segunda-feira, 7 de julho de 2014

Curiosidades de A Culpa é das Estrelas contadas pelo próprio John Green


Fã assumidíssima de A Culpa é das Estrelas (Comentei o livro aqui e o filme aqui), vi no site Iba algumas curiosidades sobre a obra tanto no papel quanto no cinema. Os fatos escritos são perguntas respondidas pelo próprio John Green no Reddit. Certas coisas eu já sabia, outras não.

Mas antes de começar a ler o post, aperte play na música All of the Stars, do Ed Sheeran, que é parte da maravilhosa trilha sonora do filme.


Pronto, agora que você entrou no clima, pode continuar.

1- A frase “Eu me apaixonei da mesma maneira que a gente cai no sono: devagar, e então de uma vez só”  foi inspirada em Hemingway.


John Green contou que se inspirou em uma frase de Hemingway que diz “Como é que você vai à falência? ‘Duas maneiras: Aos poucos, então, de repente”.


2- Originalmente, John Green tinha uma participação especial em A Culpa é das Estrelas, mas a cena acabou sendo cortada.


“Trata-se da cena em que Hazel e Gus estão no aeroporto indo para Amsterdã. Lá, uma garota (eu interpretei o pai dela) pergunta a Hazel sobre a cânula que ela usava e então tenta arrancar o tubo. Essa cena acontece no livro, mas no filme o tempo é diferente. Ela foi cortada não porque eu fui um péssimo ator (apesar de ter sido), mas porque a cena criava uma pausa desnecessária no filme. (…) Dito isso, acho absolutamente hilário ser cortado do filme adaptado do meu próprio livro, e é por isso que eu não vou me calar sobre esse assunto.”


3- A cena do filme favorita de John Green é a que os personagens aparecem no grupo de apoio.


“Os dias no grupo de apoio com Mike Birbiglia e todos os jovens convivendo com o câncer foram, para mim, os momentos mais legais de se ver ganhando vida.”


4- Existe um significado por trás do nome de Hazel.


“Hazel é uma cor de transição e a personagem está no meio de um monte de coisas: entre ser saudável e ser doente, entre a infância e a idade adulta (…). Então, isso pareceu uma maneira de comunicar a instabilidade e medo (mas também emoção) dessa parte da vida”.


5- E o mesmo acontece com Augustus Waters.


“Augustus é o nome de imperadores romanos, certo? É um grande nome associado a noções tradicionais de grandeza. Mas Gus é o nome de uma criança. É curto e fofo. No livro, ele vai da força à fraqueza, que é o oposto da jornada do herói habitual. Ele começa sendo um garoto confiante e pretensioso. E então ele se torna vulnerável. Para Gus, esse é um processo brutal. Mas a sua capacidade de estar naquilo com Hazel, e de se permitir amar e ser amado, apesar da perda de si mesmo que ele cuidadosamente cultiva, é o que na minha cabeça parece muito mais heroico do que as noções tradicionais”.


6- Hazel assiste America’s Next Top Model porque John Green queria mostrar que, apesar de estar doente, ela era uma adolescente.


Uma das coisas que gosto nos jovens é que eles não estabelecem uma barreira entre a alta e a baixa cultura. Eles assumem as coisas que gostam, e não veem problemas em amar America’s Next Top Model e Emily Dickinson [poetisa americana] ao mesmo tempo.


7- O livro A culpa é das estrelas foi inspirado numa garota chamada Esther Earl, mas a personagem Hazel foi basicamente fruto da imaginação de John Green.


“Eu era amigo de uma garota chamada Esther Earl que morreu de câncer em 2010, quando estava com 16 anos. E eu nunca poderia ter escrito A culpa é das estrelas sem ter conhecido e admirado a Esther.”


8- O livro Uma aflição imperial foi criado para ser um espelho de A culpa é das estrelas.


“Com Uma aflição imperial eu estava tentando criar um reflexo de A culpa é das estrelas, sendo assim Hazel sentiria uma profunda conexão com a história. Seu fascínio com o que acontece com a mãe da personagem Anna é na verdade a vontade de saber o que vai acontecer com sua própria mãe quando ela morrer, e ela vê na ambiguidade do final a mesma ambiguidade de sua vida: Hazel nunca será capaz de ter certeza que sua mãe ficará bem. Voltando em 2010, eu comecei a pensar que talvez Hazel e Gus poderiam ser ligados por um livro que a garota achava particularmente poderoso, e que talvez seu desejo poderia ser conhecer o autor dessa obra. Eu tenho certeza que estava na minha mente porque eu tinha sido parte do desejo de minha amiga Esther.”

Fonte: Iba

E mais uma curiosidade que vi no Título de Livros, da minha amiga Dudi, que diz que em todas as cenas do filme há um objeto azul em referência a capa do livro.

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário