sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Remédio contra o mau humor: Mamma Mia!

Todo mundo tem aqueles dias em que se sente meio triste, meio down. Pode ser por algum motivo específico ou por alguma gripe, resfriado ou virose. Nesses momentos, o que fazer para se sentir mais feliz e animado? A minha receita pessoal é assistir Mamma Mia!, um dos meus filmes preferidos. O longa, de 2008, é tão alegre, tão feliz, tão iluminado, que consegue facilmente me tirar de locais sombrios e deprimidos. Tem como não sorrir ao ver pessoas bonitas se divertindo e cantando músicas dos anos 1970, tudo isso nas belíssimas praias da Grécia?


Mamma Mia!, assim como muitos filmes, foi inspirado num musical da Broadway. A história foi escrita utilizando os maiores clássicos do ABBA, banda sueca que se tornou totalmente cult. Estreou em 1999 em Londres e o sucesso estrondoso se refletiu em muitos países. É uma das peças mais assistidas do mundo. Eu assisti em 2010 a versão brasileira em São Paulo. Foi muito bom, mas confesso que foi meio estranho ouvir em português músicas que eu estou acostumada a escutar em inglês desde muito nova.

Personagens felizes e radiantes

Em Mamma Mia!, Sophie, uma garota de 20 anos que mora numa ilha grega, (Amanda Seyfried, linda como sempre, com o cabelo parecendo de uma sereia) está realizando o seu grande sonho de se casar com Sky (Dominic Cooper), seu namorado. Apesar de muito feliz, ela sente que falta algo para tudo ser perfeito: Que o seu pai a leve até o altar. Mas tem um pequeno problema. Sua mãe Donna (Meryl Streep, se divertindo como nunca no papel), nunca lhe contou quem era o pai e as duas sempre estiveram sozinhas.

Donna e Sophie

Quando acha um diário de Donna do ano em que Sophie nasceu, a filha descobre que na época a mãe tinha três namorados ao mesmo tempo. Sem saber qual deles é o seu pai, Sophie convida os três para o casamento. E, para sua grande surpresa, todos aceitam o convite. Bill Anderson (Stellan Skarsgård), um autor de livros de aventuras e viagens, Sam Carmichael (Pierce Brosnan), um arquiteto americano super cool, e Harry Bright (Colin Firth), um homem de negócios certinho e reprimido, são as opções de pai que a noiva tem.

Bill, Sam e Harry

Os três aparecem na ilha, o que deixa Donna doida e com os sentimentos confusos. Enquanto isso, os três homens, que não tem ideia de que o romance com a mulher rendeu um fruto, ficam atrás dela para acertar as contas do passado. 

Sophie, Sky e a Grécia

Tudo isso e muito mais vai acontecendo com os personagens passando dias ensolarados na Grécia, cantando e dançando músicas do ABBA, todo mundo feliz, simples e radiante. Além dos principais personagens já citados, destaque para Tanya (Christine Baanski) e Rosie (Julie Walters), melhores amigas de Donna quando eram adolescentes. Elas são as que mais arrancam risadas do público.

Rosie, Donna e Tanya

Dirigido por Phyllida Lloyd, a mesma de A Dama de Ferro, Mamma Mia! tem o figurino lindo, os cenários mais ainda, os atores muito bons e a trilha sonora excelente. Não tenho do que reclamar, para falar a verdade. 

"Dancing queen..."

Mesmo que você não goste da história ou a ache bobinha, é meio que impossível não gostar das músicas, que embalaram as discotecas dos anos 1970 e até hoje são presença certa e festas de casamentos e formaturas.

Festa na Grécia

Mamma Mia! é aquele tipo de filme que te faz sorrir e te faz sair dançando e cantando pela casa ao final do letreiro.

Sophie e seus pais

Recomendo.

Teca Machado 

Nenhum comentário:

Postar um comentário