segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Fome de Poder – A história por trás do McDonald’s


Já viu o vídeo da semana? Já se inscreveu no canal do blog? Falei sobre o incrível, maravilhoso, tudo de bom e lindo 365 Dias Extraordinários aqui.

A semana acabou de começar e eu já estou aqui cheia de ódio no coração!

Calma, não é nada muito dramático, mas é que na sexta-feira eu assisti Fome de Poder, do diretor John Lee Hancock, que conta a história da criação do McDonald’s e o que o levou a ser a potência que é hoje. E todo ódio que eu estou sentindo é do “fundador” Ray Kroc (Michael Keaton), um babaca de marca maior (tanto que a cada cinco minutos de filme eu soltava um audível “babaca”, de tanta revolta que fiquei).


Você já parou para pensar o que está por trás dos onipresentes arcos dourados da empresa que vemos em todo o mundo? A história é muito mais tensa do que podemos imaginar.

Nos anos 1950, Ray Kroc é um vendedor que já está na meia idade e ainda não conseguiu sua grande chance. Tem uma vida confortável, mas é só isso. Não é rico, não brilhou, não se destacou. Até que consegue vender um dos seus produtos para os irmãos Mac e Dick McDonald (John Carroll Lynch e Nick Offerman), que possuem um restaurante no interior da Califórnia chamado McDonald’s e inventaram um sistema de produção rápida de hambúrguer a um custo pequeno. Ray percebe que isso é revolucionário e talvez seja a sua grande chance. Se torna sócio dos irmãos e transforma o pequeno empreendimento em algo que atingiu o país inteiro – e posteriormente o mundo.



O grande problema é que Ray é um babaca, como disse lá em cima. É a raposa que entrou no galinheiro, é o cara sem escrúpulos que faz tudo pelo poder, até mesmo tomar para si o que era de outras pessoas. Não podemos negar que ele era um empreendedor que enxergou além do seu tempo – ainda que sempre tenha contado com a ajuda de outras pessoas, mas a que custo? Tanto nos negócios quanto na vida pessoal ele foi um homem dúbio.

E além do problema com o personagem em si, eu tenho problema com o Michael Keaton. Tá, eu sei, ele é um ótimo ator, mas não consigo gostar muito dele. Aquela cara sarcástica, aquele sorriso que passa de gentil a malvado num piscar de olhos. Eu sei que é implicância pura e simples, mas não posso fazer nada, não gosto dele.



Fome de Poder tem uma história muito interessante e um enredo que te prende. O McDonald’s é algo que todo mundo conhece, todo mundo já frequentou, mas pouca gente sabia da história por trás dele. O roteiro tem alguns pequenos furos e não se aprofunda em alguns aspectos da vida de Ray, como em seu casamento, mas é muito bom. E o ritmo do filme é certeiro. É uma biografia (do McDonald’s ou de Kroc?), mas tudo acontece com a velocidade certa, nem rápido demais e nem lento demais.

O título do filme em inglês, The Founder (O Fundador), tem muito mais sentido, ainda que o brasileiro tenha ficado bom. Já vimos traduções piores, não é mesmo?


Apesar de eu estar cheia de ódio no coração (não é pelo filme, é pelo protagonista), Fome de Poder vale bastante a pena ser assistido. Agora eu fico me perguntando: Qual será a história por trás do Burger King?

Recomendo.

Teca Machado

5 comentários:

  1. MENINA! Eu também vi esse filme esse dias e fiquei morrendo de pena dos irmão McDonalds. Coitados! E concordo totalmente com você, acho que o título original faz mais sentido. Mas acho que Fome do Poder chama mais atenção do que O Fundador em português. Fiquei muito feliz se ver o filme aqui, talvez eu faça um post para o PN também. Eu acho super legal esses filmes que contam a história por traz das grandes organizações - seja para mostrar as coisas boas ou ruins.

    Adorei o post!

    beijos

    Psicose da Nina | Instagram
    Colunista no Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  2. Amo filmes que retratam histórias verdadeiras, ainda não conheço a história e fiquei bem curiosa para assistir! ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Teca. Engraçado que minha tia comentou sobre esse filme hoje. Ela disse que dá uma dó enorme dos irmãos que inventaram a empresa e depois que dá uma dó do cara que roubou, ao menos foi isso que entendi. Eu acho maravilhoso a ideia de conhecer melhor essa marca, porque tem tantas teorias que eu acho tudo muito "escondido", tipo aquelas teorias da conspiração. Com toda a certeza vou assistir a obra.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Teca!
    Realmente já vimos traduções bem piores.
    Miga, bate que eu não suporto o Michael Keaton. Piorou tudo depois que assisti Birdman iludida por ter ganho o Oscar de Melhor Filme e olha... decepção.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  5. Ainda não vi esse filme!

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir