sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Céu Sem Estrelas - Resenha


Sabe aquele livro que você tem vontade de pegar o protagonista, dar um abraço e falar “calma, vai ficar tudo bem”? Foi assim que me senti com Céu Sem Estrelas, de Iris Figueiredo, publicado pela Editora Seguinte. Recebi a obra em parceria com o grupo Companhia das Letras e achei uma leitura delicada, sensível e que trata de temas muito importantes.

Foto instagram @casosacasoselivros

No enredo acompanhamos dois protagonistas: Cecília e Bernardo. Cecília acabou de fazer 18 anos e sua vida não podia estar mais bagunçada. Demitida no dia do seu aniversário, teve uma briga tão imensa com a mãe que foi expulsa de casa. Sem teto, pede abrigo para Iasmin, sua melhor amiga. Assim, começa a se aproximar de Bernardo, seu irmão por quem sempre teve uma paixonite, mas nunca disse para ninguém. Já Bernardo é um jovem que tem dinheiro, boa aparência, uma família que o ama, estuda numa faculdade federal, mas sente que sua vida está incompleta, que falta algo nela. E percebe que talvez em Cecília é onde irá encontrar.

Cecília tem mágoas mais profundas do que aparenta à primeira vista. Por ser gorda, não se sente nem perto de bonita e isso a magoa, porque nunca encontra roupas bonitas ou que fiquem bem no seu corpo. Além disso, tem problemas de abandono. Nunca soube quem é o seu pai, sua mãe sempre preferiu que a filha estivesse longe e quando dava problemas a mandava para a casa da avó. E tudo se agravou ainda mais depois que a mãe preferiu ficar do lado do marido do que da filha. A garota tem ansiedade, se autoflagela, tem ataques de pânico e se sente em um beco sem saída.

Iris Figueiredo
Nos momentos em que tudo parecia estar contra a personagem, eu queria chegar até ela e dizer que era linda, que importava e que tudo nessa vida passa - seja o ruim, seja o bom - passa. Apesar de não me identificar com ela e com os seus problemas, senti uma empatia muito grande. Felizmente Cecília tinha ao seu lado a avó, que é uma fofa, e suas amigas, principalmente Iasmin e Rachel.

Iris Figueiredo fala de forma doce sobre assuntos muito sérios, principalmente sobre saúde mental. Além de ansiedade, depressão, se cortar e sentimento de abandono, há uma pitada de racismo, muita de gordofobia (a tia de Cecília está sempre fazendo comentários sobre seu peso e sua maneira de comer), machismo e vale a pena falar o fato de que muitos homens não têm com quem conversar sobre assuntos mais profundos. Bernardo é introspectivo e busca entender o que sente e o seu lugar no mundo, mas seus amigos – que são melhor descritos como colegas – zombam dele, só querem saber de festas, mulheres e bebidas. O livro está cheio de representatividade, com uma protagonista fora do padrão de beleza e personagens secundários deficientes, negros, homossexuais e outros. E tudo isso é falado de forma muito natural. A autora não levanta nenhuma bandeira, mas insere isso na obra sem alarde, sem preconceitos.

Céu Sem Estrelas tem romance, mas Iris não nos força um relacionamento exagerado entre eles. Cecília e Bernardo constroem aos poucos e de forma tímida o que têm, e isso é uma delícia de acompanhar. Ambos comentem erros, que levam a sérias consequências, mas faz parte do processo de amadurecimento.

A história é contada em primeira pessoa pelo ponto de vista dos dois protagonistas, o que é ótimo para ter uma visão mais geral dos acontecimentos. Gosto de quando ambos passam pela mesma situação e vemos como cada um se sente em relação a isso. A escrita é fluida, assim como o ritmo do enredo. Eu só não li mais rápido porque pausei todas as leituras para estudar para um concurso que estava chegando.


Céu Sem Estrelas toca o coração e vale a pena cada página.

Recomendo.

Teca Machado

19 comentários:

  1. Oi, Teca!
    Não é a toa que esse livro foi o mais vendido da Bienal.
    Pelo que li na sua resenha, ele seria uma ótima leitura para mim, mas não no momento. Por agora só quero ler amorzinhos e tem alguns assuntos nesse livro que iriam me deixar meio deprê.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é lindo demais, mas realmente deixa meio deprê.
      <3

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi, Teca
    Eu recebi o livro da editora mas ainda não me atrevi a ler, porque apesar do tema ser saúde mental, algo que eu até gosto, não me chamou tanta atenção. Eu fico receosa de ler livros onde os personagens tem infinitos problemas, fica um dramalhão danado e se caso eu não sentir empatia pelo protagonista, isso acaba com a leitura. Mas pretendo ler futuramente, espero gostar.
    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mika!
      Realmente, essa personagem tem problemas demaaaaaaaaaaaais.
      Talvez você não sinta empatia, mas é bem legal.

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi, Teca!

    Esse livro tem tudo pra ser maravilhoso. A delicadeza como a autora aborda temas tão pesados e importantes é admirável. Quero ler o quanto antes!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem maravilhoso e super importante!

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi Teca,
    Eu fui para a Bienal com esse livro já lido, torcendo para encontrar a autora e parabenizá-la. FIQUEI ENCANTADA! Eu sorri, eu sofri, eu queria abraçar Cecília.
    MUITO MUITO MUITO BOM! E a Íris é um amorzinho de pessoa <3
    Também super recomendo a obra!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma graça, né?
      Também queria dar um abraço nela e dizer que ia ficar tudo bem.
      <3

      Beijooos

      Excluir
  5. Adorei essa resenha, já me senti super envolvida com a Cecília, além de uma vontade de abraça-la também. :) Já vou anotar esse título, para buscar para minha próxima leitura.

    Grande beijo, Franci.
    www.delirioscotidianos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franci, não dá para não ter vontade de abraçar essa fofa.
      <3

      Beijooos

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oi Teca!
    Adoro a capa desse livro e parece ser uma leitura bem comovente msm. Nunca li nada da Iris e seria uma boa oportunidade. Dica anotada!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa capa é maravilhosonaaaaa!
      E o livro é lindo.
      Vale a pena, viu?

      Beijooos

      Excluir
  8. Oi, Teca.
    Parece ser um livro interessante, embora não seja um que eu leria nesse momento.
    Ótima resenha!

    Beijos! Dear Masen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bacana e bonito.
      Vale a pena, mesmo que depois.

      Beijooos

      Excluir
  9. Oi Teca, tudo bem?
    Eu acho a capa desse livro linda! E, pelo visto, a história também é.
    Fico muito feliz de ver livros que tenham representatividade e falem de temas importantes ganhando espaço e se popularizando. Sucesso!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, essa capaaaaaa!
      Tem representatividade sem ser uma bandeira. É bem natural e lindo!

      Beijooos

      Excluir
  10. AAA. Que resenha mais interessante. Adorei conhecer esse livro. Já quero ler!

    naoseavexe.blogspot.com

    ResponderExcluir