terça-feira, 14 de julho de 2015

Cidades de Papel – O filme


A Culpa é das Estrelas (Comentei o livro aqui e o filme aqui) é, para a maioria, a obra preferida de John Green. Sim, sem dúvida é algo inexplicavelmente maravilhoso. Já Cidades de Papel (Aqui), obteve algumas críticas negativas, principalmente por causa do final. Eu não me incluo nessa, porque gostei bastante. E posso dizer que o filme da adaptação, que está nos cinemas desde semana passada, conseguiu até ser melhor do que o livro, algo bem raro.


Do diretor Jake Schreier, Cidades de Papel pode até passar a impressão de que é um filme juvenil sobre amor, mas no fim das contas o seu foco é a amizade incondicional, que resiste até a uma road trip, brigas e mulheres idealizadas. 

Com um elenco muito bem escolhido e uma química entre atores que transborda a tela do cinema, o público se identifica com o sentimento de cumplicidade que permeia o filme, com o momento de mudança que vivem: A transição de vida, da escola para a universidade e de deixar para trás lugares, pessoas e cotidiano que eles conhecem desde que nasceram.

Os melhores amigos Q, Ben e Radar

Em Cidades de Papel, Quentin, também conhecido como Q (Nat Wolff, o Isaac de A Culpa é das Estrelas) é apaixonado por Margo Roth Spiegelman (A modelo Cara Delevingne), sua vizinha desde a infância. Enquanto Q era certinho e vivia em sua zona de conforto, com medo de se meter em problemas, Margo era destemida, o tipo que aos 9 anos chega perto de um cadáver de um suicida e quer investigar sua morte. O tempo foi passando e os amigos se distanciaram. Q se tornou o nerd que toca na banda da escola e tem a vida toda planejada, enquanto Margo é a popular das populares, um mito entre os adolescentes da cidade, um mistério no formato de garota que de vez em quando foge de casa para viver aventuras.

Certa noite, Margo aparece na janela de Q e o chama para ajuda-la num plano de vingança contra os amigos. Q vai e tem uma noite épica, que envolve carro enrolado em fita adesiva, peixes em armários e depilação de sobrancelhas. Feliz com a nova conexão com Margo, Q mal pode esperar para chegar à escola amanhã e descobrir como será a interação entre eles. Mas Margo desaparece em mais uma de suas fugas espetaculares.



Margo Roth Spielgeman e Q na noite de vingança

Acreditando que a garota deixou pistas para que ele encontre sua localização e se junte a ela, Q convoca os dois melhores amigos Ben (Austin Abrams) e Radar (Justice Smith) para iniciar uma busca de proporções continentais. No meio do caminho chegam também Lacey (Halston Sage), melhor amiga de Margo, e Angela (Jaz Sinclair), namorada de Radar. Mais do que a procura por Margo, essa viagem é de autodescoberta para todos.

Nat Wolff, Austin Abrams e Justice Smith parecem amigos em cena porque eles realmente o são. Nat e Justice até mesmo dividem um apartamento. Eles são divertidos, malucos e encaixaram perfeitamente nos personagens. E algo interessante em Cidades de Papel é que vemos atores interpretando adolescentes que realmente têm cara da faixa etária. Cara Delevingne é meio sem sal, cheia de frases de efeito e meio ruinzinha, mas vamos dar um desconto, é o primeiro filme dela. Acho que a minha birra vem do fato de que já achava a Margo uma vaca desde o livro, haha.

Amigos em busca de Margo

Cheio de referências à cultura pop, Cidades de Papel vai de Game of Thrones até uma cena incrivelmente louca e engraçada em que os garotos num momento de tensão cantam com toda a força dos pulmões a música tema de Pokémon. Há até mesmo uma participação especial de Ansel Elgort (Gus!) que deixou tudo ainda melhor.

O filme não é igualzinho ao livro. Alguns trechos incríveis do original ficaram de fora, mas a adaptação ficou mais dinâmica, divertida e palpável. O final foi quase o mesmo, mas foi feito de uma maneira que Q teve um desfecho melhor. Até mesmo John Green disse que “algumas coisas ficaram até melhores que no livro”. No cinema, a história funcionou muito bem.

Q e Lacey, amizade numa banheira

Se você não quer assistir por medo de encontrar um drama de querer pular da ponte como A Culpa é das Estrelas, não se preocupe. Dessa vez você vai rir, e muito.

Recomendo bastante.

Teca Machado


10 comentários:

  1. Li esse livro recentemente, e estou ansioso pelo filme <3
    Nas próximas semanas eu assisto

    http://ruasazuis.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que eu gostei até mais do filme do que do livro?
      :)
      Espero que goste!

      Beijoooos

      Excluir
  2. Teca, tô na metade do livro e não tô curtindo muito! Espero mesmo que o filme seja melhor. :)

    beijo
    www.belatriz.info

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que a Margo é uma vaca, hahaha.
      Ela estraga o livro.
      O filme com certeza é melhor.
      :)

      Beijoooos

      Excluir
  3. Eu assisti na estreia e gostei muito, o final foi meio em graça, mas no geral eu gostei, dei uma de louca gritando Guuuus!! kkk e a sena da música do pokemon quando ele fala Picaxuuu kkk e a do xixi foram as melhores, ri muiiito, achei mt divertido!

    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente, do Pikachu eu rachei de tanto rir, hahahahahahaha.
      Muuuuuito bom, né?
      O final é meio sem graça porque a Margo é uma vaca.
      :P

      Beijooooos

      Excluir
  4. Ainda não li esse livro nem vi o filme.
    Quero fazer isso em breve.
    Parecem bons.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mone, é bem legal!
      Mas o filme é melhor, por incrível que pareça.
      :)

      Beijooos

      Excluir
  5. Oi Teca,
    Estou super curiosa para assistir esse filme nas telonas, acho que vou adorar ele. É bom saber que ele não é tão dramático quanto a Culpa é das Estrelas.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah, nem passa perto no drama.
      Ele é engraçado, teve momentos que eu morri de rir, hahaha.
      :)

      Beijoooos

      Excluir