quarta-feira, 29 de maio de 2019

Aladdin - Crítica


Não me lembro a primeira vez que assisti ao Aladdin original, de 1992. Eu tinha apenas 4 anos quando foi lançado, mas devo ter assistido logo depois. Mas sei que foi um dos filmes que me acompanharam na infância. Sempre amei a história, a ambientação e o fato de o mocinho ser tudo, menos certinho (fora que a princesa era bem maravilhosa, né?). Então é lógico que fiquei extremamente ansiosa para assistir o live-action da animação que está nos cinemas desde o final da última semana.


Dirigido pelo Guy Richie, posso dizer que o filme da Disney é uma bela releitura. Não deixa de ser uma homenagem ao original, porque grande parte dos elementos da animação estão presentes e foram respeitados, ao mesmo tempo que tem personalidade própria ao colocar um elenco carismático e cenas e músicas a mais. E por falar na trilha sonora, é excelente e já está tocando há dois dias incansavelmente no meu Spotify.

A alma de Aladdin está principalmente no trio principal. Will Smith é o Gênio. Segundo entrevistas, ele disse se sentir apavorado ao interpretar o personagem que Robin Williams transformou num ícone. Ele realmente tinha um desafio pela frente: não perder a essência e o charme do original sem parecer uma cópia, ao mesmo tempo que precisava dar sua personalidade. E ele fez isso com maestria – e até mesmo hip hop. Seu Gênio é tão bom e fofo quanto o original, com um arco dramático até mais amplo, e mais moderno.




O papel que dá nome ao filme ficou com Mena Massoud, um egípcio criado no Canadá. Quando vi os trailers e divulgação do filme não fiquei convencida que ele era a personificação de Aladdin, mas com poucos minutos no cinema já fiquei encantada. Ele tem o charme sedutor do ladrão de bom coração, do diamante bruto que se apaixona pela princesa. Até o sorrisinho torto está ali. E há ainda Naomi Scott na pele de Jasmine, que ao contrário da original está mais preocupada com a política do que com poder escolher com quem vai se casar. A atriz foi uma boa escolha para viver a princesa e tem força em tela todas as vezes que aparece, além de dar um toque de girl power para o papel.

Nos personagens secundários não podemos deixar de lado Nasim Pedrad, como Dalia, a criada de Jasmine, cuja aparição é sempre uma delícia. Tem alguns dos momentos mais engraçados do filme, assim como Billy Magnussen, como o príncipe Anders, que aparece pouco, mas é excelente. Só achei que o Jafar vivido por Marwan Kenzari deixou a desejar. Ele não pareceu tão maligno, magro e sinistro quanto o do desenho.




Apesar de passar na Arábia e ter se preocupado em colocar atores com etnia regional, Aladdin me lembrou bastante os filmes de Bollywood em questão de cores e músicas. A produção é uma explosão visual, principalmente nas cenas de dança e na produção de modo geral. Figurinos lindíssimos (a Jasmine está muito maravilhosa) e cenários de encher os olhos são padrão nessas 2h de filme. Não vou ficar surpresa se no ano que vem concorrer ao Oscar nessas categorias, como é de praxe nos live-actions da Disney.

Algumas adaptações foram feitas, principalmente para deixar o filme mais politicamente correto, já que na época do lançamento não havia tanto essa preocupação. Por exemplo, na música original de Noites da Arábia, um trecho dizia "vão cortar sua orelha pra mostrar pra você como é bárbaro o nosso lar" e agora virou “É uma imensidão, um calor e exaustão, como é bárbaro o nosso lar”. Além disso, os protagonistas estão muito mais vestidos. Aladdin não é mais descamisado, assim como Jasmine não usa top. Também houve uma preocupação para que a princesa fosse mais empoderada com aspirações políticas e sem a necessidade de ser salva a todo o momento.



Há muitos efeitos especiais e o Gênio é, sim, azul, em boa parte do tempo. O CGI não é o mais perfeito do mundo, mas não chega a incomodar o público, a não ser aqueles mais observadores.

Enfim, Aladdin de 2019 tem coração, tem alma e tem a inocência marota do desenho de 1992. É um espetáculo musical e colorido – a não esperava menos do que isso da Disney! – e vai agradar crianças e adultos que cresceram assistindo essa história.



Recomendo muito.

Teca Machado

8 comentários:

  1. Oi, Teca!
    Eu não gosto do original, é tipo aqueles filmes da Disney que eu não dou tanta moral como Dumbo ou Pinóquio, mas quero ver muito a adaptação, vi uma resenha que disseram que o filme conseguiu ser mais "infantil" que o desenho KKKK Tomara que eu goste!
    Beijo

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Teca!! Tudo bem? Eu quero muito ver Aladdin e fiquei feliz que houve uma adaptação ao politicamente correto! Adorei a resenha

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca!
    Aladdin tbm fez parte da minha infância! 😍 Fiquei bem animada qnd começaram a divulgar o live action! Ainda n consegui assistir pq tô sem como ir ao cinema, mas queria muito!
    O Will Smith deve estar ótimo. Nem me fala da trilha sonora ❤ Que bom q trouxeram uma roupagem nova e até aprofundamento na trama! Já é a segunda crítica q leio falando q o Jafar deixou a desejar...
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. fui assistir o filme ontem e to APAIXONADA! tem até falas iguais do desenho, e claro as adaptações que foram feitas foram bem vindas... o trio é ótimo e Will Smith ARRASA como genio! to aqui ainda cantando todas as musicas!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  5. Oiii Teca

    Que delicia de filme, eu desde o trailer já tinha "visto" o Alladin no ator principal, ele tem uma aura de inocência e de charme que combinam com o personagem, tb gostei da escolha da Jasmine, só tinha receio do gênio com Will Smith mesmo pra falar a verdade.... Até gosto dele como ator, mas não tinha me convencido completamente neste papel.
    Eu gosto desse estilo Bollywood do filme, é bem legal. E Alladin é uma história que levo no coração tb, adoro desde criança e é muito bom ver essa nova versão, provando que é um clássico que ninguém esquece tão cedo.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Só pelos gifs e fotos que postou, já dá pra ter uma dimensão do quão mágico, colorido e lindo é esse filme, né?

    Sobre a escolha dos personagens, achei muito legal terem escolhido atores com a mesma etnia dos personagens reais, e de se passar na Arábia, porque acho que deixa tudo mais real, e fora que o Alladin é exatamente como eu imagino que seria, haha.

    Bjao

    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  7. Deve ser bem legal esse filme.
    big beijos,
    Lulu
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Teca, tudo bem?
    Fiquei surpresa que tenham deixado o filme tão "fantasioso" quando a animação (como no gif da mão do Gênio ali). Parece bem fiel nesse sentido, mas imagino que acabe impactando mais as cenas de CGI (no sentido de ficar claro que é efeito especial).
    Ainda assim, quero assistir! Espero que essas animações "exageradas" não me incomodem.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir