quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Projeto Drama Queen


Sou dramática, sei disso e não me envergonho (Pelo menos não na maior parte do tempo). E a Carol Daixum, do blog Pequena Jornalista, é igualzinha, acho que até mais. Passamos horas conversando sobre nossa “condição” e chegamos a uma conclusão: A melhor forma de se tratar desse mal que nos corrói é escrever sobre isso e mostrar para outros dramáticos que não, vocês não estão sozinhos! Por isso criamos o Projeto Drama Queen. Uma vez por semana vai ter aqui e no blog dela um texto de uma das duas sobre as agruras de ser ansiosa e dramática. Vamos ao post piloto? O de hoje é da Carol:

"Escala de ódio Whatsapp: 10 mil ícones do Whatsapp!" – Por Carol Daixum


"Como uma boa drama queen, tenho uma listinha de coisas que eu não morro de amores. Por exemplo, tampa de refrigerante. Funciona assim: compre e não beba, porque você vai demorar muito para abrir e a sua mão vai ficar roxa e dolorida. Escada rolante parada e a gente é obrigada a usar? Dá uma aflição. Agora quem ocupa o topo da minha lista é o Whatsapp e seu amiguinho 'última visualização'. Nossa, ódiozinho profundo. 

Eu adorava no começo. Os criadores (anotem os nomes para jogar vudu hahaha #brincadeirinha: Jan Koum e seu sócio Brian Acton) eram os meus heróis. Hoje eu desejo profundamente que as mensagens deles sejam visualizadas e ignoradas constantemente. Não é vingança, é lei do retorno. Se as cartas estão extintas, o e-mail está indo pelo mesmo caminho. Se você não olhar o seu grupo, considere-se excluído do programa de sábado à noite. E nada de reclamar, afinal você estava adicionada e "ciente" de todas as informações. É seu aniversário? Mensagem no Facebook já era, agora é pelo Whatsapp e olhe lá (eu até mandava parabéns por lá, mas só quando eu não conseguia falar com a pessoa, não tinha intimidade ou a pessoa estava viajando. E eu só perdoava nesses casos também). 

O meu drama aumenta quando eu mando mensagem, a pessoa fica online, do nada off, olho a última visualização mil vezes e confirmo: fui ignorada. Eu tenho uma teoria: se a pessoa teve cinco segundos para olhar, ela também pode tirar cinco segundos para responder 'oi, estou ocupado, depois eu respondo', acrescenta uma carinha feliz e fica tudo bem. Tão simples! Ok, eu também demoro para responder. Mas em minha defesa, o 3G não colabora quando estou na rua, às vezes eu tenho que pensar na minha resposta e algumas pessoas merecem sentir na pele. Aplico a lei do retorno mesmo e é isso. Claro, que o mundo não gira em torno do meu umbigo. Nem sempre a pessoa faz por mal. Talvez o boy não faça ideia das lágrimas que escorrem dos nossos lindos olhinhos porque ele visualizou e não respondeu. Mas poxa vida. Bom senso, sabe? 

Visualizou e não respondeu é praticamente um ato terrorista do mundo do Whatsapp. E quando a pessoa fica online mil vezes por dia e você confirma que foi ignorada? E esse papo de se distrai e tal, não funciona comigo. Choro a cada clique na porcaria do ícone verde. Nunca odiei tanto a cor verde. Dependendo da pessoa, essa história de 'ops, esqueci de responder' não desce. Para tentar mudar o rumo da minha vida, resolvi desativar o modo visualização. Mas não adiantou muita coisa, já que eu via a pessoa online sempre. Então, eu tomei uma decisão: deletei o aplicativo (pausa dramática). Fui terrivelmente criticada, mas sou ansiosa ao extremo e esperar não é o meu forte. Bloquear tal pessoa e blá-blá-blá não me ajuda em nada. Quem quiser falar comigo, saia da caixinha e arrume um jeitinho. 


Agora sem drama, ok, um pouco. Eu sei que o aplicativo facilita a vida. Para alguns, é o único meio de comunicação. Porém, afasta também. Em terra de Whatsapp, ligação é prova de amor. Sabia que você corre o risco de ficar sem o prêmio que você ganhou honestamente porque você não respondeu a mensagem no Whatsapp? Pelo amor. Não estou falando para todo mundo ser radical, mas eu torço por mais gestos reais e menos demonstrações virtuais. Há duas semanas eu não fico ansiosa ao extremo, não olho o celular de cinco em cinco minutos, não ignoro ninguém e ninguém me ignora, durmo melhor e sou mais feliz. Whatsapp me causou um trauma profundo. E as pessoas que usam em excesso mais ainda. As que ignoram, meu Deus, sem comentários. 

Então, seguem três recadinhos. Você visualiza, responde sem demorar e usa com moderação o odiado Whatsapp? Parabéns, você é um ser abençoado, iluminado e merece todo o meu amor. Agora, caro usuário que faz parte do time que visualiza, não responde, só fala através desse aplicativo e tal, vai catar coquinho na esquina (a sua sorte que eu sou educada =D). E leitora que faz parte do meu clube 'sofri, chorei, não aguentei e deletei', vem cá dá um abraço, drama queen de primeira. Você não está sozinha e está no caminho certo (pausa para as críticas da oposição)." ;-) 

Um beijo,

C.


Pequena e jornalista. Apaixonada por palavras e livros. E como toda menina, tem uma grande quedinha pelo mundo da moda. É uma consumidora controlada na medida do possível.  Se tiver na TPM, segurem o cartão de crédito! Fora isso, é viciada em emoticons, só sabe cozinhar miojo e uma eterna romântica teen, daquelas que sonha em ter um amor estilo Gus (e aceita um Quatro também). Essa é a melhor definição até que ela mude completamente de ideia. Dona do blog Pequena Jornalista


3 comentários:

  1. Eu me sinto muito excluída do mundo por não ter whats app! Eu tive ele mas tive que excluir por conta da falta de espaço no meu celular que comprei com 8GB e do nada ele virou 4GB e perdi espaço pra caramba na vida. Então apaguei muitos apps, inclusive esse e estou completamente por fora, kkk


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  2. Ahhh Adorei o post,
    Faço parte de um quarteto e sou a dramática do grupo...
    Me senti em casa...
    Mas concordo plenamente com o texto...
    E se me ignorar, eu ignoro tbm.

    Bjs
    Amanda Nery
    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei bastante com o texto!! Hahaha =DD
    Uhuulll projetinho Drama Queen! Iebaaa!! Toda sorte do mundo!! =)
    Beijocas,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir