sexta-feira, 1 de março de 2019

Os Números do Amor - Resenha


Não são tantos os livros que tratam de autismo e dos espectros da condição, mas Os Números do Amor, de Helen Hoang, da Editora Seguinte, que recebi como parte do Time de Leitores do Grupo Companhia das Letras, é um deles. A obra foi escolhida como o melhor romance no Goodreads Choice Awards em 2018 e já tem uma continuação prevista para esse ano ainda, mas focando a história de outros personagens que não os protagonistas.

Fotos @casosacasoselivros

Stella Lane é um gênio dos números. É tão apaixonada por matemática, que fez dela a sua carreira, na qual é muito bem-sucedida. Mas outros aspectos da sua vida não são tão bons assim. Como portadora da síndrome de Asperger, um dos espectros do autismo, é altamente funcional, mas tem muita dificuldade em se relacionar com outras pessoas e de participar de interações sociais. Nunca sabe o que dizer ou como se portar. Com sua família pressionando para que arrume um namorado, Stella decide que precisa aprender como manter um relacionamento. Assim, contrata os serviços de Michael Phan, afinal, quem melhor do que um acompanhante de luxo para passar seus conhecimentos para ela?

Sabe aquela leitura que deixa o seu coração quentinho? É assim com Os Números do Amor. Apesar das cenas mais calientes – sim, Michael faz Stella descobrir muitas coisas boas na vida e acompanhamos esse processo – o livro é muito fofo e cheio de amor, porque os protagonistas vão criando uma cumplicidade e descobrem que a necessidade um do outro é mútua.

Helen Hoang
Stella tem suas dificuldades de relacionamento e é autista, mas Michael, descendente de vietnamitas e anglo-saxão (uma mistura bem sexy, por sinal), também tem seus problemas, que Hoang vai nos revelando aos poucos, apesar de que muito é possível que o leitor desconfie com os passar das páginas. E ele não é um simples acompanhante que vai ensiná-la sobre sexo e pronto. Ele é muito mais complexo e completo do que isso. Ambos os personagens são muito bem construídos na narração alternada entre eles feita em terceira pessoa. E o núcleo do Michael é muito interessante porque sua família é ótima de acompanhar, principalmente suas inúmeras irmãs, sobre quem provavelmente é o próximo livro.

Há cenas de sexo, claro, afinal, é isso que Stella deseja aprender e é com isso que Michael trabalha, mas Hoang em hora nenhuma deixou pesado ou exagerou a mão. Esse não é o foco da história, e sim o respeito sem preconceito e o amor que cresce entre Stella e Michael.

Helen Hoang trata o autismo com uma delicadeza profunda. E isso é fruto da sua própria experiência. Já adulta a escritora descobriu ser portadora da mesma síndrome que Stella e relata sua dificuldade ao longo da vida, porque nunca recebeu um diagnóstico. Desse modo, a construção personagem é a de alguém que realmente entende a condição e isso faz toda a diferença.

A leitura é fluida, fofa e com certeza vai de deixar com um sorriso no rosto. Sei que me deixou.


Recomendo.

Teca Machado

5 comentários:

  1. Eu amei essa resenha, já quero ler :D

    https://www.submersaempalavras.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Teca, adorei a resenha!
    Fiquei curiosa pra ler esse livro justamente pq ganhou a premiação do Goodreads.
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca,
    Só vejo elogios a essa obra, quero conferir logo mais!
    Sem contar que é o tipo perfeito para mim, chama minha atenção só pela capa, rs. Não tenho dúvidas que vou me apaixonar.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Teca
    Eu não curto muito livros com esse tema sabe, mas eu não conhecia essa história e agora estou ansiosa para conferir! Adoro esses casais bem improváveis.
    Beijo!

    Capítulo Treze

    ResponderExcluir
  5. Oi Teca,
    Não conhecia o livro, ótima sua resenha!Livros que deixam o coração quentinho como falou eu adoro RSrs
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com/

    ResponderExcluir