terça-feira, 14 de março de 2017

O Oráculo Oculto: Apolo e sua autoestima no Olimpo


Corre que está acabando o tempo! Está tendo sorteio de um exemplar autografado pela Julia Quinn de Simplesmente o Paraíso, primeiro livro da série Quarteto Smythe-Smith. É um romance de época todo lindão. Participe aqui!

Rick Riordan e seus livros de mitologia têm um grandessíssimo espaço no meu coração. As duas séries envolvendo o Percy Jackson – Percy Jackson e os Olimpianos e Os Heróis do Olimpo – são duas das minhas preferidas da vida, a de Magnus Chase – Magnus Chase e os Deuses de Asgard -, que ainda só li um livro, também, e agora posso acrescentar nesse bolo mitológico As Provações de Apolo, cujo primeiro livro é O Oráculo Oculto.


Se nas sagas do Percy Jackson já era maravilhoso encontrar, mesmo que brevemente, o deus Apolo, agora vamos nos deliciar com um livro todo dele, narrado em primeira pessoa pelo deus da música, da arquearia, conhecido pela sua beleza, egocentrismo e haicais.

Nesse primeiro livro de As Provações de Apolo, o nosso protagonista cai na Terra. Literalmente. Zeus, por algum motivo que Apolo não consegue se lembrar, está muito bravo e joga o filho no nosso mundo como um mortal adolescente de 16 anos, sem poderes, com um nome ridículo, ligeiramente gordinho e com acne. Acne! O deus da beleza quase tem um troço ao descobrir sua nova aparência e realidade. E tudo piora porque ele acorda num beco cheio de lixo, com valentões puxando briga e tem como nova mestre Meg, uma garota esquisitíssima de 12 anos que tem poderes sobre as frutas, provavelmente uma semideusa perdida pelas ruas de Nova York.

Rick Riordan
Para poder cair nas boas graças de Zeus de novo, Apolo precisa passar por provações terríveis na Terra (ele sabe disso porque não é a primeira vez que seu pai fica zangado assim...). Mas dessa vez parece que tudo está mais complicado do que em séculos anteriores. No Acampamento Meio Sangue as coisas estão esquisitas. Campistas estão desaparecendo, o bosque está fantasmagórico e o oráculo, responsabilidade de Apolo, está com defeito. Ou seja, sem oráculo, sem missões. Sem missões, sem semideuses para salvarem o mundo. Cabe, então, a Apolo e Meg tentarem descobrir como reverter a situação.

Se os livros anteriores de Rick Riordan são cheios de humor, O Oráculo Oculto é o mais engraçado de todos. Apolo é um personagem ótimo. Metido, arrogante, tão cheio de si que é impossível não rir das suas tiradas (por exemplo, ele tem como frase motivacional “você é lindo e as pessoas te amam”). Sua autoestima e sarcasmo vão lá no Olimpo. Constantemente ele ofende as pessoas, principalmente os seres humanos (“Nunca vou entender como vocês, mortais, toleram isso. Vocês passam a vida toda presos em um saco de carne, incapazes de apreciar os prazeres mais simples, como se transformar em um beija-flor ou se dissolver em pura luz”), e vai contando casos dos seus quatro mil anos de vida que te fazem rir. Mas a medida que o livro vai passando, e Apolo amadurecendo, enxergamos outra faceta do olimpiano, uma mais grave e sombria, cheia de erros do passado e tristezas, além de arrependimentos.


E se tem algo que sabemos que o escritor faz bem é falar de amizades. Apesar de uma relação estranha e um tanto tortuosa, a amizade de Apolo e Meg é um dos ponto-chaves da história do livro e é uma gracinha de se ver crescer e aflorar.

O autor, que é adepto de “a zueira never end”, coloca em O Oráculo Oculto o melhor de si. Temos até um semideus brasileiro que só fala português e tem uma bandeira mágica do país, que teoricamente salva Apolo em uma situação. As referências são maravilhosas, já que ele cita Groot, dos Guardiões da Galáxia, as Kardashians, o Spotify e muito mais. Fora que Riordan dá lição em homofóbicos ao apresentar personagens gays (Will, filho de Apolo, e seu namorado Nico), além de deixar muito claro que o protagonista é pansexual.


Revemos muitos dos amigos antigos, como Percy Jackson, Nico e Quiron. Annabeth é citada várias vezes e temos uma participação especial de Leo Valdez. A maneira como Rick Riordan entrelaçou todas as séries gregas para culminar nessa é genial. Vemos que tudo o que aconteceu nas duas anteriores são “culpa” dos vilões dessa. E, devo falar para vocês, o vilão-mor é incrível, talvez o mais interessante até o momento.

Espero ansiosamente pelos próximos volumes de As Provações de Apolo, principalmente depois do final um tanto quanto aberto de O Oráculo Oculto.

Recomendo muito.

Teca Machado


16 comentários:

  1. Oi, Teca!
    Eu amei esse livro justamente por tudo isso que você falou. Morri de rir do Apolo, mas sofri quando ele sofreu. Adorei as referências e os tapas que Riordan dá em alguns assuntos..
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Literário de Carnaval
    Sorteio Três Anos de Historiar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!
      Sofri demais também, mas ri muito mais!

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi Teca, tudo bem?
    Se eu te contar que nunca li nada dele, você acredita? :x
    Quero ler Percy Jackson em algum momento da vida, mas ainda não me organizei pra isso. De qualquer forma, adorei a resenha! Achei super divertida.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juraaaa?
      É tão divertido ler livros do Rick!
      Você vai adorar!

      Beijooos

      Excluir
  3. Oiii Tecaaaaaaa

    Apesar de eu ter gostado bastante de Percy Jackson, não me interessei tanto por esses outros livros...
    Mas gosto bastante desse universo!


    ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raíssa!
      Sério?
      Os outros universos são muito divertidos.
      Apolo e Magnus Chase são maravilhosos!

      Beijooos

      Excluir
  4. Eu não li Percy e não sabia da existência dessa outra saga! Mas curti, obrigada pela dica (vou mostrar esse post pra um primo que ama livros nesse estilo!)


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, tem um monte de sagas.
      E todas são bacanas!

      Beijooos

      Excluir
  5. amo a escrita desse autor, e não sei porque não i Apolo ainda. Essa saga está na minha lista de desejados bjs

    Taynara Mello
    www.indicarlivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apolo é muito divertido!
      Ainda mais se você já gosta do autor.

      Beijooos

      Excluir
  6. Ouço falar super bem, mas ainda não li nada do autor. Já estou colocando na minha listinha!

    Beijos
    Mari Dahrug
    https://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, o autor é tão maravilhoso!
      Eu amoooo!
      <3

      Beijooos

      Excluir
  7. Oi, teca!!

    Essa foi minha última leitura e não sei nem expressar o quanto gostei do livro! É tão engraçado que eu me pegava rindo quase em todo capítulo. Claro que, de umas páginas pra lá (indo para o final) é possível observar a mudança do personagem, mais maduro, mais humano. Ele continua sendo cômico, mas agora consciente. Adorei sua resenha! Beijos,

    www.estranhoscomoeu.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiiiiiim!
      Que bom que você gostou também.
      :D
      Eu também ri demais, quase sempre. E a evolução dele foi ótima.

      Beijooos

      Excluir
  8. Oi, Teca!!!

    Adorei a resenha!! <3
    A história de Apolo poderia ser resumida com "a zoeira never ends" sem dúvidas!! Hahahaha
    Ele com certeza é o personagem mais engraçado de todos porque fala realmente sério sobre várias bobagens.

    Mas achei a narrativa ótima e toda a conexão com as outras histórias foi um up com certeza. Estou bem curiosa sobre a continuação, mas antes preciso ler o segundo livro do Magnus Chase!! xD

    Bjs!!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiim, ele é todo a zoeira never ends!
      Hahahaha.
      Você resumiu bem sobre ele falar sério as bobagens dele.
      Estamos bem curiosas! Bem!

      Beijooos

      Excluir