada.
      Nem parece ser do mesmo estúdio.

      Beijooos

      Excluir