terça-feira, 31 de outubro de 2017

Thor – Ragnarok – A comédia da Marvel


Thor sempre foi um dos meus Vingadores preferidos. Talvez seja toda lindeza do Chris Hemsworth (e que lindeza!), talvez seja por ele ser meio arrogante, mas amável, talvez seja por ele ser meio burro (ele é, convenhamos, haha), talvez seja por eu amar o seu irmão Loki (Tom Hiddleston), talvez seja por eu adorar cultura nórdica. Não sei, só sei que sempre gostei dos filmes-solo dele, até mesmo do segundo que foi tão criticado, e de sempre que ele aparece nos Vingadores. E posso dizer que Thor – Ragnarok, terceiro filme da franquia do herói, é muito divertido, quase insano e assumidamente uma comédia de ação.


Thor – Ragnarok, do diretor Taika Waititi, é o mais diferente dos filmes do deus do trovão. Ouso dizer que provavelmente é o longa que menos se leva a sério de toda Marvel. E isso não é um ponto negativo. Há piadas o tempo todo – algumas muito boas, algumas apenas boas – e a risada é garantida, principalmente quando Thor interage com Hulk (Mark Ruffalo). Além disso, os atores parecem se divertir muito atuando, até mesmo Cate maravilhosa Blanchet, do papel de Hela, a deusa da morte, a super-vilã que quer ver o circo pegar fogo.

Para quem não sabe o que significa, Ragnarok é o fim do mundo na mitologia nórdica. Depois da morte de Odin (Anthony Hopkins), Hela, sua filha primogênita, é libertada da prisão em que vivia. Sedenta por sangue e violência, ela deseja transformar Asgard e todos os nove reinos em fogo e destruição. Thor e Loki tentam impedir a irmã mais velha, mas ela é mais poderosa do que eles e a dupla acaba perdida no maluco planeta Sakkar. Eles precisam voltar para Asgard, mas estão presos numa espécie de dimensão paralela comandada pelo grão-mestre (Jeff Goldblum).





Apesar de toda comédia, há também um drama em Thor – Ragnarok. Asgard está sendo dizimada, sua população está sofrendo nas mãos de Hela e só sobrevive porque tem a ajuda de Heimdall (Idris Elba). Thor é bobalhão e impulsivo, mas leva a sério o fato de ser um herói, o fato de ter um povo que depende dele. A evolução do personagem no filme foi bacana. Talvez ele finalmente tenha amadurecido. Loki abraça de vez a sua personalidade anárquica. Ele não é bom, mas também não é de todo ruim e, no fim das contas, pode ajudar mais do que atrapalhar – e continua sendo um dos meus personagens preferidos. Quando há interação entre os dois são os melhores momentos do filme.

O elenco é excepcional. Chris Hemsworth e Tom Hiddleston são a alma de Thor – Ragnarok. Funcionam muito bem juntos e são altamente carismáticos. Cate Blanchet dispensa comentários. A cada ano que passa está mais maravilhosa e é uma das melhores atrizes da atualidade, mas é uma pena que tenha interagido pouco com o protagonista. Assim como Anthony Hopkins, que aparece rapidinho, mas não deixa a desejar. Sua atuação de quando Loki finge ser Odin é a melhor! Jeff Goldblum está insano e divertidíssimo como grão-mestre. Mark Ruffalo parece meio dopado quando volta a ser Bruce Banner, mas quando é Hulk, ah, é maravilhoso. E ainda tem Tessa Thompson como a valquíria errante, peça fundamental para o enredo.




Taika Waititi deu um tom bem anos 1980, altamente psicodélico a Thor – Ragnarok e isso conquistou meu coração, porque eu tenho uma paixão bem louca por essa década. As cores saturadas e fortes são presença constante. O filme está cheinho de referências às outras produções do universo – Dr. Estranho (Benedict Cumberbatch) faz uma participação, Tony Stark (Robert Downey Jr.) é citado várias vezes, há uma aparição relâmpago da Viúva Negra (Scarlett Johansson) e mais. 

Há muita ação e as cenas são muito bem coreografadas. E como estamos falando aqui de deuses nórdicos, não de simples mortais com poderes ou equipamentos muito caros, as lutas e as batalhas ganham um ar muito mais irreal, muito mais louco.




Thor - Ragnarok é uma diversão e fundamental para a linha cronológica do universo da Marvel, deixando um gancho para Os Vingadores – Guerra Infinita. As cenas pós-créditos não são das melhores, mas é sempre bom assistir (e são duas, não saia do cinema antes).

Recomendo.

Teca Machado


2 comentários:

  1. Oi Teca!
    Eu tbm adoro os filmes do Thor, vamos deixar esses críticos pra lá! hahahah
    Loki é o amor da minha vida gente <3 kk
    Ainda não consegui ver o filme, mas espero conseguir logo! XD
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Teca,
    Sou fã dos filmes da Marvel e acho que o Thor também é meu vilão preferido e talvez seja também por causa do Cris (sempre vale a pena ver esse lindo no cinema). Eu gostei muito do filme e para mim ficou no limite da comédia, um pouco mais iria extrapolar. Adorei a trilha sonora principalmente das cenas de luta e ver o Hulk foi um bônus para mim, porque sou sua fã de carteirinha.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    https://leiturakriativa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir