O Inocente – Netflix - Crítica


O escritor Harlan Coben é um dos nomes que mais já apareceram aqui no blog. Publicado no Brasil pela Editora Arqueiro, já perdi as contas da quantidade de livros dele que já li, tanto os da série Myron Bolitar – que amo – quanto as histórias únicas. E já li tantos, mas tantos, que as tramas começaram a se confundir na minha cabeça e misturo os enredos todos. Tanto que quando vi que a Netflix lançou a minissérie espanhola O Inocente, baseada num livro dele, não consegui lembrar de jeito nenhum qual era a história (apesar de que a capa do livro estava bem nítida na minha mente). Vi minhas anotações e realmente já tinha lido, em fevereiro de 2016, e até tem resenha no blog (aqui)



Mas por causa da memória fraca consegui assistir a série sem nem ter ideia do desfecho, o que foi bom, porque foi como se não conhecesse a narrativa.


E pode ler a crítica tranquilo que não trago spoilers da trama!


O Inocente


Dirigida por Oriol Paulo, o mesmo do excelente Um Contratempo (crítica aqui), a série espanhola acompanha Mateo Vidal (Mario Casas), um homem que na juventude sem querer matou um rapaz numa festa e foi preso por quatro anos. Depois que saiu da prisão refez sua vida. Virou advogado, casou-se com Olívia (Aura Garrido), espera um filho e imagina que todo o drama ficou para trás. Mas após a mulher viajar a trabalho e lhe enviar fotos e vídeos com outro e uma freira num internado suicidar, o passado volta para assombrá-lo, numa trama extremamente complexa que envolve tanto Olívia quanto Mat. A investigadora do caso é Lorena Ortiz (Alexandre Jiménez), uma policial com um passado conturbado e que tem um instinto certeiro.




Trama e personagens


Achamos que Mat sendo o protagonista o foco da minissérie é apenas nele, mas Olívia é uma personagem com um passado tão interessante quanto ele, na verdade até mais. Em alguns episódios até mesmo esquecemos do homem por alguns momentos, tão mergulhados ficamos nas outras tramas, de Olívia, da investigadora Ortiz, da freira que se suicidou e de outros personagens.


Todos são interessantes, bem construídos e com um motivo para estarem onde estão, ninguém é desperdiçado em cena e no roteiro. Além disso, nenhum personagem é raso, quando falamos dos principais. Todos têm camadas e mais camadas, que cada episódio vai retirando e mostrando uma nova faceta, geralmente surpreendente.




E a maneira da edição fazer isso é com narração no início dos episódios contando sobre a vida daquele personagem, um recurso mais interessante do que colocar flashbacks no meio do enredo já andando. Dessa forma, a série introduz a pessoa na trama com o espectador já entendendo bem o contexto.


Complexidade


A trama de O Inocente é complexa. Bastante. Do tipo que se você não prestar muita atenção pode se perder. Algumas vezes eu mesma fiquei “peraí, como essa pessoa está ligada a isso mesmo?”. Mas o roteiro – assim como os livros de Coben - faz isso de maneira certeira, coerente e que não nos deixa confusos, só um pouco “tontos” (mas essa a é intenção numa história de suspense com vários suspeitos, perseguições e mistérios). São muitas, mas muitas, pontas que vão aparecendo, mas, felizmente, todas foram amarradas no último episódio, assim temos todas as respostas que precisamos.



Outro ponto que vale destacar é como a minissérie é pesada no sentido visual quando falamos de violência, morte e sexo. Não é à toa que a censura é 18 anos. A produção mostra bastante conteúdo sexual, muito sangue e não se inibe ao destacar cenas como rostos desfigurados após quedas do alto, corpos abertos e ensanguentados em autópsias e brigas, suicídio, genitais e mais. Então, se você for mais sensível em relação a imagens do tipo tem que tomar mais cuidado.


Com boas atuações, história interessantíssima e um enredo que você pode até adivinhar um ou outro ponto, mas não todos, O Inocente é uma excelente minissérie. São 8 episódios com uma média de 1h cada.



Recomendo bastante.


Teca Machado 

2 comentários:

  1. Oi, Teca. Tudo bem? Parece ser ótima esta série. Por ser apenas 8 episódios irei conferir. Prefiro seriados curtos, uma vez qye, não tenho paciência com seriados longos demais. Obrigado pela dica. Abraco!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adicionei a série hoje no meu TVST. Espero que eu entenda quando for assistir.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.