quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

The Good Place – Episódio final


Quem me conhece sabe: Eu sou simplesmente apaixonada por The Good Place (Falei sobre a série aqui). E depois de 4 temporadas ela chegou ao fim algumas semanas atrás. Como eu estava com dó de terminar e me despedir, enrolei para assistir ao último capítulo. Mas não teve jeito. Finalizei na semana passada e posso dizer que estou deitada na BR atropelada por inúmeras emoções.


The Good Place é criação de Michael Schur, também conhecido por Brooklyn 99, Parks and Recreation e The Office. A série é uma comédia que explora a vida após a morte de maneira leve, mas se mostrou produção que debate ética, filosofia, bondade, luto e uma infinidade de outros assuntos sérios, sempre tratados com bom-humor, referências ao mundo pop, uma pitada de nonsense e bastante acidez. Foi ousada, original, cheia de reviravoltas e ao mesmo tempo que parte seu coração também o deixa quentinho.

A primeira temporada foi excelente, a segunda muito boa, a terceira foi boa, mas inferior se comparada às anteriores e a quarta ótima, fechando com chave de ouro. Mesmo com poucos episódios – 13 por temporada – e curtos – cerca de 20 minutos – o enredo final foi criativo, interessante e muito coerente com tudo o que aconteceu e com o que a série representa, principalmente nos últimos quatro episódios, com destaque para o final.


Nossos personagens principais tiveram fins felizes, mas agridoces, como Kristen Bell já tinha dito antes da série chegar ao fim. Spoiler adiante, então, cuidado!

Depois de salvar a humanidade do sofrimento eterno e da aniquilação, o quarteto Eleanor (Kristen Bell), Chidi (William Jackson Harper), Tahani (Jameela Jamil) e Jason (Manny Jacinto), juntamente com Michael (Ted Danson) e Janet (D’Arcy Carden) finalmente vai para o Lugar Bom. E passam centenas de milhares de anos em plena felicidade. Mas quando se sentem completos, sem nada mais a realizar, passam pelo portal que devolve a essência da pessoa ao universo de forma pacífica e calma. 


O mais interessante é que o primeiro a tomar a decisão foi o maluco Jason, que se certa forma se tornou um monge, seguido pelo indeciso Chidi, dessa vez muito certo das suas convicções. Eleanor teve um arco muito interessante porque antes de passar pelo portal ajuda outras pessoas – algo que vai contra tudo o que ela era na Terra e mesmo durante um tempo no pós-vida. A série mostra que existe redenção e que mesmo o mais egoísta pode se transformar. Janet por não ser humana, continua seu trabalho no Lugar Bom, ao passo de Tahani decide se transformar em Arquiteta e ajudar outras pessoas. Mas o melhor final foi o de Michael. O Arquiteto/demônio sempre teve uma fascinação pela humanidade, mas nunca pôde experimentar viver. Até os últimos momentos, em que ele é transformado em humano e enviado à Terra (e nesse momento lágrimas de emoção e felicidade rolam pelo nosso rosto). 



No fim das contas, o mote de The Good Place sempre foi a bondade e como ela muda o mundo. E isso ficou subentendido nos minutos finais. Após Eleanor, extremamente em paz, ser desintegrada, uma de suas partículas que foi devolvida ao universo toca um rapaz que ao jogar fora uma carta endereçada a outra pessoa, mas tinha sido colocada em sua caixa de correio, decide mudar de ideia e entregar para ao destinatário certo, que é Michael. Animadíssimo, o recém-humano que agradece efusivamente a boa ação. Isso mostra que a partícula de bondade tem efeitos eternos e faz do mundo um lugar melhor.


E apesar do meu coração ter se partido, ao mesmo tempo foi acalentado com um final tão sereno, terno, delicado e coerente com todas as quatro temporadas. Quase impossível não chorar ou pelo menos não ficar com um nó gigante na garganta.

E, sim, como eles sempre disseram: “everything is fine”.


Se você não assistiu ainda The Good Place, faça um favor a si mesmo e vá correndo maratonar a quatro temporadas na Netflix.

Recomendo demais.

Teca Machado


6 comentários:

  1. Eu tô muito na vibe de ver séries novas, principalmente, com histórias diferentes da que eu sempre vejo. Amei conhecer essa, vou querer ver! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kaila, essa é maravilhosa do começo ao fim!
      Vale a pena, viu?

      Beijooos

      Excluir
  2. Não acompanho séries da Netflix, mas todo mundo fala bem dessa The Good Place.
    Pode fazer uma gentileza, respondendo a minha PESQUISA DE PÚBLICO do blog?
    Obrigada!

    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca,
    Infelizmente, eu não gosto muito de séries de comédia, então nem tentei dar uma chance a essa. Porém, vejo tantos elogios que até fico curiosa para saber o que iria achar...
    Ainda mais agora que tem final, dá para maratonar sem receio de ser cancelada no meio, rs.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ale!
      Ela é uma comédia diferente, é um tipo de humor estranho, mas que funciona.
      Tenta assistir. É bem boa!

      Beijooos

      Excluir