quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

A Garota do Calendário – Fevereiro: Arte em Seattle


A série A Garota do Calendário, de Audrey Carlan, da Verus Editora, conta a história de Mia Saunders, onde cada volume é referente a um mês. Aqui comentei sobre o primeiro livro, Janeiro, e agora vamos embarcar com ela e seu segundo cliente, o de Fevereiro, o artista plástico Alec Dubois. Tenho lido uma obra dessas por mês para em um ano finalizar a jornada da protagonista. 



Se você não sabe sobre o que se trata A Garota do Calendário, vou te explicar. Mia é uma garota comum e bonita de Las Vegas. Quando ela se envolveu com um agiota e seu pai pegou dinheiro emprestado com ele para fomentar seu vício em jogos, tudo começou a dar errado. O pai sofreu uma surra do agiota e agora está em coma. Ficou com Mia a responsabilidade de pagar a dívida. A única solução encontrada por ela foi trabalhar como acompanhante de luxo para a empresa da tia. Ela não é prostituta, mas se quiser dormir com os clientes, pode. E vai receber um extra por isso. Cada mês ela passa com um cliente, que precisa dela por motivos diversos.

No caso do cliente de fevereiro, Alec Dubois, ela será sua musa. O artista de Seattle viu seu portfolio e descobriu que ela seria a peça central da sua nova série de quadros sobre amor. Mia irá posar para ele em pinturas, fotografias e muito mais. E fará isso nua. Mas mais do que revelar apenas o seu corpo, a garota irá aprofundar nos seus próprios sentimentos, inseguranças e mágoas para expor a verdade nas telas.

Diferente do que aconteceu com Wes no primeiro livro, onde rolou uma paixão verdadeira entre o casal, aqui foi uma coisa muito mais sexual e até mesmo espiritual. Mia e Alec se gostam, se entendem, se desejam, mas sabem que é como diria Vinicius de Moraes, “que seja eterno enquanto dure”, ou seja, tem que ser verdadeiro enquanto acontece, mas isso não significa que será para a vida inteira.

Alec ajudou Mia em fevereiro a conhecer a si mesma, a cavar em locais dos seus sentimentos que antes ficavam trancafiados a sete chaves, por medo da mágoa e da tristeza que levantar essas questões traria.

Assim como no primeiro volume, nesse temos bastante sexo e cenas quentes. Está a um pezinho do vulgar, mas não chega lá. Mia se entrega a Alec sem medo, sem reservas e sem pudores. É uma mulher livre que não pensa em convenções ditadas pela sociedade quando o assunto é seu próprio corpo. E isso é de certa forma libertador. É irritadinha, fala o que não deve e dá uns pitis totalmente fora de hora, mas isso a gente releva.

O artista foi um ótimo personagem. É daquele tipo de pessoa que vê beleza em tudo, que enxerga o mundo em outras cores que nós reles mortais não vemos. E a sua visão foi bem construída pela autora. Quase pude ver as obras que ele pinta e retrata de Mia. Fora que ele é um gostosão com cabelo estilo o lenhador da Polícia Federal que prendeu o Eduardo Cunha, hahaha.


Narrado em primeira pessoa por Mia, a leitura de A Garota do Calendário – Fevereiro voa. Além de ter letras grandes e bem espaçadas e poucas páginas, o enredo, mesmo que às vezes bobinho, te prende e te deixa curioso. Sei que só vou ter todas as respostas no volume de dezembro e mesmo assim espero ansiosamente cada um dos livros e seus homens.

Recomendo.

Teca Machado

6 comentários :

  1. Respostas
    1. Luiza, eu sou brasileira e não desisto nunca!
      Hahahaha.
      Mesmo se não estiver gostando.
      :P

      Beijooos

      Excluir
  2. nossa, que serie imensa de livros hehe, confesso que nao curto mt esse estilo

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lívia, é imensa, mas cada livro você lê num dia ou dois.
      Passa rapidinho!

      Beijooos

      Excluir
  3. OI BISTEQUINHA

    sua resenha me deixou mais esperançosa e otimista em relação a esse livro, acredita?
    No geral, vejo muita gente dizer que toda essa série poderia ser resumida muito bem em dois livros e que 12 são extremamente desnecessários, mas né, ainda assim quero ler :B
    O que curti é que é uma visão bem feminista das coisas: a mulher pode fazer o que quiser pra ajudar a descobrir mais sobre si mesma!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aah, mas isso é verdade.
      A série poderia ser resumida em menos livros, mas aí ia vender menos, né?
      Hahahaha.
      :P
      Exatamente. A Mia faz o que quer e homem nenhum manda nela. Isso é legal.

      Beijoos

      Excluir