quinta-feira, 1 de junho de 2017

O Homem Que Viu O Infinito: Uma história que merece ser contada


“Uma equação não significa nada para mim a não ser que expresse um pensamento de Deus.” - Srinivasa Ramanujan

Algumas histórias são dignas de serem contadas, mas a maioria das pessoas não tem conhecimento delas. Sorte que temos acesso a livros e filmes que nos mostram a complexidade e maravilhosidade que tornam essas biografias inesquecíveis. Foi o caso das mulheres de Estrelas Além do Tempo, do garoto indiano de Lion e também de Ramanujan, um gênio cujas descobertas mudaram a matemática moderna. Sua história é contada no filme O Homem Que Viu O Infinito, do diretor Matt Brown.


Baseado no livro The Man Who Knew Infinity: A Life of the Genius Ramanujan, de Robert Kanigel, o filme recria a vida desse matemático com pouquíssima formação acadêmica, muita fé e uma genialidade comparada a Isaac Newton.

Ramanujan (Dev Patel), que no início do século XX, perto da I Guerra Mundial, descobriu e inventou fórmulas, desejava ardentemente trabalhar com os grandes professores e matemáticos de Cambridge, queria mostrar para o mundo tudo o que lhe chegava em sonhos. Numa época em que a Inglaterra colonizava a Índia, a sua etnia era vista como inferior pelos britânicos. Mas ao entrar em contato com Godfrey Harold Hardy (Jeremy Irons), uma das maiores mentes acadêmicas da época, Ramanujan conseguiu uma chance de provar suas teorias e ir estudar na universidade, deixando sua família na Índia. Mas o preconceito e sua pouca bagagem formal foram grande empecilho, mesmo com a ajuda de Hardy.




Além de uma história interessantíssima, O Homem Que Viu O Infinito tem a sua força no elenco. Dev Patel e Jeremy Irons se completam em tela. A relação de tutor e aluno é conturbada, muitas vezes parecendo mais nociva a Ramanujan do que benéfica. Em todo o tempo o cético e prático Hardy quer que o indiano prove com cálculos de onde tirou as fórmulas e Ramanujan afirma categoricamente que foi Deus quem enviou para ele todo aquele infinito. O relacionamento deles passa por várias fases, até que Hardy finalmente se entrega ao otimismo e a genialidade de Ramanjuan – algo feito com maestria por Jeremy Irons, ainda que o roteiro tenha se apressado um pouco nesse sentido. Ambos trabalham de forma excelente em uma história que merece muita sensibilidade.


A história familiar de Ramanujan, ainda que parte importante da sua vida, foi tratada de forma superficial em O Homem Que Viu O Infinito. No desfecho sua esposa e mãe são essenciais, mas até aquele momento foi superficial. O diretor optou por mostrar o seu lado acadêmico e seu lado espiritual com mais força, o que contribuiu muito para o roteiro.



Mesmo numa época em que grandes matemáticos viveram e afloraram, Ramanujan se destacou, ainda que sua história não seja de conhecimento do grande público. Muitas das suas descobertas até hoje não foram completamente desvendadas pelos estudiosos, enquanto outras já foram colocadas em prática, como a análise de progressões de números primos até teorias que colocam luz em vários mistérios sobre os buracos negros.

Se você está preocupado em não entender muita coisa porque não foi o melhor aluno de matemática, não se preocupe. Eu sou bem tapada no assunto e acompanhei o filme numa boa (ainda que quando terminou fiquei me sentindo a pessoa mais burra do universo). Claro, em muitos aspectos fiquei perdida durante os cálculos do gênio, mas quem não ficaria? O diretor conduziu a história de modo que os leigos consigam entender e aqueles que amam matemática mergulhem nesse universo.


O melhor de tudo é que O Homem Que Viu O Infinito está disponível na Netflix. É uma daquelas pérolas que descobrimos por acaso entre as milhares de opções do serviço.

Recomendo muito.

Teca Machado

7 comentários:

  1. Oi Teca

    Eu não conhecia esse filme, mas três coisas me chamaram a atenção: a sinopse, Dev Patel e Netflix.
    Muito boa a dica e melhor ainda sua sinopse.

    Beijão.
    Alana Marques
    http://colecionadoresdelivross.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Teca.
    Eu não sou fadada a ver filmes com essa temática, acho geralmente muito maçante e quase não entendo o enredo, mas achei legal a direção focar mais na vida acadêmica do personagem, afinal, foi exatamente por isso que ele ficou ''conhecido''. Não sei bem se veria, mas achei legal e interessante o enredo.
    Beijo!
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca, sua linda, tudo bem?
    Eu sou uma dessas pessoas que não entende nada de matemática, mas fico só babando pelo alcance da mente desses homens!!!! Não conhecia a história dele, realmente não falam muito das suas descobertas. Estou impressionada, por isso vou colocar na minha lista. Sua crítica ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi! Que interessante, não sou boa em matemática hahahaha mas achei o enredo muito bom e fato de ter na Netflix já ajuda. Vou procurar e assistir. Bjos ❤

    Click Literário


    ResponderExcluir
  5. Oie Teca, tudo bem?

    Nossa, eu adorei essa resenha, e com certeza vou adicionar esse filme a minha lista! Adoro essa temática, que nos contam algo sobre a vida de alguém, ensinam, adoro aprender! Amei a sua resenha sobre o filme, parabéns!

    Beijos,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, Teca!

    Eu amei "Estrelas além do tempo" (e ainda estou indignada por não ter ganhado nenhum Oscar, haha) e estou bem animada com os filmes biográficos que estão sendo lançados. Ainda não conhecia este, mas adorei o tema! Deve ser um excelente filme, bem informativo e reflexivo.
    Ótima dica!

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ah, que demais. Adorei a dica, vou querer assistir! Bjs

    www.mayaravieira.com.br

    ResponderExcluir