quarta-feira, 1 de maio de 2013

Irmãos – Quem nunca quis matar?


Pessoas que têm irmãos, pelo menos umas 10 vezes na vida já quiseram cometer o assassinato deles. Talvez não existam seres mais irritantes do que irmãos. Eles sabem o que falar, fazer e mesmo pensar só para te irritar. Sabem seus pontos fracos e, pior, sabem os seus segredos, então sempre rola aquela chantagem de “Se você não fizer isso para mim, mamãe vai saber que você anda fazendo tal coisa”. Quem nunca caiu no tapa com o irmão não sabe o que é emoção. Sim, irmãos são insuportáveis, não importa a fase da vida.

Mas, por mais que tem dias que queremos estrangular nossos irmãos, querendo ou não, são um pedaço de nós, então não podemos fazer isso. Eles compartilham o mesmo sangue, o mesmo DNA, a mesma criação. Às vezes o mesmo quarto, os mesmos brinquedos e as mesmas roupas. Eles são uma extensão de nós (Por mais que sejam uma extensão muitas vezes chata).

A minha irmã e eu quando éramos crianças, na época que ela gostava de me amarrar no poste

O amor de irmãos é uma coisa que eu sempre achei interessante. Eu posso falar mal, querer matar, sacudir e arrancar os cabelos dele(a), mas só eu posso querer fazer isso. Se qualquer outra pessoa pensar em fazer um mínimo de maldade que seja com nossos irmãos, viramos um bicho e os defendemos com unhas e dentes. “O irmão é meu e só eu posso falar mal”, é uma frase comum. É uma intensa relação de amor e ódio, sendo que o ódio é puro amor disfarçado. Afinal, que graça teria ter um irmão e não odiá-lo pelo menos um pouquinho?

A minha irmã, por exemplo, sempre foi um gênio do mal. Vocês já viram por aqui as histórias que eu conto dessa criatura, sendo a mais clássica a de quando ela me amarrou no poste, entre outras coisas, que vocês podem ler aqui e ver o vídeo aqui

Nessa foto não muito parecidas, mas até que somos bastante

Uma das minhas preferidas é o caso de eu ser adotada. Todo mundo lá em casa tem olhos verdes, os meus são castanhos. Todo mundo é destro, eu sou canhota. Minha irmã e a minha mãe são loiras, meu pai tem cabelo preto e os meus são castanhos. Todo mundo é bem branquelo e eu sou um pouco mais morena. Eu sempre fui a mais diferente, tanto de aspectos físicos quanto de modo de pensar. Então, é óbvio que a minha irmã ia falar que eu era adotada. E eu com certeza ia acreditar (Porque até hoje sou bem boba a acredito em tudo o que as pessoas me dizem, principalmente ela). Eu chorava e falava:

- Eu não sou adotada! Vou perguntar para o papai e ele vai te desmentir.
- Claro que ele vai falar que é mentira. Ele não quer que você saiba a verdade. – Ela me respondia.

Então, eu chegava até o meu pai:

- Pai, a Nana disse que eu sou adotada. É verdade?
- Claro que não.
- BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁ, SOU SIM! A Nana disse que você ia falar isso para não ferir os meus sentimentoooooooooooooooooos... – E assim eu chorava por um tempão.

O engraçado é que hoje em dia eu e ela somos muito parecidas fisicamente (Ainda mais depois que eu fiz luzes). Quando a minha irmã teve a segunda filha, percebemos que a minha sobrinha parecia muito comigo. Meu pai mesmo dizia que se não tivesse visto saindo da minha irmã, ia ter certeza que era minha. Bom, essa foi a prova de que eu não sou adotada, haha. E se fui, eu e ela fomos adotadas juntas, porque a Helena, que hoje tem dois anos, era a minha cara, minha cópia.

Eu neném e a minha sobrinha neném. Quase a mesma criança.

Quem olha a minha irmã, nunca falaria que ela fazia essas coisas comigo. Tem uma cara de anjo que só vendo. Quando éramos pequenas ela me irritava, me chateava e me dava vontade de bater (O que eu confesso ter feito algumas vezes...), mas sempre amei de todo o coração. Hoje a parte de eu querer matar só acontece muito raramente, ainda mais porque ela me deu duas sobrinhas que são o amor do meu coração (Não posso deixar as meninas sem mãe, né?). 

A minha irmã é uma das pessoas mais lindas em todos os sentidos que eu conheço. Ela foi má, mas não posso reclamar. Olha quanto material de histórias engraçadas que ela me deu! Não é qualquer um que pode dizer que foi amarrado num poste vestido de índio.

Ontem, dia 30 de abril, foi o 28º aniversário da minha irmã e eu queria desejar toda a felicidade do mundo, afinal, ela é um pedaço de mim.

Meu pedaço e o pedaço dela

Te amo, sua chata!

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário