quarta-feira, 3 de abril de 2013

“Meu amor, nosso amor estava escrito nas estrelas...”


Serendipity (Ou serendipidade, em português. Em inglês é muito mais bonito, né?), de acordo com a Wikipédia significa algo que se “refere às descobertas afortunadas feitas, aparentemente, por acaso”. Em outras palavras, são aquelas felizes coincidências, destino, o que tiver de ser será. Gosto dessa palavra. Acho que é melodiosa e tem uma definição romântica e imprevisível. E esse conceito rege todo o filme Escrito nas Estrelas.


Filme gracinha do longínquo ano de 2002, Escrito nas Estrelas é obviedade pura. Mas, é como costumo dizer, o importante não é o que acontece, mas como acontece. E nesse longa acontece muito bem.

No Natal de 1990, Sara (A estonteantemente linda Kate Beckinsale) está em Nova York fazendo compras na famosa loja Bloomingdale’s. Quando a moça pega o último par de luvas, Jonathan (John Cusack, sempre zen, sempre com cara de doidão) também pega. Papo vai, papo vem, atração e paixonite chegam e a química é instantânea.

Cena liiiiiiiiiiiiinda

Na hora de trocar telefones para manterem contato, Sara utiliza um método diferente. Como acredita muito em serendipity, escreve o seu número num livro que segurava e o dele numa nota de dinheiro. Ela diz que se for para estarem juntos, se forem certos um para o outro, o destino vai dar um jeito de tal livro e tal nota pararem em suas mãos outra vez.

Quando Sara e Jonathan se conhecem na loja

Anos se passam, eles nunca mais se veem e ambos estão comprometidos à véspera do casamento. Num momento de dúvida e incerteza, Jonathan começa uma busca por Sara sem nem ao menos saber nada sobre ela. Essas são as melhores cenas do filme, quando Jonathan procura insanamente pela garota com quem passou apenas algumas horas anos antes. O momento que ele está deitado no parque com flocos de neve caindo em seu rosto é lindo.

Na sorveteria Serendipity

Escrito nas Estrelas é um filme em que o casal principal quase não contracena junto, já que passam o tempo quase todo separados um em busca do outro. O interessante é que o destino é um dos principais personagens, apesar de não ser em carne e osso. Ele interfere o tempo todo, tanto para o bem quanto para o mal, e você fica ali morrendo de raiva desse insuportável que não deixa Sara e Jonathan se encontrarem.

"Saraaaaaaa, cade você?"

Apesar disso, desde o início o desfecho é óbvio, o que não tira o seu brilho, porque em alguns momentos você acha que realmente vai dar errado, tantas são as reviravoltas.

Kate Beckinsale e John Cusack estão muito bem em Escrito nas Estrelas. Nenhuma atuação digna de Oscar, é claro, mas é doce, sensível e verossímil, apesar dessa coisas loucas de deixarem tudo nas mãos do acaso. Kate Beckinsale, tão acostumada a fazer filmes de ação e pancadaria (Van Helsing, Anjos da Noite, O Vingador do Futuro... Vocês já repararam como essa mulher gosta de lutar e de bater nos outros?), se deu muito bem em comédia romântica. A gente quase esquece que ela é tão perigosa em outros filmes que pode te matar apenas piscando os olhos. De John Cusack nem preciso dizer nada. Ele foi feito para esse gênero quase tanto quanto Hugh Grant.

Sara na sua busca por Jonathan

Filme super amor e que me faz sorrir. Daqueles bons para assistir quando estiver deprimido ou em dias chuvosos e tediosos.

Recomendo.

Teca Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário