quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Sem Retorno: Ação com ficção científica


Alguns bons filmes não ganham grande marketing, principalmente fora do Brasil, aí o público em geral fica sem saber da existência da produção. Foi esse o caso de Sem Retorno, do diretor Tarsem Singh, lançado ano passado, com Ryan Reynolds e Ben Kingsley. Eu e o meu marido encontramos por acaso no Netflix semana passada e nos chamou a atenção, principalmente por causa desses dois nomes de peso no elenco.


O filme se encaixa no gênero ficção científica com ação e apresenta uma história da busca por imortalidade, não do corpo, mas da mente. A premissa é interessante e foi um dos aspectos que nos fez querer assistir.

Em Sem Retorno, Damian (Ben Kingsley) está morrendo. Aos 60 ou 70 e tantos anos, um magnata de um império empresarial, ele tem câncer terminal, um péssimo relacionamento com a única filha e poucos amigos. Apesar de tudo o que fez na vida, ele não se sente que seu nome será imortal. Ele não quer morrer. Até que escuta falar sobre algo chamado “muda” (Shedding, no inglês, que é o que as cobras fazem, trocam de pele), um procedimento ainda experimental e obscuro extremamente caro que troca a consciência de corpo. Então, a mente de Damian vai para um novo corpo jovem, em forma, saudável e que foi criado em laboratório (Ryan Reynolds).



Perfeitamente adaptado à nova vida, Damian começa ter algumas visões que o intrigam, uma espécie de memórias que não são suas, e passa a desconfiar que talvez o que lhe disseram durante o procedimento não seja tão verdadeiro assim e que o laboratório responsável não é o que aparenta.

O debate existencial e científico é pouco explorado, o foco do filme é a ação, mas ainda assim é interessante pensar sobre como ser imortal em novos corpos (Mesmo que tenham deixado de lado a questão do envelhecimento e deterioramento da mente em si, sendo mencionado rapidinho apenas quando falam de uma personagem com Alzheimer).



Há muita crítica sobre o filme em torno da falta de detalhamento do procedimento e também de filosofia sobre ser imortal e medo da morte. Algumas pessoas disseram que parece preguiça tanto do diretor quanto dos roteiristas. Mas acredito que o mote do filme era ser ação pura e simples, não uma produção existencial e mais profunda. Ele não se promove a isso.

O roteiro é bem amarrado, mesmo com um furinho aqui ou ali, normal em produções sobre ciência. Apesar do desfecho um tanto clichê, é o que o espectador torce para acontecer.


Com cenas de luta e correria muito bem orquestradas, uma fotografia linda, principalmente nos cenários de Nova Orleans, a estética de Sem Retorno é muito bonita e colorida, com algumas cenas rápidas e entrecortadas para expressar mudança de tempo editadas de modo interessante.

Ryan Reynolds e Ben Kingsley, assim como outros atores do elenco como Matthew Goode e Natalie Martinez, estão bem. Nada “ai, minha nossa, merecem o Oscar”, mas não deixam a desejar em seus papeis (Talvez Natalie deixe um pouquinho).

Recomendo.

Teca Machado

7 comentários:

  1. hm, interessante hein! eu gosto bastante de ficção cientifica, esse filme parece bem bacana

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei.
      Não é o melhor do mundo, mas é bacana mesmo.

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi, Teca!

    Não conhecia este filme ainda. Gostei bastante da premissa, uma pena que tenha sido pouco aproveitada... Quando eles priorizam a ação, as demais questões ficam totalmente em segundo plano. Apesar de ter algumas falhas, parece ser um filme legal. Matthew Goode no elenco? Mais um motivo para eu assistir, rs.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiiiiiiim, Matthew Goode, que quase ninguém conhece.
      Eu adorei ver ele lá.
      E adoro Ryan Reynolds, então, vamos lá! Hehe.
      Você vai gostar!

      Beijooos

      Excluir
  3. Oi, Teca!

    Também não conhecia esse filme ainda! Mas é bom saber. Adoro o Ryan Lindo em quase todos os filmes que ele atua. Hahahahaha

    Uma pena que não teve um aprofundamento em questões polêmicas, mas deve ser um filme bom para perder algumas horas do dia, né?
    Sempre é bom ver alguns filmes assim para relaxar, na minha opinião.

    Bjs!

    livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que eu também adoro ele quase sempre?
      Hahahaha.
      Exatamente, bom para perder um tempinho.
      :)

      Beijooos

      Excluir
  4. Olha, se ele se aprofundasse mais no quesito filosofia e o procedimento em si eu acharia bem mais interessante, já que a ideia é u muito boa.. rs
    Mesmo assim parece um bom filme. Dica anotada ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir