quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Nunca gostei tanto do Homem-Aranha: Broadway

Hoje não vou escrever sobre Nova York propriamente dita porque comentei sobre ela aqui. Além disso, já invadi demais a coluna de turismo da Iara Vilela falando sobre a Big Apple e sobre Chicago. Entã vou falar de um programa cultural de Nova York: A Broadway.

Palco de Spiderman - Turn Off The Dark

Quando fui para a cidade em 2010 assisti o tão famoso O Rei Leão. Gente, é um negócio de outro mundo de tão maravilhoso. Nunca vi nada igual. Dessa vez fui ver Rock of Ages (Comentei sobre o filme aqui), que também achei excelente. Mas, diferentemente do O Rei Leão, ele é mais simples. O cenário não muda, nem o figurino. O foco é na história, nos personagens e, é claro, nas maravilhosas músicas do anos 1980. Acaba sendo um ambiente até mais aconchegante. É um pouco diferente do filme, mas a essência do enredo é a mesma. O legal é que no dia que fui o guitarrista que tocava para a peça era do White Snake, o que rendeu muitas piadas sobre a banda.

Apesar de ter amado Rock of Ages, o ponto alto da viagem foi o teatro do Spiderman – Turn Off The Dark, a mais cara produção que a Broadway já teve. Se eu achei que tinha ficado impressionada com O Rei Leão, agora fiquei muito mais. Não economizaram recursos, criatividade, perigo e problemas nessa peça.


Para começar, quem escreveu as músicas foram o Bono e o The Edge, do U2. Então é claro que você pode esperar músicas muito boas. Em cada uma delas é possível ver a “assinatura” desses dois artistas. Você sai cantarolando as canções, mesmo tendo ouvido apenas uma vez. Minha família gostou tanto que comprou o CD ao final do espetáculo. Não paro de ouvir mais.

Cena do espetáculo

A história não é das mais profundas em Spiderman – Turn Off The Dark. É basicamente o enredo do primeiro filme do Homem Aranha, com o chatão do Tobey Maguire. A diferença é que começa com a história da Arachne (a mitologia dos surgimento das aranhas). E também que o Peter Parker não é tão loser, que o Norman Osborn/Duende Verde é muito engraçado e que além do vilão principal há mais seis chamados Sinister Six, famosos nos quadrinhos.

Duende Verde e o Homem-Aranha

A graça desse teatro não é o enredo, mas a maneira como tudo é conduzido. As atuações são ótimas, principalmente do Peter Parker, que é o ator/cantor Reeve Carney (Eu tirei foto com ele depois, haha), e do Harry Osborn, engraçadíssimo e interpretado por Robert Cuccioli

Reeve Carney e eu

O palco muda a todo instante, o cenário é dinâmico, com movimentação frequente e um quê de história em quadrinhos e cartoon. Plataformas sobem, descem, dão piruetas e muito mais. Mas o mais interessante são os atores sendo levantados por cabos de aço e fazendo voos em cima da plateia. A melhor palavra que eu encontro para descrever é Uau. Li que eles foram treinados por acrobatas do Cirque du Soleil. É algo impressionante e inesquecível. Se eu que sou mulher e (meio) adulta, já fiquei de queixo caído, imagina as crianças que assistem! Nem piscam.


Lá não pode tirar foto, filmar, nada, mas achei esse vídeo no Youtube que mostra um pouco da grandiosidade do espetáculo:


A produção do Spiderman – Turn Off The Dark, além de ser uma das mais famosas da Broadway, é também a mais polêmica e problemática. Desde os ensaios, muitos acidentes aconteceram com os atores, já que o risco de se pendurar em um cabo de aço são meio grandes, né? Alguns até dizem que a peça já está amaldiçoada.

Infelizmente, justo no dia que eu fui (15/08), aconteceu um acidente. No início do segundo ato o pé de um dos atores do coro ficou preso numa plataforma do palco. A música parou, funcionários da produção entraram, chegaram bombeiros e ambulâncias. Depois de alguns minutos todo o público foi retirado do teatro e enviado para o saguão. O show foi cancelado na metade e voltamos para casa. A plateia recebeu reembolso e nós voltamos no dia seguinte. Ninguém diz o que aconteceu exatamente  com o rapaz machucado. Alguns dizem que o pé quebrou, outros que foi amputado, mas as notas oficiais afirmam que ele foi para o hospital e está bem. Graças à Deus (Repercussão da mídia aqui).

Em frente ao teatro

Spiderman – Turn Off The Dark é uma experiência que você com certeza lembrará a vida toda. Se for a Nova York, não deixe de ir. É um dinheiro gasto que vale muito a pena.

Recomendo demais.

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário