segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Até o Último Homem – Maratona Oscar 2017


Essa semana teremos uma avalanche de filmes! Começo hoje a maratona do Oscar! Sempre assisto aos indicados na categoria Melhor Filme e vou fazendo isso em semanas ou mesmo meses. Mas dessa vez dei uma enrolada boa. Então os próximos dias até o Oscar, no domingo, serão dedicados a cinematografia.

Hoje vou falar sobre Até o Último Homem, do diretor Mel Gibson.


O diretor e ator estava sumido há alguns anos, principalmente devido a polêmicas da sua vida pessoal, mas em Até o Último Homem ele volta em sua melhor forma. Fui ao cinema com baixas expectativas porque apesar de não ter muito preconceito contra gêneros de filmes, guerra não é meu preferido. O que encontrei foi muito mais do que um filme sobre guerra. Foi um filme sobre convicção, sobre fé, sobre dar o melhor de si.

Em 1937 Desmond Doss (Andrew Garfield), um americano, se alistou para a II Guerra Mundial. Mas por causa de convicções pessoais e religiosas, ele fez uma promessa a Deus de que nunca nem sequer encostaria numa arma. Mas como fazer isso estando no exército, em plena guerra? Seu caminho foi ser médico da unidade em que se encontrava e usar uma emenda que diz que o soldado não precisa usar armas, mas isso não significa que não sofreu até chegar lá. Durante o treinamento Doss passou por um inferno nas mãos de superiores e mesmo colegas. Mas mal sabia ele que o verdadeiro inferno seria ao chegar ao Japão, na famosa batalha de Okinawa.



O mais incrível é que Até o Último Homem é baseado numa história real. E de acordo com reportagens, muito do que o personagem real fez não foi acrescentado ao filme porque as pessoas não iriam acreditar que ele havia realmente feito isso. Mas tudo foi documentado com depoimentos de colegas, sargentos, coronéis e outros que estavam lá.

Andrew Garfield foi de uma entrega tremenda ao papel. O jeito caipira, meio bobo, mas completamente firme no que acredita, faz com que fiquemos encantados por Doss. Ele até nos faz rir em vários momentos. A primeira metade do filme, do alistamento e do treinamento é uma construção do caráter do personagem, para que na segunda metade, na batalha, possamos entender como ele conseguiu realizar tudo o que fez durante aqueles dias infernais. Segundo o IMDb, o filho de Desmond Doss compareceu as filmagens e chorou ao ver a atuação de Garfield devido a semelhança tanto física quanto de personalidade com seu pai. A indicação ao Oscar de Melhor Ator é justa.



Há muitos nomes conhecidos como coadjuvantes. Sam Worthington (Avatar) é o capitão Glover, Hugo Weaving (Matrix) é o pai de Doss, um ex-militar que lutou na I Guerra Mundial, Vince Vaughn (Penetras Bons de Bico) é o sargente Howell, uma espécie de alívio cômico na pesada história, Luke Bracey (O Melhor de Mim) é Smitty, um dos colegas de Doss, e Teresa Palmer (A Escolha) é a noiva de Doss, Dorothy. Todos esses nomes ajudam a construir o personagem de Doss e a entender quem é realmente o rapaz franzino que nem deveria estar nas Forças Armadas.



Um dos maiores acertos de Mel Gibson como diretor foi o de não romantizar a guerra ou a violência. Em muitos filmes vemos a batalha com olhos quase enevoados, não entendemos plenamente a extensão do sofrimento não só físico, mas psicológico, que a guerra traz aos envolvidos. Só que Gibson não fez isso. Até o Último Homem é um filme muito forte nesse quesito, com explosões, mortos, amputações, membros despedaçados, vísceras e sangue, tudo sem censura para que possamos ver o que aquilo realmente era e como Doss foi incrível no que precisava fazer. É quase um documentário. Dizem que é uma das maiores – e mais reais – cenas de guerra desde a abertura de O Resgate do Soldado Ryan.


Até o Último Homem, que tem seis indicações ao Oscar, não é um filme fácil de assistir – a guerra nunca é fácil -, mas é um filme necessário. A história de Doss, de certa forma um pacifista em meio ao caos, tem muito o que nos ensinar sobre fé, seja ela qual for a sua, e convicção própria e ficar firme em suas crenças.

Recomendo muito.

***

Melhor Filme 2017 – Oscar
Clique nos que estão marcados com link para ler a resenha:

Até o Último Homem – Assistido!
Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós
A Qualquer Custo
Manchester à Beira-Mar

Teca Machado


16 comentários:

  1. Olá, Teca

    Eu sempre coloco na minha cabeça que vou assistir alguns dois filmes indicados ao Oscar, mas fico postergando e quando dou por mim o Oscar já até passou. Hahahaha
    Eu não gosto de filmes de guerra, também não tenho preconceito com nenhum género, mas esse em questão realmente não me chama atenção. E ainda tem o fato de eu não curtir o Andrew como ator, e por mais que vc tenha feito elogios sobre a atuação dele, não pintou aquela vontade de conferir o filme.

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena!
      Esse filme é muito bom.
      Fui sem expectativas e gostei muito.

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi, Teca!!!

    Bom, não curto muito livros de guerra, só "Querido, John" e olhe lá ainda neh hehe. Vejo que os filmes sempre tem a mesma premissa, ou seja, brigas, um lado insensível, frieza, enfim, quero assistir algo que me emocione, mexa com meu inconsciente. Quanto aos outros filmes do Oscar, quero assistir La La land.

    Ps. Sobre a compra do livro... não comprei ainda porque to sem grana hehe, mas quero ler.

    beijos

    www.mecontanoblog.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não gosto muito, mas amei esse filme!
      Foi realmente uma surpresa.

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi Teca, tudo bem?
    Parabéns pela resenha, conseguiu fazer uma pessoa que não é nem um pouco fã desse gênero (eu haha) ficar super curiosa pra conferir!
    Meu namorado adora esse tipo de filme, vou convidá-lo pra assistir comigo. =)
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa!
      Esse era o meu objetivo.
      Fico feliz que tenha dado certo, hahaha.

      Beijooos

      Excluir
  4. Friendoca, eu gosto de filme de Guerra, mas aqueles que romantizam hahaha. Esse, por mais que mostre a realidade nua e crua, vou querer assistir! Eu também pretendo assistir todos os filmes indicados, vamos ver se consigo. Vi La La Land semana passada e amei. ♥ Ótimo post! Arrasou mais uma vez!

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Choquei que você gosta de iflme de guerra!
      Hahahaha.
      Obrigada, friend!

      Beijooos

      Excluir
  5. Uau, já conhecia a história real e fiquei muito interessada em ver o filme.
    Bj e fk c Deus
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conhecia, mas agora pesquisei bastante sobre isso.
      :D

      Beijooos

      Excluir
  6. Amei sua indicação de filme, os filmes de guerra em geral são sempre muito bonitos, né? Principalmente quando são baseados em fatos reais. ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Kaila.
      Espero que assista ao filme e goste tanto quanto eu.

      Beijooos

      Excluir
  7. filme de guerra é sempre tão bonito, ne? amei conhecer esse

    http://www.nossomosmoda.com/2017/01/lunes-moda-para-mulheres-decididas.html

    ResponderExcluir
  8. Oi, Teca.
    Quero muito ver esse filme!
    Parece que é uma história emocionante e que tem como tema a fé, a convicção religiosa, além da guerra, é claro.
    O mais interessante é que foi baseado em uma história real e ainda foi suavizado porque as pessoas não iriam acreditar no que o cara fez!
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiiim, é excelente!
      Você vai gostar.
      Filmes de histórias reais são maravilhosos, né?

      Beijooos

      Excluir