quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

La La Land: Cantando as Estações – Maratona Oscar 2017


Poesia.

Poesia pura.

É assim que eu vejo La La Land: Cantando as Estações, do diretor Damien Chazelle, o mesmo de Whiplash (Comentei aqui).


Há cerca de 10 dias estou tentando colocar em palavras o que senti assistindo La La Land. Estou maravilhada por um filme como há tempos não acontecia. Foi mágico, foi musical, foi colorido, foi tocante, foi dolorido, foi agridoce.

Como boa fã de musicais antigos (Cantando na Chuva é um dos meus preferidos da vida), La La Land foi uma torrente de referências. O diretor, que também escreveu o filme, acertou em cheio ao homenagear as produções mais velhas, mas tendo em mente que o público hoje é outro. A mistura de uma pegada de musical dos anos de ouro de Hollywood com uma história moderna foi o que fez La La Land saltar aos olhos dos espectadores. Pudemos encontrar ali o melhor dos dois mundos.




E se você não gosta de musicais e não quer assistir por causa disso: deixa de ser bobo. La La Land não é como Os Miseráveis, que em quatro horas de filme há apenas duas frases sem serem cantadas. A música faz parte da história, mas não é toda ela. Tirando a sequência inicial, quando em um engarrafamento as pessoas saem dos carros e começam a cantar e dançar, a música aparece em La La Land em momentos específicos, ela é quase uma personagem. Tem um propósito de estar em cada cena que aparece, em cada melodia tocada.

A história mostra a relação de Mia (Emma Stone) e Sebastian (Ryan Gosling). Ela é uma aspirante a atriz que trabalha como barista num café dos estúdios Warner Bros enquanto faz testes e espera encontrar sua grande chance. Ele é um músico de jazz purista e apaixonado, que acredita no gênero e não quer deixa-lo morrer.




O elenco foi um grande acerto. Eles cantam, dançam, sapateiam e dão o seu melhor. Não são os melhores cantores e muito menos os melhores dançarinos, mas tudo isso faz parte do charme do filme, dessa descoberta dos personagens e de como levarem a sua vida e a relação. A indicação ao Oscar é mais do que justa. Não posso dizer se eles ganharem a estatueta também é justo porque ainda não assisti a todos da disputa, mas até agora acredito que sim (Tanto que ganharam o Globo de Ouro e Emma Stone o Bafta).



A beleza de La La Land, além de estar na história relativamente simples, mas muitíssimo bem contada, está em todo o conjunto. Nas cenas de dança e canto, no figurino sempre colorido e alegre (e lindo!) de Emma Stone, na química e cumplicidade entre os protagonistas, na fotografia maravilhosa e na trilha sonora incrível (Em 10 dias acho que já escutei o álbum no Spotify cerca de 100 vezes. Juro).

Um fato interessante é que Emma Stone não tem formação de ballet clássico, como a maioria das atrizes, e Ryan Gosling não sabia tocar piano. Mas no fim das contas ambos aprenderam, treinaram, praticaram e fizeram suas próprias cenas. Em uma entrevista Gosling contou que o diretor não queria fazer cortes nas cenas em que ele tocava piano, então não teve outra alternativa a não ser tocar  - e tocar bem! Outra curiosidade que me deixou de queixo caído é que Damien Chazelle tem apenas 32 anos e muitos prêmios e indicações no currículo.



La La Land: Cantando as Estações é aquele tipo de filme que vai ficar marcado para sempre em mim e entrou na minha lista de preferidos. Não é a toa que tem 14 indicações ao Oscar de 2017.

Recomendo demais, muito, um monte.


*** 

Todos os anos tento assistir aos indicados ao Oscar de Melhor Filme. Clique nos que estão marcados com link para ler a resenha:

Melhor Filme 2017

Até o Último Homem
Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós
A Qualquer Custo
La La Land - Cantando Estações – Assistido!
Manchester à Beira-Mar

Teca Machado

6 comentários:

  1. Oi, Teca! Que legal a sua resenha sobre o filme, ficou muito boa a sua análise. O que falar desse filme, eu fico até sem palavras, é maravilhoso. Espero que esse filme ganhe o oscar de melhor filme, porque não me lembro de ter assistido a um filme tão perfeito como esse. Abraços!

    www.marcasliterarias.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!
      É muito maravilhosão, né?
      MUITO!

      Beijooos

      Excluir
  2. Esse filme é extremamente lindo. Confesso que não queria muito assistir por não gostar de musicais, mas deixei de ser boba e assisti hahaha é simplesmente incrível mesmo. Tudo nesse filme é sensacional. A trilha sonora, a atuação, a fotografia, até mesmo o final, tão semelhante à vida real. Não sabia que o Ryan teve que aprendeu a tocar piano! Caramba, quanta dedicação!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Carol!
      Muita gente que não gosta de musical se encantou com o filme.
      Não tem como não amar, né?
      <3

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi, Teca!!!

    La la Land e Estrelas Além do Tempo são filmes que quero muito assistir!! Eu nunca consegui ver todos os longas que concorrem ao Oscar. Parece meio que missão impossível pra mim. Hahahaha

    Mas eu AMO musicais e com certeza vou assistir La la land!! <3

    Bjs

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai conseguir assistir.
      É muita maraivlhosidadeeeeeeee!

      Beijooos

      Excluir