quinta-feira, 29 de junho de 2017

Sully: O Herói do Rio Hudson – Baseado em uma história real


Clint Eastwood gosta de histórias heroicas. Tanto quando atuava – ele foi o caubói mais famoso de filmes western - quanto quando dirige, ele gosta de mostrar a saga de personagens, muitas vezes comuns, que se tornam heróis, seja para eles próprios, seja para outras pessoas. E com o filme Sully: O Herói do Rio Hudson, que é baseado numa história real, não poderia ser diferente. Indubitavelmente seu protagonista é um herói, todo mundo sabe disso, mas ele precisa provar que agiu certo num momento de pressão.


Sully foi lançado em dezembro do ano passado e conta a história por trás do acidente aéreo, sem vítimas, de 2009, do avião que pousou no Rio Hudson, é Nova York. O piloto era Chesley Sully Sullenberg (Tom Hanks), tido por todos como uma pessoa correta e um piloto com mais de 40 anos de experiência. Após problemas na turbina do avião logo após a decolagem, Sully se viu sem alternativa a não ser pousar o avião em clara queda no rio. Como o bom capitão de um navio, Sully salvou todos e deixou a sua própria vida por último. A mídia foi a loucura, Sully foi transformado em herói instantaneamente. Mas o NTSB (Departamento Nacional de Segurança no Transporte) e a companhia aérea não enxergaram dessa forma, acharam que ele foi irresponsável, e começa assim uma investigação pesada em cima do piloto e da sua conduta.

Em nenhum momento o espectador tem dúvidas sobre a moralidade de Sully (ainda mais porque ele é interpretado por Tom Hanks, o cara bonzinho que todos nós amamos) ou de seu co-piloto Jeff (Aaron Eckhart, também bom moço). Fica muito claro desde o começo, principalmente devido ao trabalho de câmera e de edição de Clint Eastwood, que as manobras de Sully foram sem falhas, que ele fez limonada com o belo limão que a vida lhe deu. Mas sendo perseguido e massacrado pelo NTSB o piloto precisa provar que mesmo com todo prejuízo financeiro – afinal, um avião afundou no rio! – ele evitou que todos os passageiros morressem e que a aeronave caísse em movimentadas avenidas de Nova York.



Eastwood acerta em começar o filme com um flashback, com o ocorrido já tendo acontecido. Sully desperta de um sonho, com crises de ansiedade, por conta do que passou. Sully vive seu inferno particular, e Tom Hanks, como sempre, é irrepreensível em sua atuação. Mesmo nos piores momentos de desespero, Sully mantém uma calma sobrenatural – tanto que na época o piloto da vida real foi chamado de frio, porque não esboçava muitas reações, mas talvez seja exatamente isso, essa frieza, que salvou aquelas 150 pessoas.

Não é um filme corrido ou cheio de ação – a não ser nos momentos em que o avião cai, óbvio -, mas prende o espectador naquele drama. E enquanto enfrenta todo esse pepino, Sully ainda precisa lidar por telefone com a esposa (Laura Linney), que está mais preocupada em ele não perder a carreira porque não quer ficar sem dinheiro, não porque realmente apoia o marido.




Aqui no Brasil se falou do caso nos jornais (quem não lembra da icônica cena do avião flutuando no rio?), mas não tanto quanto nos EUA, então eu não sabia dessa repercussão toda, de toda essa perseguição ao piloto. Antes de assistir ao filme eu ficava me perguntando se a produção seria toda em cima só disso e pensava “mas nem foi um acidente feio para ter um filme falando do assunto”, só que a história tem muito mais do que a mídia realmente mostrou e foi um filme que eu realmente gostei. Claro que há aquele sentimento de patriotismo e triunfo que americanos adoram, mas Eastwood não foca nisso, foca na jornada do piloto.

Aaron Eckhart, o verdadeiro Sully, Clint Eastwood e Tom Hanks

Recomendo.

Teca Machado

12 comentários:

  1. Oi, Teca!
    Menina, acredita que só fui saber desse acidente por causa do filme. Não lembro se cheguei a ver nos noticiários sobre ele.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Três Anos de A Colecionadora de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Eu sabia do acidente, mas não sabia de toda repercussão que teve.
      A história é bem boa!

      Beijooos

      Excluir
  2. Oi, Teca.
    Eu queria ter visto esse filme no cinema, mas não deu.
    Os filmes do Clint Eastwood geralmente são bons e esse chamou minha atenção depois que vi o filme O voo, que também tem uma investigação sobre um acidente aéreo.
    Espero vê-lo em breve.
    Bela resenha.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diego!
      Então assista, você vai gostar.
      É muito interessante!

      Beijooos

      Excluir
  3. Oiiiiiiiiii
    Assisti esse filme não faz muito tempo e gostei bastante!
    Ainda mais por ter o Tom Hanks! haha

    besos
    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raíssaaa!
      Tom Hanks sempre maravilhoso, né?

      Beijooos

      Excluir
  4. Olá!!!!

    Já tinha ouvido falar sobre o acidente em um livro, os personagens tentavam decidir se Sully era um bom moço ou não, porém, não lembro qual é o livro kk!
    Sua resenha me deu uma vontade enorme de assistir o filme e conhecer sobre a jornada desse homem!
    Beijos,
    https://teattimee.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Loysla!
      Menina, o cara é um herói e o povo tentando acabar com ele.
      É revoltante!
      Hahahaha

      Beijooos

      Excluir
  5. Oi, Teca!!

    Gostei muito desse filme também!! Quando fui assistir eu já sabia mais ou menos da história, que embora ele tenha salvado milhares de pessoas, também perdeu milhares de dólares e a empresa sempre procura os culpados, não é mesmo?!

    Eu achei ótimo o filme também e nem esperava muita ação, mas gostei muito mesmo. Sully foi o primeiro piloto a pousar o avião na água e ninguém morrer. Achei incrível isso. Mas o que me deixou mais feliz foi ver que todas as pessoas no acidentes foram resgatadas em cinco minutos. Por ar e água, o socorro veio muito rápido. Acho que é isso que torna a história tão boa também. Já imaginou um resgate em cinco minutos?! Não no Brasil, infelizmente.

    Enfim, também recomendo muito para qualquer um esse filme.

    Bjs

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, as empresas tentam mesmo achar um culpado, nem que seja o herói.
      Foi revoltante!
      Eu adorei o filme, muito mais do que achei que fosse gostar, me surpreendi.
      No Brasil ia demorar NO MÍNIMO 5 h, hahahaha.

      Beijooos

      Excluir
  6. Acabo de ver o trailer da adaptação do livro, na verdade parece muito bom, li o livro faz um tempo, mas acho que terei que ler novamente, para não perder nenhum detalhe. Definitivamente Tom Hanks é uma das azoes pelas quais o filme teve resumos positivos. Mais que filme de drama biográfico, é um filme de suspense, todo o tempo tem a sua atenção e você fica preso no sofá. Acho que Sully o herói do Rio Hudson vale muito à pena, é um dos melhores do seu gênero. Além, tem pontos extras por ser uma historia real. Realmente o recomendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você leu o livro?
      Que legal!
      Fiquei curiosa em ler.
      Tom Hanks é realmente maravilhoso.

      Beijooos

      Excluir