terça-feira, 12 de julho de 2016

Uma boa surpresa: Homem-Formiga


Confesso. Eu critiquei o filme Homem-Formiga, do diretor Peyton Reed, quando vi o trailer. Assim como muita gente, falei que seria meio ridículo um super-herói do tamanho de uma formiga. O que ele poderia fazer de relevante naquele tamaninho? E mesmo que muita gente tenha me dito que foi ao cinema e gostou, continue com o pé atrás. Até que assisti Capitão América: Guerra Civil e finalmente conheci Scott Lang (Paul Rudd), o famoso Homem-Formiga. Foi aí que decidi dar uma chance. Mas só vi o filme nesse fim de semana e posso dizer: Não devo nunca duvidar da Marvel mesmo em seus personagens e universos mais obscuros.


Assim como Guardiões da Galáxia, que é uma das sagas menos conhecidas das HQs, Homem-Formiga é um dos filmes mais diferentes do estúdio. A começar pelo protagonista Scott Lang, que é um ladrão. Ex-presidiário, Lang acabou de sair da prisão e quer se redimir com um emprego respeitável para conquistar outra vez o direito de ver sua filha. Mas quando o crime o chama numa oportunidade imperdível, ele se entrega a um roubo que tem como objetivo pegar um traje esquisito. Quando o veste pela primeira vez, encolhe e escuta uma voz dizendo que precisa conversar com ele. A voz é do Dr. Hank Pym (Michael Douglas), o Homem-Formiga original, antes tido apenas como uma lenda.

Lang descobre que Pym precisa que ele se torne o novo Homem-Formiga, um herói que ao se encolher ao tamanho desse animal mantém a força e a velocidade de quando era grande e que pode se comunicar com todas as espécies de formigas. O que Pym deseja é roubar do seu ex-aluno Cross (Corey Stoll) um traje semelhante ao do Homem-Formiga que se utilizado de maneira incorreta pode desencadear guerras e acabar com o mundo. Com a ajuda de Hope (Evangeline Lily), filha de Pym, e do próprio Hank, Lang tem poucos dias para dominar a arte de diminuir e crescer, seus novos poderes e linguagem das formigas para uma missão basicamente suicida.



Um dos pontos mais interessantes dessa produção da Marvel é que além de ser um filme de herói, marca do estúdio, é também um filme de assalto, daqueles que elaboram roubos impossíveis. Fora que pela primeira vez temos um herói que “passa o bastão” para o próximo, já que Hank Pym foi o primeiro Homem-Formiga e sabe que não pode mais trabalhar com isso.

ligação com os outros filmes da Marvel, mas de forma sutil. Nada é introduzido de forma forçada para lembrar que essa produção é da mesma franquia. Pelo contrário, é muito natural. No meio de uma conversa Lang diz “Por que você não chama os Vingadores?”, no prólogo há uma sequência de 1989 que Pym briga com Howard Stark (John Slaterry) e Peggy Carter (Hayley Atwell), além da ótima participação de Sam Wilson (Anthony Mackie), o Falcão, numa das melhores cenas de luta que forma o elo para que o Homem-Formiga apareça em Guerra Civil.




Não há aquele sentimento de megalomania que há em outros filmes do estúdio, como os dos Vingadores. Homem-Formiga é mais simples, menos complexo tanto em enredo quanto em visual e, surpreendentemente, é o mais “crível” de todos. Mas isso não tira o seu brilho, pelo contrário, nos apresenta uma produção mais leve, mas ainda assim cativante, interessante e cheia de ação. As cenas de luta em que Lang encolhe e estica, dá socos aparentemente invisíveis e corre entre objetos do dia a dia que ficam gigantes são ótimas e em hora nenhuma o espectador ficar perdido no meio de muita informação visual.

Paul Rudd foi uma escolha muito acertada para viver o personagem. Tem o carisma, o bom humor e o otimismo certo, sempre com ótimas tiradas engraçadas. Michael Douglas também, o oposto de Lang, sempre todo sério e mais sisudo. Já Evangeline Lily me incomodou um pouco. Pareceu forçada, principalmente no começo do filme, com aquele seu cabelo que parecia peruca. Mas com o passar da trama fui aceitando mais a atriz.




Homem-Formiga me surpreendeu e foi, no fim das contas, um ótimo filme. Fiquei ansiosa pela sua continuação e sua aparição em outras produções da Marvel.

Recomendo.

Teca Machado

3 comentários :

  1. Oi, Teca!!

    Eu também não curto muito o herói Homem Formiga, mas achei ótimo o filme! A Marvel e a Disney arrebentam nessa categoria.
    Acho que o mais legal é como conseguem conectar todas as histórias diferentes de alguma forma.

    Acho que não te contei ainda, mas esse doutor aí que foi o primeiro Homem Formiga na verdade fica do lado do Homem de Ferro na Guerra Civil enquanto um de seus pupilos fica do lado do Capitão América. Isso nas HQs, é claro. Mas acho que seria difícil explicar de qualquer forma... Hahahaha

    Mas também estou desejando pela continuação!! :D

    Bjs

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, isso foi o mais bacana.
      Conectaram tudo de algum modo.
      Ah, isso você não tinha me contado mesmo.
      Que legal!

      Beijooos

      Excluir
  2. Dica anotada.
    Pela resenha parece bem legal.
    E realmente, dá pra ficar com um pé atrás tentando imaginar o quê de tão bom um herói do tamanho de uma formiga pode fazer... rs
    Veremos...
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir