segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Coloque Person of Interest na sua lista de séries – Por Larissa Klein


"You are being watched. The government has a secret system: a machine that spies on you every hour of every day”

É sempre bom falar das coisas que você gosta, fica mais fácil escrever, são tantos adjetivos usados, que o vocabulário fica quase escasso. E esse sentimento pode ser atribuído a uma das minhas séries favoritas atualmente, Person of Interest.


Se você quer uma série com trama muito bem amarrada, que mistura um pouco de drama, ação, tensão, ficção e um humor leve, essa é a série perfeita para isso. Tem grandes personagens e diversos vilões! E ainda a sua premissa vai de encontro com as inovações e características da nossa década atual trazendo assuntos que abrangem desde vigilância à privacidade exacerbada.

POI nome dado pelos fãs da série, atualmente em sua quarta temporada, é uma série que tem o privilégio de ter excelente produtores e roteiristas por trás da produção, um dos segredos de seu sucesso perante seu público. Criada por Jonathan Nolan (roteirista da trilogia do Batman e irmão mais novo do cineasta Christopher Nolan) e produzida por J. J. Abrams (te amo! Tem em seu currículo Alias, Fringe, Star Trek, atualmente trabalhando em Star Wars Episódio VI) é transmitida originalmente nos Estados Unidos pela CBS e Warner Channel no Brasil.


O elenco também é talentoso e sólido liderado por Jim Caviezel (Paixão de Cristo, Conde de Monte Cristo) e Michael Emerson (Lost), sendo completado por Taraji P. Henson (indicada ao Oscar por O Curioso Caso de Benjamin Button), e Kevin Chapman (da antiga série Rescue Me).

A série conta a história de um bilionário chamado Harold Finch que recruta um ex-agente da CIA chamado John Reese. Juntos, os dois usam os recursos necessários para prevenir crimes antes que estes realmente ocorram. Como eles fazem isto? Através de uma inteligência artificial criada por Finch, que também é conhecido por ser um nerd da computação.

A Machine, como ela é chamada no seriado, foi vendida por ele anos atrás para o governo, para que esta fosse usada na prevenção de ameaças terroristas antes delas acontecerem, tudo devido aos ataques de 11 de setembro de 2001.


Estas ameaças são chamadas “relevantes”, mas no caso de Reese e Finch, eles cuidam das ameaças consideradas “irrelevantes” (que abrangem todo o resto da população). Achou difícil? Mas não é, e o melhor é que quando você começa a assistir não consegue mais parar. POI consegue trazer tantas características interessantes que faz da série divertida e puro entretenimento para quem acompanha. Para complementar a série tem um formato de procedural, mas onde os casos semanais são usados pra desenvolvimento dos diversos plots.

Só lhe recomendo algo: tenha paciência nos primeiros episódios (principalmente nos primeiros 10), mas eles contem informações vitais para o desenvolvimento da série. E o que é melhor: ela é boa na 1ª temporada, excelente na 2ª e magnífica na 3ª (Mind Blowing é como defino alguns dos episódios). POI sempre se mostrou consistente, com ótimos plots, bom desenvolvimento de personagens e raramente apresentando episódios ruins.

Os arcos apresentados são complexos, surpresas trabalhadas permitem que tenhamos episódios normais no meio das temporadas tão bons como season finales, que nos deixam chocados e esperando a grandiosidade do que irá acontecer quando as temporadas chegarem ao fim.


A séria também traz muita ação. John Reese é o responsável por esta parte, já que vai às ruas para fazer o trabalho de campo, ou o trabalho pesado, sendo acompanhado por Samantha Shaw (Sarah Shahi), já na segunda temporada. Brigas, perseguições, tiroteio são comuns, assim como Reese conseguindo informações com métodos que chegam a ser cômicos de tão exagerados completam a série, deixando de ser um drama aprofundado para divertir depois de dias de longo trabalho.


Outro ponto forte da série, além do ótimo elenco principal, são os personagens secundários e as participações dos coadjuvantes na série. Os detetives Fusco e Carter da polícia de NY contrapõe de forma brilhante as atividades ilegais que Reese e Finch conduzem, usando a lei para ajudar a dupla. O passado de cada um dos personagens não é jogado em tela logo nos primeiros episódios. Flashbacks bem elaborados são constantes nos episódios, pequenas partes da história do quarteto é mostrado quando é conveniente à trama da série e assim vamos conhecendo um pouco mais dos personagens, que são bem interpretados.

As participações também são divertidas, rápidas, e tão boas que esses personagens acabam voltando no decorrer da série tamanho o sucesso com o público, sejam eles vilões (Elias, Root, H.R., Alistair Wesley, etc), ou aliados (Zoe, Maxime, Lion Tao, etc).


Bônus ainda para o Bear, cachorro que Reese encontra na premiere da segunda temporada, o salva e leva para casa. Desde então o cachorro treinado pelos militares holandeses participa de todos os episódios, muitas vezes de forma essencial. O cachorro derrete corações!

Larissa Klein


Uma maníaca por seriados, acompanha mais de 40 durante o ano, apaixonada por futebol e pelo meu time de coração Palmeiras. Cinéfila de carteirinha, devoradora de livros (na maioria infato-juvenil) nas horas vagas e jornalista. Ler, assistir e escrever é comigo!


Um comentário:

  1. Eu já vi algumas chamadas na Warner, mas nunca parei para assistir.
    Não sei se faz muito o meu estilo, mas vou assistir um episódio e quem sabe! ;-)
    Beijocas,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir