sábado, 5 de dezembro de 2015

O Bangalô – Guerra, amor e Bora Bora


Apesar de ser um nome conhecido, ainda não tinha lido nada da Sarah Jio. Ainda bem que a Editora Novo Conceito, parceira do blog, me enviou um dos seus lançamentos, O Bangalô, escrito pela autora. Agora pude entender porque o mundo inteiro é apaixonado pelos livros dela. Uma mistura agridoce de guerra, amor, assassinato, esperança, inveja e mudanças.

Livro cedido pela Editora Novo Conceito
Marca página lindo enviado junto ao livro

Sendo bem sincera, achei que O Bangalô seria um livro no melhor estilo Nicholas Sparks (Doce, muito doce, e sempre com uma tragédia). Mas fui surpreendida por uma história mais profunda, onde o amor é sim, importante, mas divide a cena com muitos outros aspectos da vida dos personagens, como amizade, tempos de guerra, senso de justiça e erros do passado.

Em O Bangalô conhecemos Anne Calloway. Ela era uma jovem enfermeira em Seattle. Noiva de um homem muito rico, parte de uma família proeminente e popular, tinha o mundo em suas mãos. Mas algo não estava certo, ela não tinha paixão nem pela vida, nem pelo noivo. Quando sua melhor amiga Kitty decide ir para o Pacífico Sul, em Bora Bora, para se alistar como enfermeira do exército no meio da II Guerra Mundial, Anne posterga todos seus planos e a segue, mesmo sem saber o que esperar na ilha. 

Sarah Jio
O que Anne não assume nem para si mesma é que a partida não foi apenas para não deixar a amiga sozinha, foi para fugir da própria vida e buscar uma última chance de não se casar e virar sua mãe: Socialite, organizadora de jantares beneficente e dona de casa. E em Bora Bora, naquele cenário romântico e paradisíaco mesmo em tempos de guerra, a garota conhece Westry, um jovem oficial, e juntos eles descobrem um bangalô abandonado, um refúgio de tudo de ruim que acontece ao seu redor. Mas quando um assassinato acontece próximo a eles, a paz que haviam encontrado pode escorrer por seus dedos.

O livro é todo contato em primeira pessoa por Anne e é dividido em dois tempos. O início é quando Anne já idosa recebe uma carta que mexe com suas lembranças do tempo de guerra e daí em diante é a narrativa sobre o seu período como enfermeira no Pacífico Sul nos anos 1940. Por meio de seus olhos conhecemos as belezas da ilha, as particularidades do bangalô, a sua amizade com Kitty (Aquela vaca!) e as outras enfermeiras, os horrores da guerra e do assassinato, assim como seu amor delicado e profundo por Westry.

Anne é uma boa personagem. Indecisa, atormentada por uma vida sem emoção e corretinha, ela sente que precisa fazer algo para fugir da sua zona de conforto. Alguns momentos me deixaram querendo sacudi-la, mas isso é normal. Westry é um doce e eu preciso conhecer esse cara na vida real. Impossível não se apaixonar. E, gente, pensa comigo: É um homem de uniforme #PerigueteLiterária. Já Kitty me irritou profundamente todas as vezes que apareceu em cena, desde o primeiro momento. Como disse ali em cima, ela é uma vaca egoísta que não merece a amizade de Anne. Já uma fofura é a neta de Anne, que está presente nos tempos atuais.

Bora Bora, cenário do livro

O Bangalô é uma leitura para se emocionar, se apaixonar, rir, ter um nó na garganta e torcer de todo coração por um final feliz. É o tipo de livro que desperta sentimentos e do qual você não saíra indiferente.

Recomento.

Teca Machado

10 comentários:

  1. genteee eu quero ler! e com um cenário desse, quero ainda mais!!!
    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, é um livro maravilhoso num cenário maravilhoso.
      Como não adorar?

      Beijoooos

      Excluir
  2. Oláá,
    Nossa acredita que essa é a segunda resenha que leio nesse livro?Pois é, a primeira li agora a pouco no blog Prefácio e agora a sua e só confirmou que eu precisso ler esse livro, realmente parece ter uma narrativa divertida e extrovertida, definitavemente foi para a WishList! <3
    Bjoos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eloísa!
      :D
      Aaaah, que boooom!
      Leia, você vai adorar. É uma delicadeza!

      Beijooos

      Excluir
    2. Oi, Eloísa!
      :D
      Aaaah, que boooom!
      Leia, você vai adorar. É uma delicadeza!

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi, Teca!!

    Conheci Bora Bora quando a Ellen e a Portia se casaram e foram passar a lua de mel lá. Morri de inveja! Hahahahaha
    O lugar é realmente lindo.

    E quando li a sinopse desse livro também tive a mesma impressão que você sobre um amor doce e uma tragédia que parece ser a regra de todos os livros de Nicholas Sparks. Mas fico muito feliz de saber que é diferente e tão interessante.

    Fiquei muuuuito curiosa, mas depois da Black Friday e da Comic Con, devo ficar longe de compras por um bom tempo! Hahahaha

    Bjs

    livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carooool
      É para invejar qualquer pessoa que coloque os pés em Bora Bora, haha.
      Quando puder voltar às compras livrísticas, não deixa de comprar essa lindeza, tá?
      :)

      Beijooos

      Excluir
  4. Mulher, quero esse marcador para ontem! Me dááááá? Kkkkkk
    Linda a capa do livro e a história parece bem fofa e romântica.
    Como eu quero ir para Bora Bora na lua-de-mel quando eu casar (Sonho meeeeeeeu), fiquei com ainda mais vontade de ler.
    Quero!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meg's, sinto muito, esse marcador agora é xodó, hahaha.
      Eu quero ir para Bora Bora em qualquer ocasião. :P
      Leiaaaaa, você vai adorar.

      Beijooos

      Excluir
  5. O livro parece ótimo!
    Com certeza vou querer ler ainda ^^
    Adorei a resenha!
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir