quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Um Limite Entre Nós – Maratona Oscar 2017


Fiquei cansada. Bem cansada. Um Limite Entre Nós, do diretor e ator Denzel Washington, é um filme que cansa o espectador. Diálogos muitíssimo longos e nenhuma ação, epifanias e ressentimentos e amarguras, além de muita injustiça e atuações fantásticas. Esse é mais um dos filmes indicados ao Oscar em 2017.


Um Limite Entre Nós é e não é filme. É e não é teatro. O enredo é a adaptação da peça Fences (Cercas) dos anos 1980 e que ganhou vários prêmios no segmento. No que foi transformada em roteiro para cinema, o diretor, que também faz o papel do protagonista, optou por manter a aura do teatro. Ela não chega a ser uma peça filmada, mas também não chegar a ser um filme comum. Os personagens são poucos, os cenários menos ainda e tudo gira em torno de conversas, debates e discussões. Conversas que mais parecem monólogos, na verdade. E são nesses momentos que Denzel Washington e Viola Davis mostram toda a força dramática que têm.

A história gira em torno de uma família de Pittsburgh nos anos 1950 que precisa enfrentar os problemas que negros dos EUA na época eram submetidos. Injustiças no trabalho e na vida comum, além de serem considerados inferiores. O pai é Troy (Denzel), um homem completamente amargurado com a vida que tem, mesmo que viva em razoável conforto financeiro e tenha uma esposa que ama. Rose (Viola) é a típica mulher da época, que vive pelo marido e pelos filhos, que deixa seus sonhos de lado para cuidar dos outros. E há ainda o filho mais velho Lyons (Russel Hornsby), um bom vivant, Cory (Jovan Adepo), o caçula que morre de medo do pai, Gabe (Mykelt Williamson), irmão de Troy com problemas mentais, e Jim Bono (Stephen Henderson), amigo do patriarca.



Troy não chega a ser um vilão, nem mesmo um anti-herói, mas não é de causar simpatia no público. Apesar de que em momentos que conta passagens da sua vida é possível se solidarizar com esse homem sofrido – e que faz sofrer aqueles ao seu redor. Ele, no fim das contas, se tornou um espelho do pai que tanto odiava e desprezava. O ambiente em que viveu o moldou.

Não há dúvidas que Denzel e Viola fazem um trabalho magistral. E pela segunda vez! Anos atrás ambos participaram da peça de teatro que originou a produção. As duas indicações ao Oscar são mais do que justas. E falam por aí que Viola é a favorita (óbvio, é a diva Viola, né, gente) na categoria Atriz Coadjuvante. Denzel, apesar de queridinho de todo mundo (porque ele é muito maravilhoso, convenhamos) talvez não leve, porque dizem que Casey Affleck está com mais chances. 



Como o filme é todo sustentado por monólogos e discussões, excelentes atores são o que seguram o espectador nas 2h18 de produção. Só eles – e o fato de que eu me comprometo a assistir todos os filmes indicados na categoria para trazer para vocês – me fizeram continuar assistindo.

A cerca em questão, que é o nome do filme em inglês e da peça, é uma metáfora muito bem utilizada no filme. Troy passa o tempo quase todo construindo uma cerca, ou enrolando para construir a bendita. Ela pode ser usada para manter do lado de fora quem não pode entrar. Ou manter do lado de dentro aqueles que estão dentro dos seus limites. E essas duas opções de analogias são utilizadas por essa família de certa forma presa em sua etnia e em seus problemas.


O filme não é ruim, pelo contrário. Só que Um Limite Entre Nós tem aquele estilo que crítico de cinema e de teatro gosta, o que muitos podem achar chato (eu confesso que achei meio chato. Foi um filme muito longo...). As chances de levar a estatueta com o maior prêmio da noite são pequenas, mas Viola, Denzel e o roteiro adaptado estão mais do que no páreo.

Recomendo só para quem curte o gênero.

*** 

Melhor Filme 2017 – Oscar
Clique nos que estão marcados com link para ler a resenha:

Estrelas Além do Tempo
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós – Assistido!
A Qualquer Custo
Manchester à Beira-Mar

Teca Machado

9 comentários:

  1. ai to fazendo a maratona oscar e ta faltando alguns pra ver na minha lista, inclusive esse que quero mt ver, adorei a resenha!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Oi teca, que resenha excelente! Super completa! parabéns! eu ainda não vi o filme, mas acho estava com expectativas super altas, não esperava que fosse um filme tão parado, sem ação, vou alinhar minhas expectativas agora!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      É beeeem parado, beeeem chato, haha.
      Mas as atuações são maravilhosas.

      Beijooos

      Excluir
  3. Apesar de a estória mostrar algo importante para a sociedade, eu simplesmente não consigo me prender em filmes assim, longos e com diálogos enormes...
    Dos indicados ao Oscar eu assisti Moonlight e Manchester a Beira Mar. Amei os dois, acho que você vai curtir também!

    Beijos!

    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
  4. Tire o seu racismo do caminho, que eu quero passar com a minha cor.
    ( do livro "desaforismos" de Georges Najjar Jr)

    ResponderExcluir
  5. You need to have an opinion about each movie or book. Your review is good, and the film doesn’t seem tedious to me. I think this film has a large audience. Thank.

    ResponderExcluir