quarta-feira, 27 de março de 2019

One Strange Rock – Crítica


A Terra é um lugar muito estranho. Bizarro, na verdade. E extremamente cruel e impiedoso. Ao mesmo tempo nosso planeta é lindo, único, cuidadoso, equilibrado, perfeito e incrível. E esses e muitos outros pensamentos são os que temos enquanto assistimos a One Strange Rock, documentário da National Geographic que entrou no catálogo da Netflix. Impossível não sair maravilhado com essa “estranha rocha” na qual vivemos em meio ao sistema solar.


One Strange Rock é uma série de documentário com 10 episódios de 40 minutos que foram filmados em 45 países. O foco são oito astronautas, que juntos somam mais de mil dias no espaço, falando sobre as percepções do nosso planeta que tiveram enquanto estavam em órbita.  


E se você torce a cara para documentários, dê uma chance para One Strange Rock, que tem vários pontos a seu favor, como:

1- National Geographic

A instituição é conhecida por imagens insanamente lindas, que é o caso dessa série. Então, além de um conteúdo super interessante, é uma explosão visual de cores.

2- Will Smith

O ator (que coincidentemente já atuou em vários filmes sobre a Terra, sobre o fim dela e sobre invasão alienígenas) é o apresentador de One Strange Rock, o que torna o assunto ainda mais palatável e humano.



3- Darren Aronofsky 

O diretor, famoso por filmes como Cisne Negro e Mãe!, também dirige esse documentário. Para quem conhece pelo menos um pouco o trabalho de Aronofsky, consegue enxergar sua identidade. Ele choca, ele nos sacode e brinca com nossos sentidos. A mesmo tempo que nos mostra o macro, mostra o micro – muito micro.

E One Strange Rick não é só sobre a natureza. Mas também culturas, seres humanos e interação entre todos nós e como afetamos o planeta em que vivemos, tudo costurado num roteiro interessante, diferente e que esbanja conhecimentos sem ser nenhum pouco chato.

Astronautas de One Strange Rock


O único problema para mim foi que batem muito na tecla do evolucionismo, enquanto eu acredito no criacionismo. Mas isso é de boa, porque não me incomodou. Eles têm uma crença, eu tenho a minha e todo mundo fica feliz.

O sentimento que fica é o de humildade e deslumbramento. Para estarmos vivos (e continuarmos assim) há muita coisa envolvida, é um equilíbrio muito tênue para que tudo continue funcionando. Realmente, vivemos numa “rocha estranha” e maravilhosa.


Recomendo.

Teca Machado



10 comentários:

  1. Oiii Teca

    Eu sou uma das que assiste muito poucos documentários, só se for um tema que me fascine muito tipo Egito Antigo, senão torço o nariz. Mas... achei One strange rock bem interessante pela sua descrição, vou tentar dar uma chance quando surgir a oportunidade.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, eu torcia o nariz para documentários, mas ando gostando.
      Se você achar alguns interessantes, vai se apaixonar também, tenho certeza.
      E esse é maravilhoso!

      Beijooos

      Excluir
  2. nossa que demais saber desse documentário! as imagens devem mesmo ser incríveis,com certeza quero assistir!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. Eu amo assistir documentários, ainda não conhecia esse, mas já entrou para a minha lista!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kaila, se você já gosta do gênero, vai gostar mais ainda desse.

      Beijooos

      Excluir
  4. Ótima análise/crítica realizada! O documentário é muito bem feito, com belíssimas imagens do nosso planeta. Super recomendo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      É incrível, né?
      A gente se sente humilde e pequeno no universo vendo isso.

      Beijoooos

      Excluir
  5. Respostas
    1. Fico feliz que esteja gostando.
      Esplêndido é uma palavra boa para descrever.

      Beijooos

      Excluir