terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Lion: Uma Jornada Para Casa – Maratona Oscar 2017


Continuando a maratona para o Oscar 2017, o filme de hoje é daqueles que vai fazer você chorar e ao mesmo tempo fazer o seu coração se encher de amor: Lion – Uma Jornada Para Casa, do diretor Garth Davis.


Assim como outros dois indicados (Estrelas Além do Tempo e Até o Último Homem), Lion é baseado numa história real, do livro Uma Longa Jornada Para Casa, de Saroo Brierley, que é o protagonista dessa história comovente.

Saroo (o incrivelmente fofo e talentoso Sunny Pawar) é um garotinho indiano de cinco anos que venera o irmão mais velho Gudu (Abhishek Bharate). Muito pobres e de um pequeno vilarejo no interior da Índia, eles ajudam a mãe com bicos, pequenos roubos e trabalhos infantis. Até que certo dia, quando acompanha o irmão num emprego, Saroo se perde acidentalmente de Gudu e vai parar em Calcutá, a mais de 1600 quilômetros de casa. Ele chega numa cidade gigante, sem nem saber falar a língua e precisa sobreviver.



Nosso garotinho passa por maus – muito maus – bocados, daqueles de partir o coração, até que é adotado por Susan e John (Nicole Kidman e David Wenham), um casal australiano muito bondoso que o leva para a Tanzânia.

Vinte anos se passam. Saroo (agora interpretado por Dev Patel, de Quem Quer Ser Um Milionário?) é adulto, mas o vazio de ter se perdido da família biológica fica. Ele não é ingrato a Susan e John, muito pelo contrário, os ama de coração. Só que a dor de imaginar o desespero de sua mãe e de Gudu faz com que Saroo comece uma busca tecnológica por eles. O problema é que ele não lembra o nome da sua cidade, da sua mãe e nem de onde ele veio. Na época, em 2008, surge o Google Earth e Saroo se torna obsessivo nessa procura.



O grande trunfo de Lion é contar uma história comovente sem cair no piegas. O diretor e o roteirista Luke Davies souberam dar o tom certo ao filme, tanto no primeiro ato, com Saroo criança passando por dificuldades, quanto no segundo, com ele já adulto em busca do que ficou para trás. O filme arranca lágrimas sim, principalmente no final, mas não é um dramalhão, não apela para os clichês do cinema. Garth Davis mistura o passado e o presente de Saroo na mesma cena, nos mostrando a obsessão do protagonista.

O pequeno Sunny Pawar é um diamante. Impossível não se apaixonar pelo garotinho logo nos primeiros minutos de filme. Tudo o que o espectador quer é colocar ele no colo e dizer que vai ficar tudo bem. Ele trabalha muito direitinho e foi uma excelente escolha do diretor. E Dev Patel também. Aquele rapaz franzino de Quem Quer Ser Um Milionário? cresceu e se tornou um ator muito bom, que externou bem o sentimento de perda e vazio que o personagem pedia. Seu olhar fica perdido, obsessivo, triste, alegre. Ele externa muita coisa só com os olhos. O que achei estranho foi a indicação dele ao Oscar na categoria Ator Coadjuvante, sendo que é o protagonista.



Nicole Kidman, mesmo que subaproveitada no filme, é a atriz que sempre foi. Ela não aparece muito e eu passei vários minutos me perguntando porque ela foi indicada ao prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante. Até que em uma cena específica ela traz toda a carga dramática que existe dentro de si e entendemos o porquê da indicação. 

Rooney Mara, como Lucy, namorada de Saroo também foi subaproveitada e seu envolvimento com o protagonista parece quase mecânico. Não por causa dela, mas por causa dessa pequena falha de roteiro.  Outro furo na história foi a pouca explicação da relação de Saroo com o irmão adotivo Mantosh (Divian Ladwa), indiano adotado por Susan e John, mas que era extremamente problemático, ao contrário de Saroo que se adaptou bem na nova família.



Lion é um daqueles filmes que marcam a gente, principalmente por ser uma história real e por sabermos que a cada ano mais de 80 mil crianças se perdem dos pais na Índia e acabam nas mãos de pessoas más ou no sistema público, que é terrível. Vale muito a pena assistir.

E uma curiosidade: Apenas no letreiro final realmente entendemos o título do filme. E é maravilhoso.

O livro no qual o filme de baseou, publicado pela Editora Record no Brasil

Recomendo muito.

*** 

Melhor Filme 2017 – Oscar
Clique nos que estão marcados com link para ler a resenha:

Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa – Assistido!
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós
A Qualquer Custo
Manchester à Beira-Mar

Teca Machado

8 comentários:

  1. Oi Teca,
    Não conhecia o livro e o filme mas achei a premissa muito interessante.
    Dica anotada por mim.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi! Curti muito, parece ser ótimo!
    Obrigado pela visita, Teca! Seu blog é ótimo!

    http://oplanetaalternativo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!
      É muito bom mesmo.

      Beijooos

      Excluir
  3. O filme parece ser maravilhoso; o livro também. Estou louco para conferir os dois. O livro, inclusive, já está na minha casa.
    Excelente postagem.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de fevereiro. Serão dois vencedores, dividindo um vale compras e dois livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Então depois lê e me fala o que você achou.
      :D

      Beijooos

      Excluir
  4. Oi Teca!
    Esse filme parece ser incrível! Só de ler sua resenha já vi que vou chorar muito, então preciso assistir em casa, preparada.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito incrível!
      Eu ameeeei Sora!!!

      Beijooos

      Excluir