terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Pantera Negra: Crítica


Ao longo de 10 anos e 18 filmes a Marvel veio se reinventando, ainda que muitas vezes usando a mesma fórmula – origem do herói, piadinhas e a junção de vários deles mesmo em filmes solo. Podemos ver algumas produções um pouco mais diferentes, como Guardiões da Galáxia, que apesar do bom humor em muito se distancia do universo do estúdio, Capitão América – Guerra Civil, que é mais denso e coloca herói contra herói, e, agora, o mais politizado e sério Pantera Negra.


Para começar a falar como Pantera Negra é um passo a frente de tudo já feito, ele é o primeiro filme de proporções hollywoodianas (foram U$ 200 milhões investidos na produção e já quase meio bilhão arrecadado em duas semanas) com elenco majoritariamente negro, além de um diretor negro, Ryan Coogler, que também esteve a frente de Creed. Além disso, o protagonista T’Challa, o Pantera Negra (Chadwick Boseman), tem uma história diferente do que é contado normalmente: o negro pobre do gueto que se tornou herói e deu a volta por cima. Não. T’Challa é o príncipe, agora rei, de Wakanda, a nação africana mais desenvolvida, tecnológica e avançada do mundo.

O enredo começa logo após Capitão América – Guerra Civil, quando o rei T’Chaka (John Kani) morre durante um ataque na ONU e cabe a T’Challa assumir o lugar do pai, tanto como líder soberano quanto como Pantera Negra. Wakanda é um país riquíssimo do material mais poderoso da Terra e escondido do resto do mundo. T’Challa precisa aprender a ser rei enquanto Killmonger (Michael B. Jordan) aparece com discurso de ódio e vontade de tomar o trono e tornar Wakanda o país que rege todas as nações do mundo, já que é militar e tecnologicamente mais avançado.




O discurso de Killmonger como vilão é altamente válido e político. Ele deseja que negros em todos os lugares tenham a chance e a vida que eles têm em Wakanda, que todos os países sejam beneficiados pelo avanço que possuem. É um argumento muito real, porém feito de forma extremista e recorrendo a violência. Killmonger deseja que Wakanda seja colonizadora, fazendo com que todo o mundo se curve a seus pés. Então T’Challa vive a encruzilhada: Deve seu país continuar escondido, porém seguro e solitário, ou se firmar como uma potência e ajudar a melhorar o mundo?

Pantera Negra tem um visual lindíssimo. Construíram uma Wakanda bonita, avançada tecnologicamente, mas ainda fiel às suas raízes africanas. Não tentaram americanizar uma região que é obviamente o mais longe possível disso. Nem os Estados Unidos nem a Europa são o foco do filme e isso é muito bom de se ver. O vestuário, o cenário, as tradições, as cores, tudo remonta tribos que existem e foram representadas de forma real e nenhum pouco caricaturada.




Outro ponto forte de Pantera Negra é o elenco, muito coeso e afiado. Chadwick Boseman soube personificar o herói altruísta, mas ainda é o homem cheio de defeitos, inseguranças que vive debaixo do traje. Michael B. Jordan é uma boa surpresa. De lutador profissional de boxe em Creed a Tocha Humana no Quarteto Fantástico, o ator cresceu muito e nos apresenta um vilão com o qual é quase possível se identificar. O elenco feminino, porém, merece destaque. Há Nakia (Lupita Nyong’o), ex-namorada de T’Challa e altamente envolvida em questões políticas e de assistência social, Shuri (Letitia Wright), irmã do rei e a encarregada do laboratório de Wakanda, uma espécie de Q de 007, e as Dora Milaje, guarda real composta apenas por guerreiras mulheres poderosas e lideradas pela general Okoye (Danai Gurira). Eu ouvi girl power? Ouvi, sim senhor! Então, além da representatividade negra no cinema, Pantera Negra é cheinho de representatividade feminina, que mostra que as mulheres podem ser muito mais do que apenas interesses amorosos e familiares dos protagonistas homens.



Esqueça Thor Ragnarok e seus piadas constantes (não que eu não goste, eu adoro!). Pantera Negra é sério, é político, é mais denso e profundo. Claro que há o alívio cômico em certos momentos, muitos deles protagonizados por Martin Freeman, o agente da CIA que vai parar em Wakanda.

Pantera Negra é um filme de ação que vai marcar gerações, além de ser um ótimo entretenimento e ligação com outras produções do Universo Marvel, principalmente pelo que pudemos ver nas cenas pós-créditos.

Agora é esperar abril ansiosamente quando poderemos assistir Os Vingadores: Guerra Infinita.

Recomendo muito.

Teca Machado


20 comentários:

  1. Oi, Teca. Tudo bem?
    Caramba! Foi gasto 200 milhões de DÓLARES? UAU
    Incrível que já se arrecadou muito mais, como você disse.

    É um dos filmes mais aguardados do ano, por isso tanto alarde assim.
    Confesso que estou bem curiosa para assistir, preciso ir ao cinema logo.
    Adorei seus comentários a respeito, sem dúvidas o enredo é de fazer inveja.

    Tenha uma excelente semana.

    Beijos,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Naty!
      É muito dinheiro num filme, né?
      Mas só de pensar que arrecadam muito mais!

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi, Teca!
    Só de ver sua resenha me dá vontade de assistir esse filme de novo. Gente, ele é muito lindo socorro!!!!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da Folia Literária 2018: cinco kits, cinco sortudos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luuuuuuuu
      Muito bom, né?
      Minha nossa!

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi, Teca.
    Esse filme realmente é bem diferente do que normalmente vemos nos filmes de heróis.
    Além da questão racial e das mulheres, que diferencia tudo que já foi feito em filmes desse nível, há ainda um tom político bem forte.
    Sem dúvida, veio pra fazer história e mostrar que pode haver sucesso fora dos padrões ditados em Hollywood.
    Bela resenha.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito diferente!
      Não é a toa que quebrou recordes de bilheteria.

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi, Teca
    Eu já fico arrepiada quando falam desse filme porque parece ser tão bom e traz tantas questões interessantes e que ainda precisam ser debatidas no roteiro que chega dá vontade de bater em palma em pé haha Eu ainda não assisti mas todo mundo gosta do filme então imagino que comigo não será diferente.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mika, não nego que deu vontade mesmo!
      Espero que tenha gostado.

      Beijoos

      Excluir
  5. Oi Teca!! Concordo com vc o elenco tá demais, o figurino tb. Eu adorei Pantera Negra e acho que foi um dos melhores filmes de introdução da Marvel!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado que a todo filme da Marvel nós falamos isso "é um dos melhores", hahaha.
      Muito bom!

      Beijooos

      Excluir
  6. Eu fui assistir ontem o filme.. achei incrível a fotografia do filme, todo enredo sabe? Elenco espetacular e o ator principal sem palavras. Algumas partes achei meio parado.. Mas as partes de ação foram SENSACIONAIS! Achei que a direção arrebentou demais!

    breximenes.blogspot.com.br
    E segue no instagram, sempre atualizo lá. Dicas de Séries, moda e entretenimento @breximenes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, gente, é tudo maravilhosão, né?
      Amei demais!

      Beijooos

      Excluir
  7. great movie dear i watch it,its realy amazing,thanks for sharing..

    https://clicknorder.pk online shopping in pakistan

    ResponderExcluir
  8. eu nao sou mt fa de filmes de super herois mas acho que esse com um heroi negro africano aborda algumas questoes politicas mt interessantes, to curiosa pra assistir

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lívia, tem toda uma questão muito maior do que um simples filme de herói.
      É muito bom!

      Beijooos

      Excluir