sexta-feira, 22 de março de 2019

O Beijo Traiçoeiro - Resenha


Ano passado recebi da Editora Seguinte (Companhia das Letras) o livro A Missão Traiçoeira, de Erin Beaty. Mas descobri que era o segundo volume, então fui correndo ler O Beijo Traiçoeiro, primeira obra e que dá nome à série, que será uma trilogia.

Foto @casosacasoselivros

Sage Fawler não é uma dama, mas também não é plebeia. Vive num limbo feliz, porque se tem algo que ela não deseja é ser domada e ter a sua língua afiada calada. Mas quando chega o momento de se consultar com a casamenteira – é uma honra! - é recusada como noiva, para seu alívio. Em contrapartida, a mulher lhe oferece um emprego como sua aprendiz. Sage precisa ser seus olhos e ouvidos enquanto vão para a capital do país com uma comitiva de noivas para a alta nobreza, acompanhadas por uma escolta militar, a cargo do capitão Alex Quinn, já que o país está sofrendo invasões nas fronteiras.

O Beijo Traiçoeiro, apesar de se passar num mundo fictício e numa época que não sabemos qual, tem uma pegada de romance de época, com seus trajes vitorianos, costumes do século XIX e população dividida entre nobreza, militares e pessoas comuns de classes mais baixas. Mas, apesar disso, não é apenas um romance, porque mistura ação, conspiração, intriga e espionagem (ainda que seja só para formar bons pares). Tem toda uma trama política por traz de simples casamentos e isso é um dos maiores destaques do livro.

Erin Beaty
Apesar de muitos leitores criticarem Sage, eu gostei da personagem. Não foi a minha preferida da vida, mas ela não me fez passar muita raiva enquanto lia. De certa forma é inteligente, perspicaz e tem um bom coração. Claro, sua língua é maior do que a boca e muitas vezes ela é um tanto mal-agradecida e julga as garotas da comitiva que sonham com algo diferente que ela. 

Quem achei interessante foi Ash Carter, um dos oficiais da escolta, por quem Sage se afeiçoa de cara. Ela, então, percebe que ele é muito mais importante e complexo do que parece à primeira vista e ao mesmo tempo que vai se apaixonando por ele, o leitor também começa a ter uma quedinha pelo moço. Erin Beaty ainda desenvolve bem a personagem da casamenteira, que parece ter um cargo, digamos, fútil, mas fica bem claro que seu papel é político, importante e que de certa forma é quem administra o país sem que ninguém perceba.

Só que O Beijo Traiçoeiro é um livro com sororidade zero. Sage é exaltada por ser a diferente e acredita que quem quer se casar e gosta de roupas e maquiagem não merece sua atenção. E o núcleo masculino do livro parece pensar da mesma maneira. A autora nem mesmo discorre sobre as garotas, apenas tem destaque a que gosta da protagonista e a que a odeia. Faltou bastante irmandade aí.

Se você acha por causa do título e da capa que é um romance cheio de água com açúcar, você está errado. A parte cheia de amor acontece mesmo apenas no terço final, deixando o foco da história em todo o resto, o que nesse caso é muito bom, porque o enredo é interessante. Tem todo um suspense e coisas a descobrir que vão se entrelaçando nas páginas finais.

Um dos pontos negativos do livro é a ambientação. Sim, ela é bem interessante, diferente e gostei de a autora tem criado um novo mundo, com novas regras, mas não ficamos bem inseridos nele. Não há explicações ou contextualização e o leitor precisa ir entendendo à medida que as coisas acontecem, o que às vezes é confuso. Mas isso não atrapalha a leitura assim que você pega o jeito.


Apesar do que critiquei, O Beijo Traiçoeiro é uma ótima leitura, um livro que não conseguimos categorizar. O começo é um pouco mais lento, mas em pouco tempo você engata na história. A Missão Traiçoeira será uma das minhas próximas leituras e aí venho aqui contar para vocês o que achei.

Recomendo.

Teca Machado


3 comentários:

  1. pena esses pontos negativos da historia, ja quero saber oq vc vai achar da continuação tbm

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Oi Teca!
    Consegui adquirir esse livro recentemente, mas ainda não li.
    Acho q vou gostar! Pena q faltou sororidade entre as garotas. E não tinha visto ngm falar mal da protagonista, deu um medinho agora, rs
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Amei sua resenha, uma pena a história não ter sido bem desenvolvida no início, mas que bom que no fim ela se tornou uma leitura que valeu a pena, mesmo com suas falhas!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir