sábado, 6 de julho de 2013

Para chorar litros: A Culpa é das Estrelas

Meu namorado não consegue entender porque eu choro lendo livros. Mas o negócio é que eu choro mais com livros do que com filmes. A minha imaginação é muito fértil. Às vezes até eu fico espantada com ela (Principalmente com os meus sonhos). Acho que eu choro mais com livros porque os personagens tem o rosto que eu dei para eles, o cenário foi criado por mim e a situação tem as nuances que eu criei (Tudo dentro da história, é claro), então fica algo muito mais pessoal, muito mais meu. E se algo ruim acontece, sinto muito mais. E isso foi o que aconteceu ontem quando terminei de ler A Culpa é das Estrelas, de John Green.


Nunca chorei tanto com um livro. Quase me afoguei em lágrimas, na verdade. Chorei até mais que em Marley e Eu (Comentei aqui) e A Última Música, de Nicholas Sparks. Em A Culpa é das Estrelas, do meio para frente eu estava com lágrimas rolando timidamente. Quase no final, eu já estava com elas descontroladas. No fim eu quase soluçava. Sim, meio louca, eu sei, mas eu não tenho muito poder sobre o meu choro. Meus canais lacrimais vieram com defeito.

Apesar de eu ser a  maior chorona do Universo, A Culpa é das Estrelas não é deprimente do tipo que te deixa mal. Mesmo com a história mega triste, o autor deu uma leveza e ironia ao texto que te faz sorrir mesmo em partes trágicas. Os personagens são, apesar da situação, engraçados, de bem com a vida e totalmente sarcásticos. Suas reflexões do Universo e de que a vida da gente, boa ou ruim, é culpa das estrelas, é de se fazer pensar.

Adorei a cara nerd do John Green. Não sei porque, mas imaginava ele mais velho e meio careca

Em A Culpa é das Estrelas, Hazel Grace é uma garota de 16 anos em estágio terminal de câncer de tireoide. Acontece que ela está em estágio terminal desde os 13 anos, então está sempre esperando a morte. Mas um novo medicamento experimental lhe deu o que chamaram de “milagre” e a doença não está progredindo (Mas também não está sendo curada). Apesar disso, não é revoltada. Pelo contrário, vai vivendo sua vida simples, tranquila e sem grandes emoções, apesar de um pouco deprimida. Sua mãe a obriga a ir a um grupo de apoio, o que ela detesta, até certo dia, quando ela conhece Augustus Waters.

Augustus, ao contrário de todo mundo no grupo, não está com câncer. Ele teve há pouco tempo osteosarcoma (Um tipo de câncer nos ossos), mas amputou uma das suas pernas e ficou curado. Lindo, de 17 anos, com olhos azuis de apaixonar, atlético e muito engraçado, ele foi até lá em apoio ao amigo Isac, que tem câncer no globo ocular. Augustus e Hazel se conhecem, começam uma relação de amizade e, é claro, se apaixonam loucamente.

Não sei de quem é essa ilustração de Hazel e Gus, mas achei tão linda!

Hazel e Augustus gostam de um livro que não tem fim. O autor simplesmente termina com uma frase na metade. Recluso e sem falar com a imprensa, por milagre o autor responde uma carta de Augustus e o chama para conversar sobre o “pós-livro” em Amsterdam. Augustus, que mora nos EUA, dá um jeito de levar Hazel até lá para que possam descobrir mais sobre o assunto.

Gostei muito de Hazel e mais ainda de Augustus. Gente, ele é uma graça! Me apaixonei, para variar (Eu me apaixono por 95% dos personagens masculinos de livros, haha). Adorei o Isac, que apesar de personagem secundário, aparece bastante e tem um senso de humor que não se vê em outro lugar. Os pais da Hazel são super amores também.

Citação do livro

John Green fez um livro que emociona, que faz pensar na vida e refletir sobre o seu papel aqui na Terra, seja ele grande, seja ele pequeno (O que na maioria das vezes é até melhor). A leitura é fácil e rápida. Li em 3 dias. Mesmo com Hazel e Augustus tendo uns papos profundos super confusos, você não se perde e dá de entender tudo.

A Culpa é das Estrelas é triste, mas não faz você perder a sua fé na humanidade. É triste, mas não a ponto de ser forçado ou brega. É triste, mas dá uma boa lição de vida. Me marcou.

Um resumo do livro

Recomendo bastante.

Teca Machado

2 comentários:

  1. Ahhh... tinha que fazer um comentário sobre esse livro!!!...
    Li ele ano passado... me deprimiu Teca... eu fiquei literalmente de LUTO, uns 2 dias!
    POASKPASKPOASKPOASKAOSKA
    Mas ao mesmo tempo é com certeza, um dos livros mais lindos e emocionantes que já li!! Também chorava de soluçar, da minha irmã entrar no meu quarto e perguntar o que tava acontecendo!! KKKKK
    Também recomendo d+!!
    Saudade de Gus e Hazel!!
    Quero ler de novo um dia :)
    Parabéns pelo blog, tá ótimo!!
    P.S: Assisti Super Homem... MUITO BOM mesmo! :D

    ResponderExcluir
  2. teca
    concordo com td oq vc disse, um livro mto triste, mas com uma ironia e leveza que me surpreenderam. Tem tantas coisas pesadas e outras tantas q amenizam, é Isac dando comando para o videogame (faça sexo com a parede) e o círculo que Hazel desenha para Gus....
    um livro pra se apaixonar e chorar!

    bjinhus

    -Dudi

    ResponderExcluir