sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sombras da Noite em uma palavra: Estranho

Como posso descrever Sombras da Noite, de Tim Burton? Estranho e esquisito são as palavras que vem na minha mente. Talvez engraçadinho de um jeito meio trash e sombrio, mas um pouco assustador também. Bom, eu já esperava algo do tipo, afinal, é Tim Burton, né?




Inspirada em um seriado homônimo, o filme conta a história de Barbanas Collins (o novo solteiro Johnny Depp). No século XVIII, quando criança, saiu com os pais da Inglaterra e juntos criaram um império de frutos do mar no Maine, nos Estados Unidos. Seu prestígio era tão grande que a cidade tem o nome da família: Collinsport. Após desprezar o amor da criada/bruxa Angelique Bouchard (a belíssima e ótima Eva Green), ela mata a sua esposa (ou noiva, não sei, não explica), o transforma em vampiro (do tipo clássico, não do tipo Crepúsculo que brilha no sol) e o tranca em um caixão por quase 200 anos.

Quando é liberto, se encontra nos insanos anos 1970 e a sua família não tem mais prestígio. Angelique é quem manda na cidade nos últimos 2 séculos e fez de tudo para destruir os Collins financeiramente, emocionalmente e fisicamente. Com a missão pessoal de reconstruir o nome da disfuncional família, ele tenta consertar as maldições que rondam os Collins há tanto tempo e reencontrar o amor.

Sobram apenas 7 integrantes na mansão Collinwood: a sensacional Michelle Pfeiffer, mais bonita do que nunca, que é Elizabeth Collins, quem tenta manter a família unida. Jonny Lee Miller é Roger Collins, o irmão viúvo e ladrão de Elizabeth. Chlöe Grace Moretz e Gulliver McGrath (ambos de A Invenção de Hugo Cabret) são os primos Carolyn e David. Ela é a típica adolescente estranha que parece chapada o filme todo e ele o maluco da família que vê o fantasma da falecida mãe. Helena Bonham Carter, sempre esquisita, é a Dra. Julia Hoffman, uma psiquiatra obcecada por ser jovem eternamente. Jackie Earle Haley é Willie Loomis, o criado bêbado. E, por último Bella Heathcote, é Victoria Winters, a tutora de David que é ainda mais estranha do que o garoto.

As histórias dos personagens, tirando a do Johnny Depp e da Eva Green, não me pareceram bem amarradas ou explicadas. Tive a sensação que escreveram o roteiro de qualquer jeito e apressadamente. Pesquisando sobre Sombras da Noite, descobri que foi isso mesmo. Por causa da atrasos, escreviam durante as filmagens e revisavam tudo no set.

Mas, há boas tiradas cômicas, principalmente do Barbanas Collins, que estranha fatos comuns da vida no século XX, como mulheres serem médicas, a televisão ser mágica e ele dizer que o roqueiro  Alice Cooper é a mulher mais feia que já viu. Não é um filme engraçado, é um filme com algumas cenas engraçadas.

Vale um destaque para Eva Green. Linda e excelente atriz, ela dá um banho de atuação. Falsa e dissimulada, por trás de nome angelical, do sorriso encantador e da reputação de boa cidadã, ela esconde a loucura e crueldade que espreitam o seu ser. Ponto positivo para ela. E Johhny Depp, sempre Johnny Depp. Estranho, charmoso e competente. Ponto para ele também.

Não sei se recomendo. Não vela a pena assistir pela história, mas para ver as atuações.

Teca Machado

Um comentário:

  1. Concordo plenamente com cada palavrinha ai Teca! Tb achei a história fraquinha, mas as atuações e o cenário são demais! Sem falar da noite de amor que é insana e engraçadíssima!
    Enfim, Johnny Depp é simplesmente Johnny Depp, e ele fica ótimo em personagens cômicos e estranhos, como vc disse, estranho, CHARMOSO e competente!
    CORRAM ele está SOLTEIROOOO!!! hahahaha
    Amei a cia da noite Tequinha e que bom que não tivemos pesadelos!

    ResponderExcluir