terça-feira, 12 de junho de 2012

O Bruno Mars da Literatura


Como hoje é o Dia dos Namorados, eu não podia escrever sobre outra coisa que não o amor, né? (Por falar nisso, um beijo para o meu namorado gato!) E não existe homem mais romântico no mundo do que Nicholas Sparks, o autor amado por 98% das mulheres. Os outros 2% não o amam porque não o conhecem. Ele é o Bruno Mars dos livros, ou seja, fala simplesmente o que todas nós queremos ouvir.

Ao todo ele já escreveu 18 livros. 13 deles foram traduzidos para o português. E 7 já viraram filmes. Dos 13 eu já li 8. É difícil escolher um só para comentar, ainda mais que muitos deles constam na minha “pequena” lista de preferidos. Por isso com o tempo vou falando sobre todos. Mas, hoje escolhi o último que eu li, que foi o lançado no ano passado: O Melhor de Mim.



O livro conta a história de Amanda e Dawson, um casal de classes sociais diferentes que se apaixonou loucamente na adolescência, mas que, é claro, o destino separou bruscamente. Ela era da família mais rica e poderosa da cidade. Ele era da escória, uma família que todos os homens eram presos alguma vez na vida, pois só tinham atividades ilícitas.  Só que Dawson era diferente, era bom, por isso saiu de casa e foi morar com Tuck, o homem que o abrigou quando mais precisou. A morte de Tuck, 20 anos depois da separação deles, fez com que se reencontrassem em um final de semana, cujos eventos mudaram a vida dos dois drasticamente.

Como todo livro do Nicholas Sparks, favor deixar um lencinho do lado, porque você vai precisar. Eu mesma terminei de ler enquanto estava no avião em um voo de Cuiabá para Brasília. Comecei a chorar tanto que o cara que estava sentado do meu lado ficou me olhando sem saber o que fazer. E eu tentava me explicar "Moço, (soluço) você não tem ideia (fungada) de como essa história é (pausa para enxugar as lágrimas) triste!". Ele deve ter me achado louca. Enfim.

Gostei muito do livro, mas não é o meu preferido entre todos os que eu já li dele. Acho que o meio da história de vez em quando se arrasta. É uma obra um pouco mais adulta do que as outras que Nicholas Sparks já escreveu. Fala muito sobre o que a gente sacrifica na vida pelo bem e por amor à família.

Como o próprio autor disse em uma entrevista "Finais felizes ou infelizes são fáceis. Difícil é o fim doce-amargo, como o de Casablanca e a maioria dos meus livros ".  É, não posso dizer que ele está errado, já que quase tudo o que ele escreve ou alguém morre, ou alguém está doente, ou alguém vai para a guerra, ou algo muito improvável acontece que separa o casal ou os pais dos filhos.

Vale a pena ler e derramar algumas lágrimas por Dawson e Amanda.

Enfim, feliz Dia dos Namorados!

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário