quarta-feira, 8 de maio de 2013

Um quase retrato da realidade que faz chorar – O Caminho Para Casa


Que eu sou uma chorona e manteiga derretida, todo mundo que me conhece pelo menos um pouco sabe. Dependendo do dia, choro até com comerciais na TV ou porque a comida que eu quero está em falta. Meus canais lacrimais tem vida própria, eu sei. Mas o livro O Caminho Para Casa, de Kristin Hannah, me fez chorar litros (Ainda mais porque li nesses últimos dois dias que estive doente, ou seja, sensível e carente).


Olha, a autora é pior do que o Nicholas Sparks para fazer a gente chorar. Acho que porque achei a história dela mais real, mais fácil de acontecer na vida de qualquer pessoa. De vez em quando o Nicholas Sparks exagera um pouquinho e deixa tudo Contos de Fadas demais (Não que eu reclame disso, longe de mim!).

Então, O Caminho Para Casa conta a história da família Farraday e de Lexi. Lexi, uma garota que teve uma mãe problemática e viciada em drogas, passou a infância sozinha, indo de um lar adotivo a outro. Até que descobriu ter uma tia avó, a bondosa e idosa Eva, que a acolheu. Pela primeira vez, ela sentiu que tinha uma família. 

Logo no primeiro dia de aula, a garota conhece Mia e Zach Farraday, gêmeos com boas condições que sempre tiveram tudo do bom e do melhor, além de uma mãe que é considerada “a melhor do mundo”. Lexie se torna melhor amiga de Mia e Zach vira o seu namorado, então a vida dos três passa a estar mais entrelaçada do que nunca.

A mãe dos gêmeos, Jude, sempre se esforçou para ser a melhor mãe que existe. Participativa, amorosa, presente e brincalhona, tem filhos apaixonados por ela. Mesmo sendo um tanto sufocante na criação deles, o gêmeos nunca foram revoltados ou desobedientes. Quando Lexie entra na vida dos filhos, Jude passa a ser como uma mãe para a garota e eles apenas são completos quanto juntos.

Essa é a Kristin Hannah. Achei ela tão bonita! A descrição da Jude é quase a mesma dela.

Até que em uma noite, no final do ensino médio, um erro, uma escolha ruim, coloca todo o equilíbrio e a felicidade dos Farraday e de Lexie fora de alcance. O que era luz, vira cinza e a culpa é de todos, um pouco de cada um. A partir daí, a vida deles vira uma questão de perdão, amor, amizade, revolta e, principalmente, família. Cabe a eles encontrar esperança no que sobrou e retomar a vida.

Kristin Hannah escreve de uma maneira sensível sem ser melodramática. Da metade do livro até o final, fiquei chorando em vários momentos e a todo o tempo tive um nó na garganta. Fiquei tão sentida com os acontecimentos que até sonhei com o livro de noite! O que mais dói pensar é que com certeza há muitas famílias que passam por algo parecido, ou mesmo igual, ao que os personagens passam em O Caminho Para Casa.

A leitura flui, voa, e você se sente conectado com os personagens, já que é narrado em terceira pessoa e o leitor passa a ter acesso aos sentimentos, alegrias, angústias e tristezas de todos os envolvidos. Há momentos em que você se apaixona por eles (Eu e a minha paixão por Zach...), sente raiva da irracionalidade deles (Ai, Jude, que raiva de você!) e enjoa da vontade de alguns de ser quase a Madre Teresa de Calcutá (Lexie, essa foi para você!). E ter sentimentos conflitantes pelos personagens é algo bom. Mostra que são humanos e que a autora soube construir bem cada um deles.

Não fique achando que O Caminho Para Casa é um livro mulherzinha, água com açúcar, romance ou sofrimento sem fim. É talvez um retrato da realidade que todo mundo que tem coração deveria ler.

Recomendo muito (E tenha lenços ao seu lado, sério).

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário