terça-feira, 19 de novembro de 2013

Como diria Alicia Keys, “this girl is on fire”: Jogos Vorazes – Em Chamas


Uau. É assim que posso descrever Em Chamas, segundo filme da trilogia de livros Jogos Vorazes (Comentei aqui) que entrou em cartaz no cinema na sexta-feira e é do diretor Francis Lawrence.


Todo mundo aqui sabe que o meu coração tem espaço para muitas séries de livros/filmes, como Harry Potter, Percy Jackson (Aqui), Saga Crepúsculo, A Seleção  (Aqui) e outros. Mas os Jogos Vorazes tem um lugar especial de honra. Os livros são fantásticos e a história absurdamente tensa e bem bolada. O primeiro filme é muito bom e parecidíssimo com o livro. Mas esse segundo é idêntico à obra da autora Suzanne Collins e conseguiu ser ainda melhor do que o seu antecessor. Nunca vi um filme que respeitasse tanto o original de papel.

Katniss e Peeta "catching fire"

A história de Jogos Vorazes – Em Chamas passa um ano depois do primeiro filme, quando Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence), após desafiar a Capital e conseguir sobreviver ao 74º Jogos Vorazes com o seu parceiro de Distrito Peeta Mellark (Josh Hutcherson), tenta a todo custo voltar à normalidade. Só que isso é impossível. Aqueles que ganham o campeonato sangrento acabam se tornando uma espécie de eternos peões do governo.

Gale, parte do triângulo amoroso, e Katniss

Chega o momento da Turnê dos Vitoriosos, quando os vencedores precisam passar em todos os distritos do país de Panem esfregando na cara mostrando à população que foram mais fortes e inteligentes do que os concorrentes deles. Nesse momento, Katniss descobre que o seu pequeno ato de amor e rebeldia do primeiro filme despertou um sentimento adormecido nos cidadãos há muito tempo: O de esperança e de revolução. Por onde Katniss e Peeta passam, os sinais de revoltas aparecem e a garota, sem querer, se torna o símbolo da liberdade de um governo totalitário, que está a cada momento mais ensandecido.

A Turnê dos Vitoriosos

O presidente Snow (Donald Sutherland) percebe que ela foi a faísca que acendeu o fogo dos habitantes de Panem e quer fazer de tudo para eliminar essa ameaça antes que tudo fuja do controle. Para isso, recorre a ajuda de Plutarch (Philip Seymour Hoffman), um novo Diretor dos Jogos que tem como objetivo destruir a imagem de Katniss.

Menos focado no amor e mais na estratégia de desafio à Capital, Jogos Vorazes – Em Chamas tem um desenrolar interessante e imprevisível.

Elenco novo que faz desse filme ainda melhor

O elenco é de peso. Jeniffer Lawrence, apesar de interpretar o papel de durona e teimosa como uma mula, consegue a simpatia do espectador, já que no fundo seu coração é mole e a sua moral é muito bem trabalhada. Seus momentos de desespero são de uma atriz experiente e os de indiferença e ironia são os melhores, do tipo que mesmo em uma cena tensa arrancam risadas do público. Josh Hutcherson te faz ter vontade de levar ele para casa. É doce e querido, mas quando precisa se mostra um homem durão, forte e objetivo.

Protagonistas com Effie, Elizabeth Banks

Falar de Donal Sutherland e Philip Seymour Hoffman é desnecessário. Ambos são excelentes e nunca dão menos do que o seu melhor. Woody Harrelson, que retorna como Haymitch Abernathy, e Elizabeth Banks, outra vez dando vida a Effie, são a alma do filme. Além disso, há todo um elenco de apoio com Liam Hemsworth, como Gale, e muitos outros personagens que são os vitoriosos dos Jogos Vorazes anteriores, que trazem grande adição à história de um modo que não foi visto no primeiro filme.

Elizabeth Banks, Woody Harrelson e Stanley Tucci

Em Chamas teve o dobro do orçamento do seu antecessor e isso pode ser percebido nos efeitos especiais muito bem feitos e nos figurinos. A fotografia do filme é bem bonita, mesmo nos momentos escuros e de inverno.

Para assistir Em Chamas, é preciso ter visto o primeiro da série. É impossível entender a história sem ter acompanhado desde o início. Melhor ainda se tiver lido os livros, que explicam muito melhor toda a situação do país de Panem e de Katniss.

Momento de circo da política de Pão e Circo

O filme acaba com revelações bombásticas e deixa o espectador com o sentimento de eu-não-vou-conseguir-esperar-pela-sequência de tão bom que é (Mas, sinto informar, que você VAI ter que esperar a sequência). Por falar em continuação, o último livro de Jogos Vorazes vai ser produzido do mesmo jeito que muitas séries atuais foram feitas: Ele vai ser dividido em dois filmes. O que é bom, já que o último livro é muito denso e ia sofrer se tivesse cortes.

Agora é esperar ansiosamente por Jogos Vorazes – A Esperança, parte 1.

Recomendo MUITÃO.

Teca Machado

Um comentário:

  1. Adorei também Teca! Achei muito parecido com o livro mesmo, bem fiel!!

    ResponderExcluir