sexta-feira, 9 de junho de 2017

Corte de Espinhos e Rosas – Uma fantasia para favoritar


Vamos falar hoje sobre uma maravilhosidade chamada Corte de Espinhos e Rosas, da Sarah J. Maas, publicado pela Editora Galera Record?


Sabe aquele livro que te alucina, te deixa sem chão e sem direção? Foi assim que me senti durante toda a leitura. As últimas páginas eu li no metrô e tenho certeza que as pessoas olharam assustadas as caretas e os arquejos que eu fazia. Corte de Espinhos e Rosas é aquele tipo de leitura que te transporta, que te faz viajar e viver aquela história numa intensidade imensa. É uma obra que quando você termina, dá um suspiro e pensa “é por causa de livros assim que eu amo ler”.

Sarah J. Maas, mal te conheço, mas já te considero pacas! Sempre via a Izabela do blog Livros Ontem, Hoje e Sempre falar alucinadamente da autora, que é bem conhecida pela série Trono de Vidro.

Em Corte de Espinhos e Rosas temos uma das melhores histórias de fantasia que eu já li. É uma mistura de A Bela e a Fera com livros de guerra, intrigas e romance. A inspiração é muito clara: um príncipe – no caso Grão-Senhor – amaldiçoado juntamente com o seu povo e uma mocinha audaciosa e teimosa que é obrigada a viver com ele em suas terras.

No enredo os humanos foram escravizados pelo povo féerico (uma espécie de fadas) durante centenas de anos, até que eles se libertaram e uma guerra separou os territórios com uma muralha. As duas espécies não têm mais contato uma com a outra, ainda que os homens vivam temendo os terríveis féericos. Quinhentos anos depois, Feyre é uma garota humana que vive próxima à muralha e precisa caçar para que sua família não morra de fome. Ao matar um lobo na floresta, uma besta féerica aparece reclamando Feyre para si como forma de retratação, pois o lobo que ela matou era féerico e um tratado entre os povos exige que ela o acompanhe.


Então Feyre é arrastada para uma terra que ela conhecia apenas por meio de lendas e pensava ser terrível, mas é linda e mágica. A besta que a levou era um Grão-Féerico, um ser mágico que tem poder de transformação e é na verdade um homem lindíssimo chamado Tamlin, o senhor da Corte Primaveril, um lugar encantado e paradisíaco. Obrigada a conviver com seres que odiava, Feyre aos poucos vai se encantando por Tamlin e por seu povo, mas a frágil felicidade que está construindo pode ser ameaçada por uma terrível praga que assola a terra féerica.

A sinopse não faz jus a toda complexidade e criatividade do enredo de Corte de Espinhos e Rosas. Sarah J. Maas criou um universo lindo, rico, perigoso e muito sedutor. Aos poucos vamos conhecendo as terras féericas, suas tradições e suas maldições. É impossível não ser tragado para aquele mundo cheio de belezas e feras.

O livro é repleto de intrigas, de ação, de correria, e mistério, de romance e de dor. Nada está ali por acaso. Cenas que pareciam sem muito sentido, ganham explicações e motivo. Sarah J. Maas cria uma conexão incrível, com cada cena sendo a construção de um quebra-cabeça surpreendente que nos faz perder o fôlego no ato final da obra, que parte nossos corações milhares de vezes.

Feyre é uma protagonista forte, teimosa, preconceituosa, cheia de ódio no coração e, como ela própria diz, espinhos. Sua raiva por tudo e todos é justificada. E é lindo ver a personagem amadurecer e ter seu coração derretido por uma nova realidade. Ela vê surgir um amor tanto por Tamlin quanto por tudo que era inesperado. E Tamlin! Ah, gente, o Tamlin é maravilhoso. É bom, tem um coração incrível, mas ao mesmo tempo um temperamento forte. Meu lado periguete literária está quicando de paixão aqui.

Tanto os protagonistas quanto os personagens secundários foram muito bem construídos. Além de Tamlin e Feyre, temos Lucien, melhor amigo de Tamlin, Alis, governanta da casa, Rhysand, um bad boy muito surpreendente, Amarantha, a vilã terrível e insuperável, e muitos outros.

Corte de Espinhos e Rosas é narrado em primeira pessoa por Feyre, um grande acerto por parte da autora (mas eu não me incomodaria de ver a versão de Tamlin dos fatos). É uma leitura dinâmica, cheia de reviravoltas e muito incrível. O romance é muito bonito e ponderado, não surgiu de repente. E a forma como Sarah J. Maas constrói as cenas sensuais é ótima. Não pesa a mão, mas nos deixa na expectativa junto com Feyre. Sei que até eu estava apaixonada já, haha.

A série de Corte de Espinhos e Rosas é composta por seis volumes, mas no Brasil ainda só temos até o segundo, Corte de Névoa e Fúria.



Recomendo muito, afinal, se tornou um dos meus favoritos.

Teca Machado

4 comentários :

  1. Oi, Teca! Que resenha fantástica, pelo seu entusiasmo com a leitura, acredito ser daquelas leituras arrebatadora. A capa desse livro é linda mesmo e, a obra em si deve ser maravilhosa, como você mesma disse na resenha. Deu uma vontade enorme em lê-lo. Abraço!

    www.marcasliterarias.com.br

    ResponderExcluir
  2. OI BISTEQUINHA
    NÃO É UMA MIRAGEM, SOU EU MESMA AQUI! HAHAHAHAH

    então... eu gostei da maneira de como você descreveu a personagem e ainda mais por saber que toda a frustração dela tem sim uma justificativa. Gosto de acompanhar esse crescimento diante da passagem das páginas... até parece que é nossa cria, né? HAHAHAHAHA

    HEEEY, o dominio agora tem .BR, viu?
    www.beinghellz.com.br
    BEIJO

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca, tudo bem?
    Sou doida pra ler algo dessa autora, td mundo fala tão bem! Só não sei se vai ser Trono de Vidro primeiro ou Corte de espinhos e rosas, haha
    Adorei ler sua resenha!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Teca,
    Nossa, o seu entusiasmo é contagiante, eim? rsrs
    Realmente, o livro parece contar com um universo bem complexo.
    A unica coisa que me deixa desanimado é o fato de ser uma série. Já tenho tantas pendencias e já tenho outras tanta na fila de espera, que acho que falta coragem rsrs.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir